Review Amazon Echo Buds (2ª geração): Alexa na rua e sem ruídos

Fone Amazon Echo Buds tem Alexa sempre disponível, um bom cancelamento de ruído e qualidade sonora com bastante brilho

Darlan Helder
Por
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Embora não seja um produto novo, o Amazon Echo Buds de 2ª geração é uma grande novidade para os brasileiros. O fone foi anunciado no início de 2021 nos Estados Unidos, mas apenas em fevereiro de 2022 que a Amazon resolveu oficializá-lo em nosso país. Comparado à primeira versão, o modelo atual adota um design minimalista, um encaixe confortável e oferece melhorias na tecnologia de cancelamento de ruído. 

Com preços que partem de R$ 854, o Echo Buds permite acionar a Alexa por comando de voz, tem proteção contra água e uma bateria que garante até cinco horas de músicas e podcasts com o ANC habilitado. Nós testamos o mais recente Echo Buds, da Amazon, e você confere a nossa análise a partir de agora. 

Análise do Amazon Echo Buds (2ª geração) em vídeo 

YouTube video

Aviso de ética 

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises não têm intenção publicitária, por isso ressaltam os pontos positivos e negativos de cada produto. Nenhuma empresa pagou, revisou ou teve acesso antecipado a este conteúdo. 

O Echo Buds foi fornecido pela Amazon por doação e não será devolvido à empresa. Para mais informações, acesse tecnoblog.net/etica

Design, conforto e case 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

É a primeira vez que a Amazon lança o seu fone no mercado brasileiro. A gigante decidiu pular a primeira versão para colocar nas lojas a segunda geração com melhorias. A principal diferença entre eles pode ser identificada no design. O novo Echo Buds assume visual minimalista, que lembra os populares Galaxy Buds, da Samsung. A Amazon, porém, não oferece nada sofisticado como a fabricante coreana, mas os vestíveis entregam um acabamento decente. 

O seu encaixe suave me lembra os fones da Edifier, que sempre são muito naturais e confortáveis no canal auditivo. Esse cuidado por parte da Amazon fica ainda mais evidente quando você abre a embalagem, e encontra três pares de ponteiras extras e mais seis borrachinhas com “asas”, muito úteis durante as atividades físicas. Outro reforço para você treinar sem medo é a certificação IPX4, que assegura que os vestíveis são resistentes à água e ao suor, mas não à poeira. 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O estojo é bem pequeno. Ele traz um LED externo e dois internos para indicar o status de carga do estojo e dos fones, respectivamente. A Amazon atualizou a porta de alimentação, sendo assim, o micro-USB da primeira versão sai de cena para dar lugar ao USB tipo C, que está ao lado do botão para emparelhamento. A empresa comercializa uma versão com carregamento sem fio no Brasil; caso queira o case com carregamento por indução, você terá que desembolsar cerca de R$ 95 a mais. 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Recursos e conectividade 

O Echo Buds tem os selos de compatibilidade com iPhone e iPad (MFi), e também com o Android. Quando você retira os fones do case pela primeira vez, a Amazon emite um alerta pedindo para integrar os devices no aplicativo Alexa. É o mesmo app usado para configurar a linha Amazon Echo e outros dispositivos de casa inteligente. 

App Alexa do Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
App Alexa do Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O software concentra informações sobre os vestíveis e oferece alguns recursos próprios. Além de visualizar o status de carga dos fones e do estojo, eu posso usar a função Power Save para desativar a Alexa, o ANC e outros recursos, a fim de poupar a bateria em situações de baixa energia total. No Find My, o usuário consegue localizar os seus fones e emitir um som agudo para encontrá-los, caso venha a perdê-los. 

A Amazon também permite alterar os controles por toques e o menu com as opções é bem completo. O único problema que eu identifiquei está no controle de volume, que é muito lerdo, tanto para aumentar quanto para reduzir a intensidade do som; acredito que uma atualização de software possa resolver isso no futuro.  

App Alexa do Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
App Alexa do Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

A Alexa é a grande estrela desse fone. Embora o Echo Buds possa ativar o Google Assistente (no Android) e a Siri (no iOS), a assistente virtual da Amazon funciona tão bem que muito provavelmente você a deixará sempre ativada. A pessoa consegue acionar a tecnologia para pedir uma música ou estação de rádio, para reduzir ou aumentar o volume da música, pausar, pular para a próxima faixa, além de perguntar a hora, criar um lembrete e muito mais. É como se houvesse um Amazon Echo sempre ativo nos seus ouvidos. 

O mais interessante é que você não precisa estar em um local silencioso para interagir com a assistente pessoal. Em ruas movimentadas, a Alexa conseguiu me escutar em todas as ativações realizadas, o que é muito conveniente para quem treina e não quer perder tempo pegando o celular do bolso.  

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Ainda em recursos, o aplicativo oficial oferece um equalizador simples, um teste para checar se os vestíveis estão encaixados corretamente no ouvido, e há a função workout profile, para o usuário configurar o fone para rastrear a sua caminhada ou corrida. É mais um recurso que mostra que a empresa se dedicou em atender quem está sempre praticando atividades físicas regularmente. 

Qualidade de som 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Agora no som, a Amazon segue por um caminho ousado ao trabalhar com uma assinatura aberta que concede mais liberdade para agudos e, sobretudo, para os médios. Em algumas apresentações, é possível analisar a habilidade do Echo Buds em transitar facilmente entre frequências médias e altas, e, às vezes, nota-se um pico forte nos agudos, principalmente em vozes femininas. Os graves até aparecem, mas são os sub-graves que se destacam. 

Toda essa amplitude faz os dispositivos reproduzirem Closer, da rapper Saweetie, com uma certa cristalinidade e segurança. Eu consegui identificar um brilho sobre os instrumentos e em cima dos agudos da cantora do começo ao fim da faixa, mas sem apresentar estridência. Na equalização, eu elevaria um pouco os graves, já que sem nenhuma alteração eles ficam em segundo plano. 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

A voz suave do Neil Young em Old Man soa agradável no Echo Buds. Há um bom equilíbrio, e as transições entre nuances também conquistam os meus ouvidos. A abertura faz com que você identifique facilmente os instrumentos da apresentação e até cria um palco sonoro envolvente, em momentos pontuais. Mesmo com alguns picos nas frequências altas, o gadget da Amazon se mostra interessante para escutar rock. 

Para quem está sempre reproduzindo dance music, há faixas que podem soar sem tanto impacto nos graves, o que pode desagradar alguns ouvidos. Algumas apresentações eu curti, outras ficaram abertas demais e tive de recorrer ao equalizador. Apesar da ousadia, eu realmente acredito que os gadgets da Amazon vão conquistar a massa. 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Microfone 

Eu usei o Echo Buds em algumas reuniões online e, felizmente, ninguém reclamou do meu áudio nem pediu para eu elevar a voz. Tudo bem que nós estávamos em um ambiente silencioso, mas na rua o desempenho pode ser outro, porque os dispositivos não conseguem reduzir aquele ruído que está em volta do usuário. 

Os microfones deixam a sua voz bem projetada, por isso a pessoa do outro lado lhe escuta sem dificuldades. Existe um pouco de distorção ao fundo devido à compressão causada pelo Bluetooth, mas ainda assim não é um fator limitante que prejudique a comunicação. 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

No aplicativo, há a função sidetone que, quando ativada, permite escutar em tempo real a sua voz capturada pelo microfone do true wireless. É ideal para você que deseja escutar melhor o que diz durante uma ligação telefônica, por exemplo. 

Cancelamento de ruído e bateria 

App Alexa do Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
App Alexa do Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O cancelamento ativo de ruído do Amazon Echo Buds não gera o efeito de abafamento que encontramos no Galaxy Buds 2 e no Redmi Buds 3 Pro. Ele é mais natural em relação a esses fones, até mesmo quando comparado ao dos AirPods Pro. Apesar disso, a tecnologia usada pela Amazon é boa, especialmente para reduzir aqueles ruídos do dia a dia. 

O toque de um telefone, as conversas próximas e a TV ligada em outro cômodo não devem distrair você enquanto escuta música no device. Na academia, os dispositivos até se esforçam para conter o som alto do ambiente, mas ainda não é suficiente para me deixar concentrado. O mesmo vale para uma rua movimentada, onde ainda será possível escutar aqueles ruídos mais graves de ônibus e caminhão. 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O modo ambiente do Echo Buds é muito sutil, consequentemente a ativação dos microfones para a passagem do som externo não ocorre de forma brusca, elevando demais o tom desse ruído. Muitas pessoas não gostam dessa artificialidade que encontramos em outros fones e, por isso, devem aprovar a proposta da Amazon graças à naturalidade que ele entrega. Você ainda consegue desligar tanto o ANC como o modo ambiente no app Alexa. 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Já na bateria, a Amazon promete os seguintes números: cinco horas de som com o ANC habilitado ou seis horas e meia com a tecnologia de redução desativada. Com o estojo, essa autonomia pode subir para 15 horas; e uma carga rápida de apenas 15 minutos fornece mais duas horas de reprodução. 

Em nosso teste, reproduzindo com o volume em 50%, sempre com o ANC ativado, o fone esquerdo perdeu a força após 4h51min; o direito foi para o estojo 15 minutos depois. Sendo assim, temos uma autonomia parecida com aquela prometida pela empresa. 

Amazon Echo Buds (2ª geração): vale a pena? 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O Amazon Echo Buds é um produto que mira em vários públicos: em quem deseja ampliar o ecossistema Alexa, levando-a para fora de casa; quem busca um fone com características premium, porém mais acessível; e é para você praticante de exercícios físicos que procura um gadget robusto. E a empresa entrega um bom conjunto de recursos para todo esse público. 

A Alexa sempre ativa me chamou a atenção por atender às solicitações sem pensar muitas vezes, mesmo em locais barulhentos. O aplicativo é completo por já concentrar configurações, estações de rádio e faixas do Amazon Music. Ainda que esteja na média do mercado, eu gostaria de ver uma autonomia de bateria superior com o ACN ligado. 

Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Amazon Echo Buds 2ª geração (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Em termos de qualidade sonora, a empresa projetou uma assinatura que é muito parecida com a do Jabra Elite 75t. Eu prefiro fones mais fechados, mas ainda consigo gostar do Amazon Echo Buds sem torcer o nariz porque, apesar de ser assumidamente aberto, a proposta funciona bem, não perde a estabilidade fácil e tende a conquistar quem busca justamente menos impacto nas frequências baixas. 

Apesar de ser mais acessível em comparação com outros fones premium, o Echo Buds é ainda é muito caro no Brasil. Por isso, eu ficaria de olho nas futuras promoções da gigante no país e analisaria rivais como o Galaxy Buds Pro, Buds 2, Huawei FreeBuds 4i e Redmi Buds 3 Pro, modelos que se saíram muito bem em nossos testes e que também oferecem cancelamento ativo de ruído.  

Review Amazon Echo Buds (2ª geração)

Prós

  • Qualidade sonora agrada quem gosta de som aberto
  • Alexa é um grande diferencial e funciona bem
  • ANC é apenas bom para um TWS
  • Aplicativo Alexa é muito completo
  • O microfone é excelente

Contras

  • Ainda é caro no Brasil
  • Autonomia de bateria é só ok
Nota Final 8.8
Agudos
8
Bateria
8
Conectividade
9
Conforto
10
Design
9
Graves
8
Isolamento
8
Médios
9
Recursos
10

Relacionados

Relacionados