IOTA: o que é, pra que serve, cotação e como comprar

No meio da sopa de letrinhas das criptomoedas, tem também a IOTA; entenda qual o seu diferencial e quais as suas aplicações

Jean Prado
Por

A IOTA é uma moeda virtual descentralizada que promete ser “o próximo passo do blockchain” devido sua tecnologia. Continue comigo e saiba mais sobre seu conceito, como funciona, onde acompanhar sua cotação e como comprá-la.

Moedas IOTA, Bitcoin e Tron
IOTA pode ser o próximo do blockchain. (Imagem: Quantitatives/Unsplash)

Como surgiu a IOTA?

Lançada em 2015, a IOTA tem foco na indústria de internet das coisas (IoT). Ela se difere de outras criptomoedas por não usar blockchain; no lugar disso, foi desenvolvida uma alternativa chamada Tangle.

Essa alternativa, definida como “blockchain de próxima geração”, é bem complicada de entender pelo teor técnico. Resumidamente, o Tangle é um conjunto de grafos matemáticos que armazenam as transações. E, para uma transição ser validada, ela precisa aprovar duas transações prévias e garantir que elas não sejam conflitantes.

Ao contrário do blockchain comum, o consenso (e mineração) sobre as transações não precisa ser feito por usuários de fora; ele já é intrínseco ao sistema, o que teoricamente resolve os principais problemas do bitcoin, como alta latência e ineficiência energética.

Graças ao Tangle, a IOTA não precisa cobrar taxas nas transações ou limitar quantas operações são confirmadas por segundo. Além disso, não há problema de escalabilidade porque, teoricamente, quanto mais transações, mais rápido o sistema roda.

Outra característica da criptomoeda é que ela consegue ser verdadeiramente descentralizada, já que não faz distinção entre usuários e mineradores; como o consenso já faz parte da existência do Tangle, todos os usuários são tratados de forma igual.

Para que serve a IOTA?

Desde sua criação, a IOTA é focada em IoT e nos serviços que essa tecnologia demanda, como:

  • Microtransações e nanotransações: já que o sistema não cobra taxas, é bem prático enviar quantias muito pequenas de moedas para outra pessoa ou organização;
  • Transferência de dados: o Tangle também consegue garantir um canal seguro de comunicação entre dispositivos, criptografando as informações da rede;
  • Masked Authenticated Messaging (MAM): é um protocolo de comunicação que emite e acessa um fluxo de dados, como o RSS, de forma criptografada e garantindo a integridade dos dados;
  • Votações: como a transmissão de dados é, em teoria, bem segura, dá para criar processos democráticos dentro do Tangle, como o de votação.

Existem diversas outras aplicações mais específicas que você pode conferir no site oficial da criptomoeda. No geral, todas partem do princípio de aproveitar um blockchain diferente e escalável, que transmite dados de forma segura, não precisa ser minerado e não cobra taxas.

Como minerar IOTA?

Como a IOTA não usa o modelo tradicional de blockchain, não é possível minerá-la, uma vez que as próprias transações já servem para verificar a autenticidade de outras transferências. Segundo os criadores, o Tangle é “uma evolução natural ao blockchain”.

Como acompanhar a cotação da IOTA?

Assim como toda criptomoeda, o valor da IOTA é bem volátil e deve ser acompanhado frequentemente. Sites especializados, como o CoiMarketCap, podem te ajudar nessa pesquisa diária.

captura de tela com valor da iota consultado no CoinMarketCap
Valor de criptomoeda é volátil e deve ser acompanhado frequentemente. (Imagem: reprodução/Tecnoblog).

Além disso, as corretoras de criptoativos também fornecem informações atualizadas em seus sites e aplicativos.

Como comprar IOTA

Normalmente, por ser capaz de alcançar diversas casas decimais e ser mais divisível que o bitcoin, a IOTA é negociada em MIOTA (milhões de IOTAs), da mesma forma que 1 MB equivale a 1 milhão de bytes. Assim, se uma 1 IOTA valer, por exemplo, US$ 0,00000309, 1 MIOTA será negociada por US$ 3,09.

Por isso, não estranhe se você ver a criptomoeda como MIOTA nas principais casas de câmbio que a negociam; é mais fácil vendê-la em milhões. As maiores exchanges são: Bitfinex, Binance, OKEx, CoinFalcon e Gate.io.

Para comprar IOTA/MIOTA no Brasil, com BRL, o método mais seguro é comprar BTC em exchanges populares como Mercado Bitcoin e Foxbit e depois trocar a moeda por IOTA nas maiores casas de câmbio.

Jean Prado

Ex-autor

Jean Prado é jornalista de tecnologia e conta com certificados nas áreas de Ciência de Dados, Python e Ciências Políticas. É especialista em análise e visualização de dados, e foi autor do Tecnoblog entre 2015 e 2018. Atualmente integra a equipe do Greenpeace Brasil.

Relacionados

Relacionados