Winamp é relançado, mas não do jeito que você pensa

Winamp volta em versão para streaming; plataforma permite que usuários apoiem artistas e podcasts com assinaturas mensais

Emerson Alecrim
Por
Winamp online (imagem: divulgação/Llama Group)
Winamp online (imagem: divulgação/Llama Group)

Se você viveu a época em que Spotify e Apple Music não existiam, talvez guarde lembranças do Winamp. Lançado em 1997, o software foi o mais popular reprodutor de MP3 para Windows durante anos. Agora, o Winamp está de volta, mas com uma nova proposta: ser um agregador online de músicas e podcasts.

O player clássico continua existindo. Ele foi relançado em 2018 e, desde então, vem recebendo atualizações. Apesar de estarmos na era do streaming, o Winamp “normal” registra 83 milhões de usuários, 10,3% dos quais são brasileiros — somos a maior parcela. É o que afirma o Llama Group, responsável pelo software.

Mas a meta é alcançar uma base global de 250 milhões de usuários. É aí que a versão online entre em cena.

Um Winamp que não tem cara de Winamp

O novo Winamp não lembra em nada o reprodutor clássico. Não espere encontrar nele as skins personalizáveis ou o equalizador que caracterizam a versão original.

Na verdade, o Winamp online é uma plataforma de streaming, mas com uma dinâmica diferente: o usuário procura artistas ou produtores de conteúdo para se conectar. Para muitos deles, é necessário pagar uma assinatura mensal para usufruir das músicas ou podcasts.

Assinatura no Winamp online (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Assinatura no Winamp online (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Alguns artistas e podcasts não cobram nada para dar acesso total ou parcial ao seu conteúdo. Outros cobram valores que começam em 1 dólar ou euro por mês para permitir acesso completo.

Na área Fanzone do serviço, os artistas e produtores podem oferecer recursos adicionais aos apoiadores, como lançamentos antecipados e, bom, NFTs.

Em troca, o Winamp fica com 15% das assinaturas, além de cobrar US$ 55 anuais de cada artista ou produtor após o primeiro ano na plataforma. É bem mais do que a média de 8% cobrada pelo Patreon, como ressalta a Fast Company.

Será que vinga?

O desafio é grande. Para começar, cada artista ou produtor de conteúdo interessado tem que se cadastrar na plataforma. Não espere, portanto, encontrar nomes como Metallica, Lady Gaga ou BTS (pelo menos por enquanto). O Winamp online está mais para um canal de apoio para a cena indie ou independente.

Winamp clássico e suas skins (imagem: reprodução/Winamp Skin Museum)
Winamp clássico e suas skins (imagem: reprodução/Winamp Skin Museum)

Além disso, com serviços como Spotify, Apple Music e Deezer cobrando valores relativamente módicos para dar acesso a milhões de músicas e podcasts, é difícil imaginar um número grande de usuários aderindo à ideia.

Talvez a proposta do novo Winamp fique mais interessante nos próximos meses. No terceiro trimestre, o Llama Group pretende lançar aplicativos da plataforma para iOS e Android, além de clientes para Windows e Mac no final de 2023. Também está nos planos uma integração com serviços como o Spotify.

Receba mais sobre Winamp na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados