Início » Brasil Legislação » Projeto de lei quer acabar com o dinheiro em papel

Projeto de lei quer acabar com o dinheiro em papel

Por
10/07/2017 às 18h02
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Boa parte das transações que fazemos no dia a dia já não envolve mais dinheiro em espécie, mas um projeto de lei quer ir além: ele “extingue a produção, circulação e uso do dinheiro em espécie, e determina que as transações financeiras se realizem apenas através do sistema digital”.

O projeto de lei 48/2015, de autoria do deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), determina que a utilização de dinheiro em espécie para transações financeiras seja proibida, permitindo a posse de cédulas apenas “para fins de registro histórico”. Além disso, o texto proíbe que os bancos cobrem uma taxa para transações por meio de débito.

Na justificativa, o deputado defende que “a tecnologia proporciona todas as condições para que pagamentos, inclusive de pequenos valores, possam ser feitas sem a necessidade de se portar dinheiro em espécie” e que alguns países já caminham para extinguir as cédulas, como Noruega e Suécia, onde apenas 4% das transações seriam feitas com dinheiro em papel.

Segundo o deputado, uma vez que “toda transação financeira poderá ser rastreada”, a sonegação fiscal e os gastos com emissão ou transporte de moeda deixariam de existir. Além disso, sem cédulas em circulação, “eliminaríamos práticas de crimes como assaltos a bancos, arrombamentos de caixas eletrônicos, assaltos a postos de gasolina, sequestros, saidinhas de banco e violência em geral”.

O texto foi apresentado em fevereiro de 2015, mas voltou ao noticiário porque a Comissão de Defesa do Consumidor promove nesta terça-feira (11) uma audiência pública para discutir a proposta. O ministro da Fazenda, Henrique Meireles; o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn; o ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim; e outras pessoas ligadas ao sistema financeiro foram convidadas.

Será que isso está muito longe de virar realidade?

Tecnocast 037 – O futuro do dinheiro

Você sabia que o dinheiro em papel representa apenas 5% da atividade econômica do planeta? Existe um consenso no mercado financeiro de que estamos prestes a encontrar na tecnologia um substituto para o papel moeda. Não é à toa que tantas empresas tem se dedicado a desenvolver soluções para esse mercado.

Nesse episódio conversamos sobre algumas dessas soluções e debatemos sobre a percepção de valor que temos em cima do papel moeda. Dá o play ali embaixo e vem com a gente!

Mais sobre:
  •  david

    Se veio do PT tenho até medo

    • Adriano

      David, não tem nada haver com PT ou com qualquer partido político. Este tema já é tratado fora do Brasil como um consenso e um caminho natural e necessário para o sistema financeiro mundial.

      • CtbaBr©

        Você tem razão de fato isso é uma tendência mundial.
        Mas vindo do PT, da medo sim!

        • Adriano

          Partidos políticos e afins, são apenas ferramentas de uma força organizacional internacional muito maior, tão poderosa e abrangente que as pessoas se assustariam se soubessem.

    • Pegasus

      A paranóia e a fobia sem sentido do “comunismo, socialismo, sindicalismo, bolivarianismo (?), esquerdismo” que está querendo destruir o país e escravizar (com políticas em sua maioria liberais ????) a população.

      •  david

        Maduro diz alô!!!

  • David Diniz

    A possibilidade disso ir adiante é nula… relaxem é só algum dePUTAdo querendo seus 15 minutos de Fama…

    • Adriano

      David, essa possibilidade não só não é nula, como é uma tendência mundial. Se você pesquisar um pouquinho, verá que países como a Suécia por exemplo, já estão criando condições para abolir o dinheiro em espécie. Existe um consenso entre órgãos financeiros internacionais neste sentido. O dinheiro digital, é uma evolução natural do dinheiro físico, ao meu ver, nada mais lógico. Entretanto, essa notícia não deixa de me surpreender pois, se considerarmos que o Brasil está sempre atrasado pra tudo…

      • Veritas

        O dinheiro digital, é uma evolução natural do dinheiro físico, ao meu
        ver, nada mais lógico. Entretanto, essa notícia não deixa de me
        surpreender pois, se considerarmos que o Brasil está sempre atrasado pra
        tudo…

        Cara, não é questão de ser “ätrasado”… há a questão dos idosos.
        Muita gente mais velha não sabe ou consegue utilizar meios digitais de pagamento ou movimentação financeira.
        Tu não podes comparar um país de primeiríssimo mundo como a Suécia com o Brasil… é completamente ILÓGICO não só pelo nível sócio-econômico e educacional da Suécia quanto seu tamanho territorial e populacional.

        • Adriano

          Sim, você tem razão entretanto, essa transição ocorrerá a despeito de qualquer consequências negativas que possam ocorrer. É fato, está acontecendo, já foi decidido, e infelizmente não fomos consultados se gostaríamos ou não disso….rs.

          Isso não será um privilégio de pais de primeiro mundo. O sistema financeiro mundial permeia tudo e as decisões hoje, são globais.

      • Thalisson Cavalcante

        Tendência mundial, menos no Brasil kk

        • Adriano

          Vai chegar aí também. É só aguardar.

      • David Diniz

        Mas você vive na Suécia ou no Brasil? Aqui não dá para você pagar o pedágio da estrada com cartão de crédito ou débito(muitos não querem ou não tem condição de ter um sem parar da vida ou semelhantes) Não pode se pagar o transporte público com cartão de crédito ou débito(eu por exemplo não tenho bilhete único pois para mim não justifica o gasto já que eu uso pouco o transporte) e quando a moderna máquina de cartão de crédito resolve não funcionar(seja por falta de bateria ou sinal 2G/3G ou a linha telefônica não tem comunicação(a malha da vivo fixa por par metálico aqui em São Paulo está abandonada) o que salva é aquela notinha ali de R$ 50 que você tem na carteira, entendeu quantas variáveis tem? Isso por que eu não citei várias outras.

        • Adriano

          Vivo no Japão e aqui, quase não utilizo mais dinheiro em espécie.
          Aqui se paga, inclusive via celular, todo tipo de conta que você possa imaginar, desde despesas domésticas à supermercados, etc…
          É inegável que é o futuro do sistema financeiro por que vejo o quanto isso facilita para o usuário e o quanto de lucro isso gera no curtíssimo prazo para Bancos e administradoras de cartões de crédito que vão cortar enormes despesas burocráticas e administrativas. É evidente que isso tudo tem consequências, mas é bem como o Claudio Roberto Cussuol disse:

          “O obsoleto, sendo naturalmente substituída por algo melhor.”

          Eu realmente acredito que seja simples assim.

          • David Diniz

            Pois é Japão é diferente do Brasil, o país é do tamanho de um Bairro da cidade de São paulo e o analfabetismo beira o zero(se não for zero) e é a outra realidade. Adoraria também não ter dinheiro em espécie mas aqui no Brasil a banda toca diferente, aqui até hoje o pedágio não dá para pagar com cartão de crédito ou débito ou é dinheiro ou é aqueles sistemas automáticos que vivem dando problema(e por opção não coloquei no meu carro nenhum sistema automático de cobrança) no metrô ou é dinheiro ou é bilhete único(que por opção minha não tenho).

          • Adriano

            É diferente sim, concordo, e esses diferenças são absurdas inclusive, mas elas não serão o que impedirá que, no médio ou longo prazo, isso seja implementado no Brasil também, simplesmente, por que não se trata de uma escolha soberana. Esse é o ponto.

            Quer um exemplo?
            O Brasil é dono de mais de 90% das reservas de Nióbio disponíveis no planeta entretanto, não é ele o agente que estabelece o valor internacional da tonelada desse minério, na Bolsa de Metais de Londres. Percebe?

            O que estou querendo dizer é:
            “Há quem manda, e quem obedece dentro do sistema financeiro.”

            Nós brasileiros tendemos a ser mais humanistas e pensar na dificuldade do próximo entretanto, o sistema financeiro mundial, não está nem aí pra isso. Como eu disse em algum comentário aí em cima; “a decisão já foi tomada e nós não fomos consultados se gostaríamos ou não disso.” portanto, só resta se adaptar às mudanças que virá.

            Eu já vivo essa realidade e ela não é tão problemática assim pelo fato do Japão ser o que é entretanto, entendo que países como o Brasil, onde a desorganização e a baderna imperam, toda mudança, seja ela qual for, se faz em meio a muitas dificuldades.

      • Claudio Roberto Cussuol

        Adriano
        Você está certo em todas as afirmações.
        O erro muito claro, no caso desse artigo, é querer fazer qualquer coisa na “canetada”.
        Veja, ninguém precisou fazer uma lei que proíbas as casas de serem iluminadas com lampiões a querosene, porque tecnologia da iluminação elétrica chegou, era claramente vantajosa, atingiu um alto percentual de uso e a tecnologia obsoleta foi eliminada, é simples assim.
        Imagine quando os automóveis começaram a aparecer se algum deputado quisesse “proibir” as pessoas de andar a cavalo….
        A medida que o dinheiro de papel se tornar REALMENTE obsoleto, ele vai sumir. Como toda e qualquer tecnologia que deixa de ser vantajosa.
        O projeto de lei é totalmente absurdo.

        • Adriano

          Claudio, você tem rezão, e até concordo quanto ao projeto de lei ser um absurdo por estar sendo imposto, mas isso tem um propósito objetivo.

          Primeiro ponto a se considerar…
          – Quem dá as ordens no sistema financeiro mundial. (Não é o Brasil)

          Segundo ponto…
          Existe um pressão internacional (FMI, FED, VISA, Banco Mundial, ONU, etc) para que os países que já tiverem condições tecnológicas para tal, que comecem o processo de transição do seus sistema financeiro, o quanto antes. Quem não o fizer, vai ficar para trás.

          Terceiro ponto…
          Isso tudo está muito mais organizado e orquestrado pelos organismos financeiros mundiais, do que podemos imaginar. Está se criando uma complexa e gigantesca estrutura financeira sob restrito controle. (Aqui está o ponto que não me agrada muito.)

          Infelizmente a mídia, para comunicar as massas, quando o faz, omiti a complexidade e o objetivo para que a informação seja mais palatável, caso contrário, ninguém entenderia nada e é preciso entender pois, tudo isso será implementado e para isso, as pessoas precisam aceitar. Por esse motivo, falta muita informação e esclarecimento.

          Bom, resumindo…
          Nossos queridos e amados políticos, estão apenas obedecendo ordens, sejam elas diretas ou indiretas, conscientes ou não do seu papel.

        • Salviano Lima

          esse é um excelente exemplo, me diga se em 100% do brasil o uso de lampião a querosene foi abolido? ja foi em todos os vilarejos? algums ainda não tem energia eletrica, são raros mas existem, a “tecnologia obsoleta” não foi totalmente eliminada, mas sim foi eliminada em um numero esmagadoramente maior de residências… e as vezes até onde tem energia, é utilizada a tecnologia obsoleta quando a rede elétrica tem algum problema, sendo um sistema de auxilio nessa situação

          é bem improvavel uma boa cobertura de internet em 100% fo pais sem gerar custos extras, o que julgo ser requisito essencial pro cartão ose tornar o unico meio de pagamento, fora que seria necessário tbm que a rede elétrica nunca falhasse, imagine a situação, você tem uma lanchonete ou restaurante, seus clientes estão consumindo, e de repente falta conexão via internet, nenhum tem dinheiro em espécie, e não tem como passar cartão, como proceder então? se não houver internet pra maquina funcionar, você vai fechar a empresa até a conexão se reestabelecer?

          • Adriano

            Tudo isso que você descreveu, eu concordo entretanto não passam que questões que precisam e serão resolvidas com o tempo. O Brasil pela precariedade da sua infraestrutura, sim, passará por estes transtornos, mas serão resolvidos a medida que as necessidades se fizerem presente.

          • Claudio Roberto Cussuol

            Exatamente por isso que tentar fazer essas coisa por força de lei é burrice.

  • Tom

    Tem que ter infraestrutura, internet ou rede de celular com pelo menos alguma estabilidade em todos os rincões desse Brasil, não sei quantas vezes já vi essas maquinas de cartão trancar por falha de conexão, em zonas rurais a coisa deve ser ainda pior, antes desses políticos falarem em Suécia, Noruega, EUA etc… eles tem que se perguntar se temos infraestrutura para tal.

    • David Diniz

      Imagina aquela cidadezinha no meio do nada e com a maioria da população que mal sabe fazer conta básica ou é ignorante de tecnologia e o sinal de celular male ma se restringe ao 2G GPRS…

    • Jefferson Rodrigues

      Isso que você escreveu também serve para acabar com os bancos.

      • Pegasus

        A única coisa que atualmente poderia oferecer risco aos bancos são as moedas criptografadas, pois oferecem suas transações de maneira descentralizada, não precisando do sistema bancário. Utilizamos o sistema bancário há séculos e o fim do dinheiro físico não nos tiraria do sistema deles. Na verdade, seria mais segurança para os bancos, como a diminuição das possibilidades de fraudes e roubo de valores em assaltos. Pro governo federal também seria bom, pois o gasto com a emissão de cédulas e moedas seria bem menor ou nenhum, caso a adoção seja de 100%.

    • Diego F. Duarte

      Mas TEMOS infra pra isso, falta e vontade mesmo.

      • Jefferson Rodrigues

        Não, não temos. Em boa parte do Brasil ainda é necessário fazer uma do zero.

        • Diego F. Duarte

          Cara, infra nao e igual a fibra optica. Um radio enlace bem instalado ja atende e e considerado infraestrutura. E boa parte das cidades ja conta com isso. (mais de 90%)

          • Alberto Prado

            Não, não conta.

          • Diego F. Duarte

            Entao ok jovem… Conversa com a Tecban q usa 4G em 100% dos ATMs entao, ate nas cidades onde vc diz q n tem infra.

            Enfim, vc qm sabe…

          • Alberto Prado

            Rsrs, certo… Então quer dizer que tem rede de dados lá em Água Fria (povoado da já pequena cidade Chapada do Guimarães) no interior de MT??? Esse é só mais um exemplo dos muitos que ainda existem pelo Brasil. Só que já andou pelo interior que conhece de perto a realidade.
            Só pra ri mesmo.

          • Cristiano Cruz

            Lembrando que há países na Africa, que fazem transações bancarias com sms, e isso mudou a vida de muita gente pra melhor, Quando se fala em tornar obsoleta a moeda física, é um plano de anos, deixando a transição mais confortável o possível, assim como foi a mudança pra tv digital no brasil.

          • Tom

            Rádio via satélite é caro, acho que é o único meio atual que cobre todo o país, o jeito mais barato seria via rede GSM, mas tem muito lugar por aí sem cobertura.

          • Jefferson Rodrigues

            Temos infra para aguentar o tranco de mais de 150 milhões de pessoas usando a Net? Acho que não.

      • Veritas

        Mas TEMOS infra pra isso, falta e vontade mesmo.

        INFRA?

        Santo Deus, cara… tem lugares no Brasil que ainda nem possuem REDE ELÉTRICA!
        Sai do teu quartinho e acorda para a realidade, pô!

      • ochateador

        Aqui no meu bairro quando as operadoras querem, aparece algum sinal (de 10% do 2G e olhe lá).
        Cabeada? Não mais mais portas disponíveis no armário da vivo (esse armário só tem 50 portas e atende 600 residências).

      • David Diniz

        Tem cidade que ter sinal de celular 2G é luxo Diego…

      • Paçaro

        Nem de longe.

      • Alexandre Roberto

        A coisa não é nem p´roximo do que vc está acreditando.

        Sou de SP e trabalho no MT…e viajava constantemente para o interior do MT, RO E PA.

        Muitos municípios que eu atendia, e falo de municípios entre 50 e 150 mil habitantes possuíam 4 ou 5 agências bancárias…e uma instabilidade absurda no fornecimento de energia elétrica e pior ainda..conexão web

        Para ter uma idéia do que estou dizendo, em um município com mais de 100mil habitantes do interior do PA, além da falta constante de energia, web c só contratava via rádio…e se chovesse…já era..e..detalhe….esse município possuía povoados (região de garimpo) que atendíamos que ficavam a uma singela distância de 200kms do centro da cidade (sim…a distância q vc roda e já cruza a fronteira SP-RJ pela dutra não é suficiente para sair da área de abrangência de um município)..e esses povoados dependiam de um geradorzinho caseiro de energia que 22h era desligado.

        certa vez, em 2013 uma região de 18 municípios do nortão do MT (eu ficava a maior parte do tempo em um desses) ficaram 3 dias sem web por um singelo detalhe:

        Toda a conexão da região dependia de 1 fibra ótica que margeia a BR 163…e um comerciante local montou uma barraquinha de castanhas na beira da estrada…e resolveu cavar uma fossa p fazer suas necessidades…advinha se ele não cavou em cima da fibra?

        Para ter uma idéia, apesar da Oi atender a região, não havia gaveta disponível…e tivemos apenas umm opção: contratar um link via satélite para manter a instituição que eu gerenciava..detalhe é que era um serviço essencial. Vc sabe q um link de satélite e beeem carinho.

        A 3g que pegava era só davivo..era ótima depois das 23h..e ia bem até umas 6h…depois que o povo acordava….esqueça…

        E não são apenas povoados paupérrimos..estou falando de municípios que a população tem renda média equivalente a muito bairro bom de SP.

        Fim de semana..só 1 ou 2 estabelecimentos abertos..exigir que tenham maquininhas de cartão funcionando é ainda uma utopia.

        PS: desde o final de 2013 estou estabelecido em uma única capital, sempre me deslocando para SP.

      • Thavi Lang

        Santa Margarida (RS), onde a família do meu namorado mora, mal e mal pega telefone (tem que ficar correndo de um lado pro outro tentando achar sinal). E eu to falando de uma cidade só, que EU conheço, que não tem acesso a redes de comunicação. Quem vive em cidade grande e/ou região central não consegue ter noção de como as coisas são precárias fora dos centros.

      • Marcos Pulido

        NÃO TEMOS! Sai da bolha, quem roda pelo interior do país sabe muito bem como é precário os meios de comunicação.

      • Sérvio Cartaxo

        Exatamente, falta vontade. Tecnologia e hardware existem, não é necessária muita banda para um sistema financeiro rodar. Agências enormes funcionam com links que você jamais aceitaria na sua casa.

  • Ed

    Está muito distante da realidade a extinção completa sim. Mas é interessante a discussão que isso levanta.

    Na prática, grande parte das pessoas não usa dinheiro em espécie quase nunca, e eu estou nesse amplo grupo. As contas que vem em faturas eu pago no app do banco. As compras online são quase sempre no cartão, às vezes no boleto, e em ambos os casos o pagamento efetivo acaba sendo no app do banco também. As despesas do dia a dia (almoço, transporte, cinema, etc) todas no cartão. Acabo pegando dinheiro em espécie só para ir a poucos lugares que não tem maquininha mesmo.

    • Jefferson Rodrigues

      Isso é porque você mora em cidade grande. Quem mora em cidades pequenas ainda depende e muito das cédulas.

      • Ed

        Sim, há um caminho grande ainda.

        Acredito que mais da metade da população viva em cidades do porte da minha (400 mil hab.) para mais. Mas atender a demanda dos pequenos municípios do interior é um desafio enorme.

        • Emerson Ângelo

          Morei muito tempo em uma cidade de pouco mais de 20 mil hab. e simplesmente não existe/funciona esse negocio de comprar e pagar via transações online, fatores que contribuem para isso é o escasso ao acesso a internet, falta de informação/desconfiança sobre esse modelo financeiro, resistência pelos mais antigos entre outros fatores. É desafio grande, creio que a iniciativa privada poderia acelerar esse processo com planejamento de campanha.

      • LessTech

        Depende porque o sistema financeiro hoje não tem uma diretriz de digitalização. Se houver, a migração para o dinheiro 100% digital não seria um “monstro”. Lembrar que mesmo em cidades do interior as pessoas conseguem ter acesso ao cartão para sacar o FGTS. Se houver um plano diretor e um trabalho sério para a migração , seria possível implementar isso em até 10 anos.

        O problema é o “trabalho sério”. Tratando-se de Brasil, é difícil…

    • Adriano

      Ed, a extinção completa, sim está longe entretanto, esse é o caminho lógico e natural do sistema financeiro do futuro, um futuro nem tão distante assim. Como eu disse em um comentário acima, já existem países como a Suécia por exemplo, onde mais de 90% das transações financeiras são feitas exclusivamente com cartões de crédito, à partir de 2018, seu comércio passará a não aceitar mais dinheiro em espécie. Com essa medida, eles acreditam que em no máximo 5 anos, o dinheiro físico seja abolido. Se isso é bom ou ruim, é discutível sem dúvida no entanto, já está acontecendo, e para os conservadores que acreditam que isso tudo não passa de ficção científica, a realidade demonstra exatamente o contrário.

      • Pedro H. B. Silva

        mas isso tem que vir com naturalidade com escolha e não com força de lei

        • Adriano

          Concordo, mas a urgência e necessidade da mudança, atropelaram a naturalidade.

          • Pedro H. B. Silva

            não há necessidade.
            Moro na Noruega, todo mundo usa cartão para tudo, dá para viver meses sem tocar em papel ou moeda, mas ainda sim são uma opção.
            Independente da praticidade ou disponibilidade, é necessário ter a grana em papel, a pessoa não pode depender de banco ou no mínimo eletricidade/internet para ter sua vida financeira.
            Muitas vezes mesmo aqui por algum motivo (em geral defeito da internet ou máquina) o cartão não passou e eu tive que pegar aquela nota guardada a meses na carteira para pagar.
            Fora que estoco moedas na gaveta do trabalho, quando vem aquele dia que esqueço a carteira, uso as moedas para garantir o almoço XD

          • Adriano

            Entendo.

    • David Diniz

      Eu pago minhas conta tudo on line(meus cartões e fatura de celular são on line) também uso cartão para pagar minhas coisas mas não largo de ter pelo menos R$ 10 na carteira para alguma eventualidade ou mesmo pagar pedágio na estrada(por opção eu não coloquei esses sistemas de cobrança tipo sem parar no meu carro)

    • Mago Erudito®

      Isso acontece também pq o serviço que os bancos tem prestado é sofrível…

      • Ed

        O serviço de atendimento pessoal é ruim mesmo, as filas são muito grandes por conta da falta de funcionários, e com frequência os gerentes tentam empurrar produtos que você não quer. Já os serviços online são bons, e é claro que é de interesse dos bancos automatizar o máximo, para economizar nos gastos trabalhistas.

    • Washington Vieira

      Também é preciso haver uma solução para o turismo e viagens de negócio.
      O fim do dinheiro em espécie também dificultará o serviço das prostitutas, de alguns ambulantes, flanelinhas, etc.

      • Ed

        Para turismo internacional, acho que hoje em dia grande parte dos gastos já é feita em cartão de crédito (em alguns casos também o de débito ou o pré-pago).

        Já no caso dos prestadores de serviços, li em algum lugar que na Suécia eles estão usando maquininhas próprias (dedicadas, ou daquelas acopladas ao celular) para atender a demanda, pois está ficando difícil receber os pagamentos em espécie por lá, hehe

      • fsociety

        Hoje é uma visão até comum ambulantes com maquininhas de cartão em São Paulo.

  • Matheus

    Elitista.

    • Adriano

      Matheus, não é uma questão de elitismo, é uma tendencia mundial e um caminho tão lógico quanto a mobilidade das coisas. Eu moro no Japão e aqui, quase tudo já pode ser pago via celular, desde táxi até despesas domésticas, compras em supermercados e lojas de conveniência. Para o brasileiro, pode parecer algo distante da sua realidade e de fato é no entanto, se você sair do Brasil, verá que isso já está acontecendo em alguns países e de forma muito natural.

      • Veritas

        Eu moro no Japão e aqui, quase tudo já pode ser pago via celular, desde
        táxi até despesas domésticas, compras em supermercados e lojas de
        conveniência

        Tu estás em outra realidade, cara.
        Suécia, Japão… são exemplos que não são passíveis de comparação com países como o Brasil.

        • Adriano

          Não é uma questão de realidades diferentes muito menos cabe comparações. O que estou dizendo é:

          “A adoção de uma moeda digital ou virtual, como queira, provocando a extinção do papel moeda, não é uma escolha que o Brasil poderá fazer se quiser ou não, é algo que já está acontecendo e em alguns países e mais cedo ou mais tarde, esse processo de transição do sistema financeiro irá ocorrer no Brasil também, independentemente de todas as dificuldades que o país terá ao fazê-lo.”

          Mais cedo ou mais tarde, TODOS os países terão abolido seu dinheiro físico, pois esse não é um privilégio da Suíça, Suécia ou Japão e sim, um projeto do sistema financeiro mundial, ao qual tudo permeia na nossa sociedade atual. As decisões hoje, tomadas em âmbito internacional, são de ordem global ou seja, afeta à todos sem distinção. Brasil não será exceção.

      • 868686

        É mesmo, infelizmente é tendência mundial os indivíduos perderem progressivamente seu direito de escolher o que é melhor para si mesmo.

        • Adriano

          Verdade mas também sou otimista. Acredito que todas as mudanças são bem vindas em um médio e longo prazo, apesar de também saber que as mudanças de hábitos e a quebra de paradigmas, são sempre doloridas e causam problemas, mas faz parte.

      • Matheus

        No Brasil é utópico é elitista. Ponto. O problema é contextual, a proposta é nacional.

        • Adriano

          Saia do Brasil e verás que está equivocado, e o seu “Ponto.”, não altera a realidade dos fatos, muito menos em função do seu proselitismo pseudo-político-socialista.

      • Matheus

        Elitista e utópico. Ponto. A proposta é nacional, contextualizada no Brasil.

  • ditom

    Se o legislativo legislasse menos e fiscalizasse mais o executivo (a principal função para a qual foi criado), o país seria melhor, bem melhor…

    • Diego F. Duarte

      Ta sabendo heim jovem? O proprio nome ja diz pra q serve o legislativo. Ja ouviu falar de balanco e neutralidade de poderes?

    • Pegasus

      Quem deve fiscalizar é o judiciário. Por que o legislativo teria que deixar de fazer sua única função (legislar) para fazer a do judiciário? Não faz o menor sentido e garanto que foderia ainda mais o país essa zona com os poderes.

  • Islan Oliveira

    A ideia em si não é ruim, mas está muito longe da realidade brasileira. Num país onde milhões de pessoas não tem conta bancária e onde a infraestrutura é precária, não há condições para isso. Uma ideia desse porte teria que ser discutida daqui uns 30 anos, NO MÍNIMO.

    • Eduardo Schicovski

      E ele ainda quer comparar Brasil com noruega kkk

  • Eduardo Schicovski

    Com esses sistemas “seguros” que o Brasil tem (e o mundo tbm, grande exemplo o quão enorme estrago em decorrência do Wanna Cry). Logo ia ter nego com hack pra aumentar a grana kkkk

    Sem preconceito, temos q levar em conta também que não é todo mundo q manja dessas atividades financeiras digitais, por celular e aplicativos. A ideia não é ruim, porem está distante da realidade brasileira.

    • Diego F. Duarte

      Na vdd nosso sistema bancario e o melhor do mundo. Se vc visse o nivel de paranoia e seguranca q os sistemas daki sao baseados, vc n vomitaria tanta besteira assim…

      Vc e mais um da turminha q so reclama p parecer “cool”? Serio, eu to meio q ficando de saco cheio dessa turminha ja.

  • Diego F. Duarte

    P falar a vdd a ideia e boa, so q veio na hora errada. Talvez em uns 20 anos, se o pais continuasse no ritmo em q estava, teriamos um cabedal minimo social e academico p pensar nisso.

    Agora esquece, teremos mais uma geracao sub-alfabetizada, ou parcamente educada na proxima geracao.

  • Anayran Pinheiro

    Seria uma ideia genial se não fossem os 40% da população não ter qualquer tipo de conta em um banco…

    • Pegasus

      Modelos como os da Africa Subsaariana, onde a maior parte da população usa serviços de transações pela rede GSM, a partir do uso de SMS, poderiam ser aplicados aqui. Essa população, em sua maioria, não possui conta corrente.

  • anderson

    Sou um desses que dificilmente usa dinheiro em mãos, exceto, em situações que é ridículo pagar com cartão, tipo, um doce, sorvete ou seja, coisas de 1 a 2 reais. Embora isso realmente irá acabar com assaltos a bancos e carro-forte, temo que o indicie de assalto relâmpago a pessoas portando Smartfones ultrapassará a casa dos 300%, afinal, todos os ladrões saberão que usuários de smart terão uma conta bancaria on line e serão potenciais vitimas. Ou seja, acaba-se com uma pratica e se cria outra.

    • RickRatinho

      E manda o dinheiro pra onde? Se é tudo digital, tem o registro de toda a movimentação.

      • anderson

        a Industria do crime sempre deu um jeito.

        • Claudio Roberto Cussuol

          Essa lei é como a história de vender o sofá porque a esposa do deputado deve estar traindo ele.

    • Pegasus

      Mas aí que tá: eu vejo essa emergência como uma forma de amenizar as perdas dos bancos com o aumento exponencial de assaltos à bancos no interior. São muitas agências sendo explodidas nas madrugadas. Quanto aos clientes: que se virem. Eles não estão nem aí se o risco aumentaria para nós, só querem que o problema deles acabe.

    • Claudio Roberto Cussuol

      Quem define o que é ridículo pagar com cartão?
      Isso pode ser uma questão de preferência pessoal.
      Eu pago TUDO, praticamente não uso dinheiro mais, exceto para alguma coisa que realmente não aceite, mas nunca por escolha minha.

  • Pedro Quintiliano Neto

    iPhone + barato goo.gl/Z6UfC9
    Nome de indicação: Pedro quintiliano

    • Tori

      cacete mano, até aqui?
      ninguém vai comprar iphone

  • Veritas

    O problema é que o dinheiro em papel ainda é mais fácil de ser utilizado por pessoas idosas.

    Quem sabe daqui há mais algum tempo, quando os idosos forem das gerações que já cresceram no mundo digital, esta realidade seja possível

    • Luiz Claudio Eudes Corrêa

      Idosos usam dinheiro mais por costume do que por não saber botar o cartão na máquina e digitar a senha.

      Embora minha avó de 83 anos tenha dificuldade pra enxergar os botões na hora de digitar a senha em algumas máquinas, queria ver como ela se sairia com aquele cartão da Mastercard com leitor biométrico de impressões digitais que “dispensaria” o uso de senha.

  • 868686

    Pera aí, por que o Estado pode determinar como eu devo comprar e vender?

    Não vivemos num país livre? Por que devo ser obrigado a usar a forma de pagamento determinada pelo Estado?

    É incrível como quase ninguém se faz estas perguntas. As pessoas se acostumaram a ser escravas do Estado.

    • Veritas

      Pera aí, por que o Estado pode determinar como eu devo comprar e vender?
      Não vivemos num país livre? Por que devo ser obrigado a usar a forma de pagamento determinada pelo Estado?

      Você pode utilizar a troca de mercadorias como forma alternativa de pagamento não dependente do Estado.

      Mas quero ver alguém aceitar 1 carga de milho em troca do automóvel que estiver vendendo.

      • 868686

        Pra isso surgiu *espontaneamente* o dinheiro em papel, para facilitar as trocas voluntárias entre os indivíduos.

        O problema é que o Estado tratou logo de começar a controlar o dinheiro e hoje o dinheiro pertence ao estado, literalmente. Ele pode fazer todos nós miseráveis da noite para o dia simplesmente mudando as regras do jogo. Mas como isso não interessante para os interesses do Estado obviamente ele não faz.

        Voltando o tópico, a imposição de dinheiro virtual, ainda mais controlado pelo Estado é a última pá de cal nas liberdades individuais.

        É impressionante como a sociedade atual é alienada sobre a ação intromissiva e até tirânica do Estado em nossas vidas.

        • Veritas

          Pra isso surgiu *espontaneamente* o dinheiro em papel, para facilitar as trocas voluntárias entre os indivíduos.

          O dinheiro em papel surgiu por causa do Estado.

          Não há como escapar do controle de um “Estado” quando o assunto é dinheiro.
          Mesmo moedas como o Bitcoin são controladas por alguém.
          E mesmo com o Bitcoin, tu podes “ficar miserável da noite para o dia” e, o quê é pior: não vai ter com quem reclamar.

          • 868686

            “Não há como escapar do controle de um “Estado” quando o assunto é dinheiro.”

            Tendo um pensamento bovino como o seu não dá pra escapar mesmo….

    • Rodrigo

      Porque o Estado, teoricamente, é a vontade soberana do aglomerado de pessoas que vivem em um determinado território. Em tese tudo que é determinado pelo Estado foi decidido por esse aglomerado de pessoas. Não difere muito de um condomínio ou uma sociedade comercial.

      • 868686

        Sério?

        Então o Estado brasileiro está com defeito…

        O “aglomerado de pessoas” quer bandido preso, julgado, condenado e cumprindo toda a pena na cadeia. O Estado faz o quê? Solta os bandidos. Defende os bandidos e criminaliza a polícia.

        O “aglomerado de pessoas” quer político corrupto preso, julgado, condenado e cumprindo toda a pena na cadeia. O Estado faz o quê? Não julga, nem condena os políticos. E quando algum político corrupto é preso, o Estado trata logo de soltá-lo.

        O “aglomerado de pessoas” quer o direito de portar armas. O Estado faz o quê? Proíbe o porte de armas.

        O “aglomerado de pessoas” quer o dinheiro dos tributos seja aplicado em serviços públicos que beneficiem toda a sociedade. O Estado faz o quê? Aplica o dinheiro em coisas que o povo não quer como empréstimos para empresários amigos, países amigos etc. E rouba muito, claro!

        Enfim, eu poderia listar muito mais coisas, mas acho que já deu para entender, né?

        O Estado é o verdadeiro inimigo dos indivíduos porque sem Estado a maior parte dos nossos problemas não existiriam.

        • Rodrigo

          Não digo que o Estado brasileiro não esteja com defeito, mas quem colocou esses políticos lá?

          Sobre a questão do porte de armas, foi decidido em referendo, o aglomerado de pessoas votou diretamente na questão.

          • 868686

            Exatamente, votou SIM pelo porte de armas. E o Estado ignorou a vontade “do aglomerado de pessoas”.

          • Rodrigo

            É, cara, não discordo de você, o Estado brasileiro tá todo errado mesmo. Recentemente depuseram uma presidente por detalhes técnicos que depois foram regulamentedos pelo congresso e agora tentam fazer vista grossa pro sucessor que foi flagrado no mínimo tentando obstruir a justilça.

          • 868686

            “detalhes técnicos”…

            Os petistas fazendo uso da estratégia da “novilíngua” (neste caso, chamar um crime inconteste de “detalhes técnicos”). Nada novo debaixo do Sol.

          • Rodrigo

            Petistas? Onde?

            Só torcedor acha que o julgamento foi técnico.

            “Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria”

            “uma coisa política e rápida”

            “Eu acho que a gente precisa articular uma ação política”

            Um pacto “com o Supremo, com tudo”

            “aí parava tudo”.

            “É. Delimitava onde está, pronto”

            “A solução mais fácil era botar o Michel”

          • 868686

            Eu acompanhei todo o processo. Não adianta você pegar estes fragmentos de conversas interceptadas e tentar usá-los para embasar a teoria estapafúrdia de que o Impeachment foi um golpe. Eu sei que não foi.

          • Rodrigo
          • 868686

            Quero não, obrigado. Mas eu poderia jurar que vocês comiam o sabor mortadela….

          • Rodrigo

            Procurei, mas não achei.

  • Luiz Claudio Eudes Corrêa

    Acreditarei nisso assim que puder pagar ônibus no débito/crédito quando esquecer de recarregar o bilhete único

  • Renan

    O Banco Central divulgou que em 2016 tinha 101 milhões de cartões de débito ativos. 83 milhões de crédito. Não é uma realidade muito distante ampliar para todos os 208 milhões de brasileiros. O que faltou nesse projeto de lei foi reduzir gradativamente o uso do papel moeda para evitar tretas.

  • Pegasus

    Necessariamente não é preciso toda uma estrutura de alta tecnologia para isso. Vale lembrar que em muitos países da África a maior parte das transações comerciais feitas por pequenos comerciantes e consumidores são realizadas através de mensagens de texto. Seria o equivalente simples dos serviços de pagamento da Apple, Samsung e dos cartões de débito.
    Essa possibilidade têm alavancado o comércio desses países e tornado mais rápidas e seguras as transações. Acredito que não seja necessário, como alguns falaram nos comentários, de um nível considerável de educação para essa mudança. Se a transformação for feita de forma planejada, com bom marketing e de maneira progressiva, em um período de dez anos seria possível essa mudança. Minha crítica é sobre o aumento do poder dos bancos e de outras instituições financeiras sobre o sistema.

  • ochateador

    Com as taxas que os bancos cobram de cada transação em cartão…
    Acho que 99% das empresas vão ser contra.

    • Claudio Roberto Cussuol

      Para vendas a consumidor? A empresa que “for contra” vender com cartão, em pleno ano de 2017… simplesmente não vende. Tá condenada a fechar.
      Pessoalmente eu quase não uso mais dinheiro. E vejo um movimento claro dos comerciantes, de todos os portes, de aceitarem cartão. Até na feira.

      Isso não significa que o projeto de lei seja menos absurdo. O ilustre deputado teria coisa muito mais útil pra fazer do que tentar revogar a lei da gravidade.
      Quando o dinheiro de papel realmente deixar de ser vantajoso para uma quantidade significa de pessoas ele vai sumir naturalmente.

      • ochateador

        Po, já viu as taxas que os bancos comem de cada compra feia em cartão de crédito e débito ?
        Imagina que todo mundo seja obrigado a utilizar cartão e proibido de usar qualquer outra coisa. Para os bancos aumentarem essas taxas é um pulo.

  • kadug

    Tem que ser muito alheio a realidade do país para acreditar que tal proposta é viável atualmente. Brasil não se resume às suas capitais.

  • Joaomanoel

    Mais um projeto para engavetar e gastar tempo….

  • Hugo Ernesto Braga

    Se o dinheiro em espécie tiver que acabar, que seja naturalmente, com as pessoas escolhendo a forma de pagar que melhor lhe convém. Não precisamos de nenhum político inútil criando mais uma lei estúpida. Já passou da hora de fechar esse congresso.

  • gabriel

    cade os conspiracionistas retardados pra dizer que isso é a “Nova ordem Mundial” ??? e os illuminatis??? ha esqueci isso é uma proposta vindo do PT por isso não tem illuminati no meio! agora isso nunca vai ser aprovado! sabem por quê? como é que partidos como o PT vão lavar dinheiro e propina se não foi dinheiro em especie???? que impossibilita rastreamento????

    • Cláudio Henrique

      O sabe tudo! Se vc realmente acompanhasse os acontecimentos políticos no mundo saberia que Nova ordem mundial existe e está tão presente e atuante que os próprios lideres mundiais já falam abertamente nela. Então sai do videogame e da sua bolha alienada ok. Se você acredita que estão fazendo isso preocupados com segurança da população se não percebeu, é você que acredita em papai Noel!

  • Wololo ✔

    Meio utópico isso ai, lendo o texto já penso em 2 ou 3 problemas nesta ideia.

  • Pedro H. B. Silva

    ridículo, você tem que ter o direito de ter sua vida financeira independente de um banco.

    • Adriano

      Eu concordo, mas essa não é uma opção, pelo menos não no longuíssimo prazo.

  • Eduardo Spaki

    eu apoio a ideia, mas sendo realista, temos que pensar em nao geeks, principalmente em aposentados e afins

  • Gilberto Furtado

    Será que esse cara já ouviu falar de PICPAY?

  • Salviano Lima

    extinção completa é complicado, vejamos a estensão do territorio do Brasil… algumas cidades de interior não tem sinal de rede de celular nem de internet pra que as maquinas de cartão funcionem, e mesmo os locais onde tem maquina de caretão, há vezes que o cartão não passa por falha de sinal, ou mesmo que falha e acaba fazendo cobrança dupla (pelo menos nesse caso depois é estornado da conta), o dinheiro em espécie ainda é o unico metodo a prova de falhas e ainda independente da conectividade

    o que pode haver é uma transição gradual, começando por facilitar aos comerciantes terem maquinas de débito, e acabando qualquer taxa que incida sobre venda no debito tanto pro consumidor quanto pro vendedor

  • Angel Maximo

    CONTROLE TOTAL DA VIDA DAS PESSOAS , é besta se manifestando , ainda que não aceitem o fim está próximo , tem pessoas achando que precisa de infra instrutura pra isso, caro leigo tudo tem leitor de cartão então e so colcar o numero da besta na mão ou seja , O chip e passar em qualquer lugar e depois ser monitorado em tudo no que faz , o que compra , o que tem , onde vai , porque acabou a liberdade.

    • Adriano

      Sim, um sistema financeiro global, centralizado e com dinheiro digital, permitirá sim o controle de todos os aspectos da vida do indivíduo, mas sem religiosismo…😄

  • Mago Erudito®

    Vocês me desculpem, mas com esses banquinhos que temos aqui não sei se isso é viável.

    Hoje para sacar e gastar nosso dinheiro não somos diretamente cobrados. Os bancos ganham bilhões por ano com pagamentos e a nossa necessidade de pagar com cartão por causa da falta de segurança.

    Eu sou um que recentemente abri conta no Banco Inter para tentar sair desses bancos tradicionais que cobram caro para entregar um serviço de péssima qualidade e ainda ficam com o meu dinheiro.

    O futuro do dinheiro e das transações financeiras não passa pela regulamentação de um simples deputado brasileiro, mas da evolução e aceitação das criptomoedas.

  • Mago Erudito®

    O rastreamento do dinheiro será para TODOS ou políticos, juízes e empresários vão ter imunidade?

  • Ricardo – Vaz Lobo

    Ok, virtualizar os meios de pagamento é lindo. Mas PonziCoins não pode.

  • PequenoGK

    Pra min já está extinto.. Pq nem saco dinheiro no banco, todos pagamentos é de forma digital pelo Internet banking, cartão de crédito ou débito.
    E Outra.. Se algum deputado for contra é porque tá aceitando propina kkk

    • Corvo

      Você viaja?
      Creio que não, basta viajar algumas centenas de quilômetros para se deparar com vários lugares que não aceitam cartão por motivos superiores a vontade do comerciante, como falta de acesso a internet ou acesso precário.

  • Guilherme de Oliveira

    Sou a favor de incentivar as transações digitais, mas proibir usar dinheiro em espécie é maluquice.

  • Wellington Gabriel de Borba

    Quero ver como fazer pagamento em cartão naquele posto longe da civilização em um rodovia por exemplo. Dá pra fazer isso quando os oligopólios das máquinas e bandeiras de cartões acabar, bem como o acesso à internet for generalizado.

  • Valerio de Vito

    Uma ideia maravilhosa essa de extinguir o papel moeda, realmente vai melhorar muito o problema de crimes relacionado a dinheiro, mas essa ideia por enquanto só funciona no papel. Eu moro no interior do PAraná, numa cidade de 100 mil habitantes, nao é tao pequena assim, e mesmo assim, tenho uma maquina de cartao de chip que raramente funciona 100%, a cada 10 compras pelo menos 3 nao passam por problema de conexao, e isso pq do total de vendas que faço na loja, apenas 20% sao com cartoes, o restante tudo em especie. Entao ainda vai demorar muito pra poder implementar uma ideia dessas de acabar com dinheiro de papel.

  • Henrique Accioly

    Em um país em que a internet mal funciona, e não atende a grande parte da população, isso soa como uma piada.

  • Meganegão

    Sou contra isso aí. Um dia o dinheiro em especie vai desaparecer por desuso, nao por proibição.

    O que de fato deveria deixar de ser lei e a obrigatoriedade do prestador de serviço ou vendedor receber pagamento em dinheiro. Desse modo, podendo receber apenas em débito ou crédito.

  • Wilker Bueno

    “para fins de registro histórico”, já estou assim faz tempo… Cédulas na minha carteira já faz parte da minha história.

  • Mais uma forma de vigilância do Estado.

  • Bora colar lá no vale do Jequitinhonha pra ver como o dinheiro virtual é bem utilizado.

    Que tal se preocupar com saneamento básico e levar água para todos antes de extinguir o dinheiro?

  • Quando as pessoas ficam muito focadas em tecnologia, não entendem o que de fato significa essa lei, o absurdo da mesma:

    Fim do Dinheiro Físico? PL48/2015
    https://www.youtube.com/watch?v=5By_gGwBfgs

  • Cláudio Henrique

    Esse projeto tem interesses obscuros, para que extinguir o dinheiro de papel para obrigar as pessoas a usarem cartões e ficar dependentes de sistemas bancários?? As pessoas tem de ter o direito de escolher como usar seu dinheiro e não ser impostas, isso abre precedentes para outros tipos de controles e liberdades individuais, e vindo de um deputado do PT comunista coisa boa não deve haver por trás disso. ACORDEM BRASILEIROS !!! Isso vai colocar todo o poder financeiro de compra e venda e até de ir e vir de cada cidadão brasileiro nas mãos do estado e ai eles poderão fazer o que quiserem, até impor o que irão comer e vestir se houver ma fé por trás de tudo isso. ISSO NÃO TEM NADA DE EVOLUÇÃO E SIM ESCRAVIDÃO!!!

  • Cláudio Henrique

    Ninguem precisa de banco intermediando nada! Se o banco quebrar acabou seu dinheiro e se tiver crise vc não poderá tira-lo. Ninguem é obrigado a sustentar bancos, Isso tudo é papo furado para justificar uma agenda Global de uma minoria de Poderosos lá fora em que o PT, PSDB, PMDB e outros partidecos aqui no Brasil os servem como porta de entrada dessas políticas doentias.