Opera é mais um app que utilizará o ChatGPT

Navegador de internet terá opção para resumir artigos de páginas inteiras; empresa dona da Opera promete mais recursos que utilizarão a tecnologia

Ricardo Syozi
Por
Navegador Opera (Imagem: Reprodução / Internet)

A empresa dona do Opera anunciou que irá passar a incorporar o uso do ChatGPT nos recursos do navegador. Tudo começará com a ferramenta “Shorten”, que fará uso da inteligência artificial da OpenAI para criar resumos de artigos e páginas da rede. A novidade chegará para os usuários “logo mais”, afirmou o vice-presidente de marketing e comunicações da marca, Jan Standel.

Assim como o Bing da Microsoft está usando o ChatGPT, o browser Opera também vai permitir a inteligência artificial em seus recursos. A partir do momento em que a ferramenta estiver liberada, a pessoa poderá encontrar o ícone do “Shorten” perto da barra de endereço do aplicativo.

Ao clicar no botão, a inteligência artificial vai resumir todo o conteúdo da página em uma barra lateral. Tudo em tempo real que promete facilitar a leitura dos mais apressadinhos.

O anúncio surgiu no domingo (12), junto de uma afirmação na qual a Opera confirmou que está trabalhando em outras formas de incorporar IA para melhorar a experiência do usuário. Entretanto, a companhia não entrou em detalhes sobre o assunto.

Seja como for, tudo indica que as marcas não pretendem parar por aí. Além da Microsoft com o ChatGPT, não podemos esquecer que o Google já anunciou a sua versão do chatbot. Ele se chamará Bard e foi apresentando no dia 6 de fevereiro de 2023.

ChatGPT traz novidades, rivais e dor de cabeça

O produto da empresa OpenAI realmente está causando um alvoroço na internet. Todos querem participar da brincadeira, seja testando os limites da plataforma ou pensando em como bater de frente com a tecnologia.

Por exemplo: há situações interessantes como as de desenvolvedores de games que usam a IA para ter ideias em suas histórias, desde os diálogos às reviravoltas. A ferramenta pode ser bastante útil na hora de encurtar espaços criativos.

Uma situação mais curiosa com esse chatbot apareceu em escolas de Nova Iorque. Isto é, algumas delas acreditam que o uso desse produto pode afetar negativamente o aprendizado de seus alunos, já que ela consegue resolver problemas de matemáticas e, até mesmo, escrever uma redação.

Também vale destacar que a China já está trabalhando em suas próprias versões do ChatGPT para rivalizar com o ocidente. Marcas como a Baidu e a Alibaba anunciaram a novidade.

A primeira deverá receber um teste público ainda em março de 2023 e se chamará Ernie Bot. Já a da gigante chinesa, dona do AliExpress, pode ainda não ter um nome, mas testes estão rolando para um lançamento futuro.

Com informações: Engadget.

Relacionados