A presidente Dilma Rousseff tem companhia no projeto para manter os dados dos cidadãos em servidores localizados em território nacional. A chanceler alemã Angela Merkel vai nessa semana à França discutir os detalhes de um projeto para obrigar que o Google, o Facebook e outros serviços de internet protejam a privacidade dos usuários. Ela também propõe que a guarda dos dados seja feita na Europa.

A ideia por trás do projeto é absolutamente simples: manter os dados no próprio território para evitar a espionagem praticada pelos Estados Unidos e outros países. Assim como no caso brasileiro, em que o dispositivo do armazenamento local está previsto no Marco Civil da Internet, também na Alemanha – e na Europa – há pontos pouco claros. Por exemplo, o que acontecerá se o Google mantiver as informações do Google+ em um servidor nacional, mas replicadas em território estadunidense? Ainda assim, em tese, continua fácil para a NSA vasculhar as comunicações das pessoas.

Para chegar nesse resultado, Merkel acredita que o ideal é criar redes de dados europeias para manter as informações no lado de lá do Atlântico, segundo informações do New York Times.

Algumas operadoras de telefonia como a Deutsche Telekom (claro!) já se prontificaram a auxiliar na criação das tais redes. Ainda estou em dúvida sobre como essa estrutura vai funcionar, até porque Merkel não ofereceu outros detalhes sobre o projeto. Assim como a presidente Dilma não explicou exatamente como a guarda de dados vai favorecer os cidadãos.

Ela não está de brincadeira: “Das ist gar keine Frage.”

Ela não está de brincadeira: “Das ist gar keine Frage.”

Em entrevista ao canal oficial do governo no YouTube, Angela Merkel foi incisiva: “Nós precisamos fazer mais pela proteção de dados na Europa. Isso não é, nem de longe, uma pergunta”.

Vale lembrar que Dilma e Angela foram às Nações Unidas reclamar da espionagem. Aos alemães, o presidente americano Barack Obama prometeu que o monitoramento dos telefones da chanceler seria desativado. À brasileira, por ora só silêncio. A presidente Dilma cancelou a viagem que faria aos Estados Unidos no segundo semestre de 2013 como forma de protesto e de cobrança. O Planalto ainda não marcou a nova data da viagem.

Como se vê, a espionagem promete ser o assunto de 2014. Hoje mesmo nós noticiamos aqui no Tecnoblog que a Coreia do Sul decidiu banir o uso de equipamentos da Huawei em comunicações militares, a pedido dos Estados Unidos. O motivo? A chinesa Huawei poderia facilitar o acesso dos espiões do regime de Pequim aos dados americanos e sul-coreanos.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

BrunoMontanha

Pensei na mesma coisa... Confio mais nos dados lá na Alemanha que aqui! Nem tem como comparar!
Presidanta, você está com os dias contados...

Bruno Ribeiro da Silva
Pensei na mesma coisa... Confio mais nos dados lá na Alemanha que aqui! Nem tem como comparar! Presidanta, você está com os dias contados...
Leonardo Neves
É muito simples. Os Estados Unidos não vão mais ficar com os nossos dados, mais o governo brasileiro ficará e tratará de nos espionar.
Thássius Veloso
Sim =p
Bruno Di Castro
“Das ist gar keine Frage." Isso soou como uma ameaça.
Diego F. Duarte
Agora os coxas param de encher o saco e passam a concordar com a medida do governo.... Alemão (como de praxe).