Huawei deve vender Honor por US$ 15 bilhões em dinheiro

Venda da Honor pela Huawei seria uma estratégia para preservar marca diante das restrições comerciais dos EUA

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Honor 9A (imagem: reprodução/Huawei)
Honor 9A (imagem: reprodução/Huawei)

No mês passado, veio à tona os rumores de que a Huawei Technologies estaria planejando vender a Honor, divisão focada em celulares de custo médio para baixo. Ao que tudo indica, a operação vai ser concluída em breve. A companhia já teria encontrado um comprador e estabelecido o preço para a venda: 100 bilhões de iuanes em dinheiro, montante equivalente a US$ 15 bilhões.

Pelo menos é o que aponta a Reuters. De acordo com o veículo, a Huawei vai vender a Honor para um consórcio liderado pela Digital China — principal distribuidora de dispositivos da Honor — e o governo de Shenzhen, cidade situada no sudeste da China.

Se as informações preliminares estiverem corretas, a Digital China terá participação de quase 15% na Honor. Estaria nos planos da empresa financiar parte da operação com empréstimos bancários. O negócio também deverá ter participação de pelo menos três empresas de investimentos apoiadas pelo governo de Shenzhen, cada uma possuindo de 10% a 15% da companhia.

O negócio incluirá quase todos os ativos da Honor, como marca, centro de pesquisa e desenvolvimento, além do controle da cadeia de suprimentos.

Fala-se ainda que, após o negócio, a Honor tentará manter a maior parte de sua equipe administrativa e mais de 7 mil funcionários, além de abrir capital em até três anos.

Até o momento, nenhuma das partes comentou o possível negócio, mas uma das fontes consultadas pela Reuters explicou que a Huawei deverá anunciar a venda até o próximo domingo.

A Honor surgiu em 2013 e lança, desde então, celulares voltados ao público jovem e a consumidores com orçamento mais restrito. Os aparelhos da marca são comercializados principalmente na China, mas também têm presença significativa no sudeste da Ásia e parte da Europa.

Embora a Honor seja uma marca bem-sucedida, as sanções comerciais aplicadas pelo governo dos Estados Unidos à Huawei têm dificultado o acesso da companhia a tecnologias e serviços de companhias americanas. Em tese, a venda livraria a Honor dessas restrições.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados