O que é câmera mirrorless? Entenda como funciona uma máquina sem espelho

Câmeras mirrorless podem capturar fotos e vídeos de alta qualidade sem necessidade do espelho das DSLRs; conheça vantagens e desvantagens

Emerson Alecrim Paulo Higa
Por e
• Atualizado há 10 meses
Câmera mirrorless Panasonic Lumix G (imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)
Câmera mirrorless Panasonic Lumix G (imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Câmera mirrorless é aquela que dispensa o mecanismo de espelho existente em modelos DSLR. A ausência de espelhos torna câmeras mirrorless menores e leves, mas mantendo características como lentes intercambiáveis e imagens de alta qualidade.

Histórico

Em 2004, a Epson lançou a R-D1, uma câmera rangefinder que trazia, pela primeira vez, um telêmetro digital para medir a distância em relação ao que deve ser fotografado. O novo mecanismo eliminava a necessidade de espelhos e, por esse motivo, a Epson R-D1 pode ser considerada um tipo de câmera mirrorless.

As câmeras mirrorless só passaram a ser reconhecidas como uma categoria de produto em 2008, quando a Panasonic lançou a Lumix DMC-G1. O modelo tem funcionamento similar ao de câmeras DSLR, exceto por não trazer um mecanismo de espelho, característica que a tornou fisicamente menor.

Outro fator que contribuiu para o tamanho reduzido da Lumix DMC-G1 é o uso de um sensor no sistema micro três quartos (micro four thirds), muito menor que os sensores convencionais.

Câmera Lumix DMC-G1 (imagem: divulgação/Panasonic)
Câmera Lumix DMC-G1 (imagem: divulgação/Panasonic)

Como funciona uma câmera mirrorless

Nas câmeras mirrorless, a luz passa pela lente e segue direto para o sensor digital, chip que forma a imagem. O componente é protegido pelo obturador, cujas lâminas só se abrem para a luz chegar ao sensor no momento do disparo. A velocidade do obturador pode ser ajustada para permitir mais ou menos captura de luz.

Quando o disparo é finalizado, o obturador se fecha e a cena capturada é convertida pelo processador de imagem em foto ou vídeo. Por fim, esse conteúdo é armazenado na memória interna da câmera ou em um cartão de memória.

Funcionamento de uma câmera mirrorless (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Funcionamento de uma câmera mirrorless (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Em uma câmera DSLR, um sistema de espelho e pentaprisma (componente óptico de cinco lados) reflete a luz para a cena aparecer no visor óptico (viewfinder). No disparo, o espelho se move para a luz finalmente chegar ao sensor.

Já em uma câmera mirrorless, o visor óptico é eliminado porque não há espelho e pentaprisma para refletir diretamente a luz que passa pela lente. A ausência desses componentes permite ao equipamento ser mais leve e compacto, sem que essa característica prejudique a qualidade da foto ou do vídeo registrado.

Sem o visor óptico, o usuário deve usar a tela da câmera para fazer o enquadramento e ajustar o foco. Felizmente, a maioria das câmeras mirrorless traz foco automático para facilitar esse trabalho.

Alguns modelos oferecem ainda um visor eletrônico (EVF). O componente é uma pequena tela, geralmente de OLED, que compensa a falta do visor óptico com uma imagem digital.

Como é o sensor de imagem em uma mirrorless

O sensor de imagem é um componente que capta a luminosidade da cena para a imagem ser registrada. Ele pode ser do tipo CMOS ou CCD. Nas câmeras mirrorless, o CMOS é mais comum do que o CCD por consumir menos energia e ser pouco suscetível a ruídos.

Como as câmeras mirrorless são uma tecnologia moderna, os sensores que as equipam costumam suportar resoluções elevadas, indicadas em megapixel. Não é incomum encontrar no mercado modelos sofisticados com sensor de 100 ou mais megapixels.

Assim como nas câmeras DSLR, os modelos mirrorless trabalham com formatos físicos tradicionais de sensores. Um é o APS-C, que tem tamanhos próximos a 22 x 15 mm e é apelidado de “cropado”. O outro é o full frame, que tem formato aproximado de 36 x 24 mm e é comum em câmeras avançadas.

Os sensores micro três quartos, introduzidos na Lumix DMC-G1, são usados principalmente pela Olympus e pela Panasonic.

Principais fabricantes

O mercado de mirrorless é dominado por marcas japonesas, principalmente Sony, Panasonic e Fujifilm, que produzem não apenas os corpos, mas também lentes e acessórios para câmeras. As fabricantes mais conhecidas nesse segmento são:

  • Sony: fundada em 1946, em Tóquio, fabrica câmeras mirrorless da linha Alpha com sensores APS-C e full frame, além de lentes E-mount com as marcas Sony G e Zeiss;
  • Panasonic: japonesa e pioneira no segmento, mantém uma vasta lista de câmeras mirrorless nas linhas Lumix G e Lumix S. Tem lentes próprias para essas linhas, mas também trabalha com lentes Leica;
  • Olympus: fundada em 1919, no Japão, vendeu sua divisão de câmeras para a OM Digital Solutions, em 2021, que continua lançando modelos mirrorless com a marca nas linhas OM e OM-D;
  • Fujifilm: fundada em 1934 e com sede em Tóquio, a Fujifilm fabrica câmeras mirrorless com as linhas X e GFX, sendo esta última mais avançada. A companhia fornece ainda lentes X Mount e G Mount para esses modelos;
  • Canon: japonesa, é conhecida por suas câmeras DSLR, mas atua no segmento mirrorless com as linhas EOS M e EOS R. Também produz lentes RF, RF-S e EF-M;
  • Nikon: com sede no Japão, também é conhecida por suas câmeras DSLR, mas se destaca no mercado de mirrorless com os modelos Nikon Z e as lentes Nikkor Z;
  • Leica: fundada em 1869, na Alemanha, a Leica é uma renomada fabricante de lentes, mas também tem uma extensa varidade de câmeras. No segmento de mirrorless, se destaca com os modelos Leica SL2;
  • Sigma: com sede em Tóquio, a Sigma atua no segmento de mirrorless com as linhas FP e SD Quattro, além de produzir lentes para câmeras próprias e de marcas como Nikon, Panasonic e Fujifilm;
  • Hasselblad: baseada na Suécia, é menos famosa que as marcas japonesas, mas tem prestígio por fabricar câmeras de alto padrão. No segmento mirrorless, se destaca com as câmeras X1D e X2D, e lentes XCD.
Tela e visor eletrônico de uma Leica SL2 (imagem: Facebook/Leica)
Tela e visor eletrônico de uma Leica SL2 (imagem: Facebook/Leica)

Vantagens e desvantagens das câmeras mirrorless

As principais vantagens e desvantagens das câmeras mirrorless em comparação com câmeras DSLR e de celulares são:

  • Mais compactas que as câmeras DSLR: a remoção do espelho móvel, pentaprisma e outros componentes permite que as câmeras mirrorless sejam mais compactas e leves que as DSLRs;
  • Boa variedade de opções de lentes: câmeras mirrorless geralmente têm lentes intercambiáveis e se adequam a diferentes estilos e condições de fotografia;
  • Qualidade de imagem elevada: câmeras mirrorless permitem registros com alta resolução e outros parâmetros de qualidade. É caso de modelos que fazem gravação de vídeo em 4K ou 8K;
  • Mais fotos em menos tempo: a ausência de um mecanismo de espelho permite que uma câmera mirrorless tenha intervalo entre disparos menor em relação a modelos DSLR. Isso é útil para fotos sequenciais;
  • Estabilização de imagem: câmeras mirrorless podem ter mecanismos que previnem imagens tremidas quando o obturador fica muito tempo aberto. Para esse fim, alguns modelos trazem estabilização de imagem no corpo (IBIS);
  • Ajustes automáticos e manuais: câmeras mirrorless podem oferecer desde configurações automáticas e predefinidas, até ampla variedade de ajustes manuais para ISO, foco, abertura e outros parâmetros;
  • Dependente de tela ou visor eletrônico: o fotógrafo precisa de uma imagem digital para fazer o enquadramento, pois câmeras mirrorless não trazem visor óptico. Isso pode ser difícil em ambientes muito claros;
  • Autonomia de bateria tende a ser menor: o uso de tela e visor eletrônico pode fazer a autonomia da bateria ser menor na comparação com modelos DSLR, que podem funcionar apenas com visor óptico;
  • Preço pode ser mais alto: a sofisticação existente em câmeras mirrorless pode torná-las mais caras do que modelos DSLR. Mas nem sempre isso é verdade. Esse aspecto depende das especificações e propósitos de cada câmera.
Câmera mirrorless Panasonic Lumix G (imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)
Câmera mirrorless Panasonic Lumix G (imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Perguntas frequentes

Posso usar lente de câmera DSLR em uma câmera mirrorless?

Lentes de câmeras DSLR podem funcionar com mirrorless por meio de um adaptador específico. Contudo, dependendo do sistema de montagem (mount) da câmera ou da lente, a compatibilidade via adaptadores pode ser apenas parcial ou inexistente.

Qual a vida útil de uma câmera mirrorless?

O item que mais se desgasta em uma mirrorless é o obturador. Por isso, a vida útil costuma ser estimada em cliques (disparos). Uma câmera básica alcança entre 50 mil e 100 mil cliques. Modelos avançados chegam a 500 mil cliques.

Como limpar uma câmera mirrorless?

O corpo da câmera pode ser limpo com um pano macio seco ou levemente umedecido. Para limpeza do sensor, muitas câmeras têm um mecanismo próprio para isso. Já limpar a lente requer tecidos, pincéis e até líquidos especiais.

Como usar câmera mirrorless como webcam?

É possível usar câmera mirrorless como webcam para reuniões ou cursos online por meio de aplicativos que a conectam ao computador. Alguns apps são fornecidos pelo próprio fabricante do equipamento.

Esse conteúdo foi útil?
😄 Sim🙁 Não

Receba mais sobre DSLR na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados