Início » Mobile » Galaxy J5 Prime: bonito por fora

Galaxy J5 Prime: bonito por fora

Por R$ 999, novo intermediário da Samsung traz avanços importantes para a linha, mas ainda peca em quesitos básicos

Por
14/07/2017 às 15h38
7.7

Prós

  • Acabamento externo quase todo de alumínio
  • Leitor de digitais é um bom acréscimo para a categoria
  • Os 32 GB de espaço (em vez de 16 GB) também

Contras

  • Ainda o Android 6.0.1?!
  • Bateria com apenas 2.400 mAh
  • O aparelho merecia uma tela melhor

Não importa se a gente se perde no meio desse sem-fim de smartphones Galaxy lançados todos os anos. Como essa estratégia funciona, a Samsung não vai desistir dela tão cedo. Prova disso é o recém-lançado Galaxy J5 Prime, modelo com tela de 5 polegadas que vem para disputar espaço com aparelhos que custam por volta de R$ 1.000.

No Brasil, a Samsung posiciona o Galaxy J5 Prime como o sucessor do Galaxy J5 Metal, smartphone lançado por aqui no ano passado (apesar de, lá fora, o J5 Prime também ter sido anunciado em 2016), mas que continua com especificações atuais. Porém, o novo modelo traz características como leitor de impressões digitais e 32 GB de espaço para armazenamento de dados (contra 16 GB do J5 Metal).

Será que esses e outros atributos fazem o Galaxy J5 Prime ser mais interessante do que o seu antecessor? Eu usei o aparelho por alguns dias. Nas próximas linhas, relato todas as minhas impressões sobre ele. Me acompanhe.

Em vídeo

Design

Esta é a versão "rosé"; o J5 Prime também está disponível em preto e dourado

Esta é a versão “rosé”; o J5 Prime também está disponível em preto e dourado

Chega a ser engraçado. Apesar do nome, o Galaxy J5 Metal só tem superfície metálica nas laterais. A traseira possui uma textura que, embora lembre metal na versão dourada, é de toda de plástico. O Galaxy J5 Prime é diferente: a traseira e as laterais formam uma peça única de alumínio com acabamento escovado.

Samsung Galaxy J5 Prime

É uma mudança bem-vinda. Além de deixar o aparelho com um visual mais sofisticado e equilibrado, a superfície metálica repele manchas e, pelo menos nas laterais, gera atrito suficiente para você não deixar o dispositivo escorregar da mão.

O J5 Prime tem 8,1 mm de espessura

O J5 Prime tem 8,1 mm de espessura

Em contrapartida, a tampa traseira deixou de ser removível. Por conta disso, o acesso ao microSD e aos dois SIM cards (do tipo nano SIM) é feito por meio de duas discretas ranhuras no lado esquerdo. Isso fez os controles de volume ficarem um pouquinho mais altos, mas não o suficiente para incomodar.

Samsung Galaxy J5 Prime

Na lateral direita fica o botão Liga / Desliga e, um pouco mais acima, a saída externa de áudio. Eu não gosto dessa posição. Muita gente não vê problemas aí, mas eu sempre acabo tampando o alto-falante com a ponta do dedo ao segurar o smartphone na horizontal. Tirando esse detalhe, o Galaxy J5 Prime me pareceu um aparelho bastante confortável, com bom encaixe nas mãos.

Samsung Galaxy J5 Prime

Tela

A tela mudou. Saiu um painel Super AMOLED de 5,2 polegadas (do J5 Metal) e entrou um display TFT LCD de 5 polegadas. Do ponto de vista da ergonomia, não achei essa mudança ruim — para quem não tem mãos grandes, fica mais fácil alcançar todos os pontos da tela com esse tamanho, sem contar que o smartphone ficou menor e, assim, não incomoda no bolso da calça.

Como é de se esperar para a categoria do aparelho, a resolução do Galaxy J5 Prime é de 1280×720 pixels. Também não é ruim. Porém, tive impressão de que, na comparação com o J5 Metal, houve ligeira queda de qualidade aqui. As cores da tela são fortes, mas me pareceram um pouco mais frias que na geração anterior.

Samsung Galaxy J5 Prime

Além disso, se você não visualizar a tela bem de frente, vai notar perda de tonalidade com facilidade, principalmente nos pontos mais escuros das imagens.

Os níveis máximos de brilho são fortes o suficiente para você enxergar a tela em ambientes externos com forte incidência de luz solar, mas talvez você tenha que fazer algum esforço — há telas com mais brilho por aí. Mas o que mais me incomoda é a insistência da Samsung em não colocar um sensor de luminosidade. Não sei quanto a você, mas considero esse item obrigatório, mesmo em smartphones baratos.

Software

A Samsung lançou o Galaxy J5 Prime em junho, ou seja, na metade de 2017, praticamente. Apesar disso, o aparelho sai de fábrica com o Android 6.0 Marshmallow e, embora a ideia não esteja descartada, não há previsão de atualização para o Android 7.0 Nougat.

Samsung Galaxy J5 Prime

Seguimos sem novidades com relação ao software, portanto. O lado “menos ruim” disso é que não há inconsistências: o sistema operacional não foi excessivamente modificado, a interface TouchWiz está estável e não há excesso de apps de terceiros pré-instalados, só os aplicativos do Microsoft Office e o Opera Max, basicamente, além das obrigatórias ferramentas do Google.

Eu ficaria feliz se pelo menos a Samsung tivesse habilitado a função que permite transformar rapidamente o microSD em uma extensão da memória interna. Pois é, não rolou.

Câmeras

Samsung Galaxy J5 Prime

Não espere fazer fotos fascinantes com o Galaxy J5 Prime. Com sensor de 13 megapixels, lente de abertura f/1,9 e foco automático, a câmera traseira é, no máximo, ok. Você vai registrar imagens boas — mas não ótimas — em ambientes bem iluminados, mas também vai sofrer quando houver pouca luz.

LED na parte frontal

LED na parte frontal

Em condições favoráveis de luz, as fotos saem com cores vivas e níveis aceitáveis de ruído (considerando a categoria do dispositivo), mas há perda de definição, principalmente nas áreas mais escuras e nas extremidades das fotos.

Felizmente, dá para amenizar os problemas ativando o HDR. Esse modo não faz milagres, mas dependendo das circunstâncias, consegue equilibrar as cores e clarear imagens que, sem o recurso, ficariam mais escuras.

Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime
Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime

Com HDR

Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime
Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime

Com HDR

Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime
Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime

Com HDR

Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime
Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime

Com HDR

À noite ou em ambientes fechados, porém, vai sobrar ruído. De modo geral, essa é uma câmera básica, que nos lembra com determinação a categoria mediana do Galaxy J5 Prime.

Foto registrada com o Samsung Galaxy J5 Prime
Sem miséria, Mobilon! Enche o copo :B

Sem miséria, Mobilon! Enche o copo :B

Na parte frontal, o aparelho disponibiliza uma câmera de 5 megapixels, abertura f/2,2 e flash LED. Novamente, você vai conseguir fazer fotos boas, mas não ótimas. A coloração é ok, não há muito ruído e a perda de definição está dentro do aceitável, mas a situação piora consideravelmente se faltar luz. Às vezes nem o LED salva.

Pura sedução

Pura sedução

Desempenho e bateria

A Samsung equipou o Galaxy J5 Prime com um Exynos 7570 — chip com quatro núcleos Cortex-A53 de 1,4 GHz — e GPU Mali-T20. É um conjunto condizente com um aparelho intermediário e que dá conta da grande maioria das aplicações. Mas a memória RAM, com 2 GB de capacidade, pode aparecer como a vilã da história em determinadas situações.

O Galaxy J5 Prime executou bem todas as tarefas básicas: reprodução de áudio e vídeo, navegação na web, redes sociais (como Facebook e Twitter), WhatsApp, entre outros. Porém, eu notei que alguns apps foram um pouco vagarosos no momento de abrir ou carregar informações. Aconteceu muito com o Chrome e o Google Maps.

Não foi nada que atrapalhasse a experiência, mas se você tiver muitos apps abertos, talvez vai precisar de uma dose de paciência para alternar entre um e outro.

Dá para rodar jogos pesados no Galaxy J5 Prime? Dá, mas deixando as configurações gráficas no mínimo ou no ajuste automático. Em Unkilled, por exemplo, os níveis máximos frequentemente fizeram a taxa de quadros cair e, olha, é um tanto frustrante ser mais lerdo que um zumbi.

Pontuação no AnTuTu 6.2.7, Geekbench 4 e 3DMark

Pontuação no AnTuTu 6.2.7, Geekbench 4 e 3DMark

A bateria é que me deixou preocupado. Ela tem apenas 2.400 mAh. Para testá-la, executei as seguintes tarefas: filme O Poderoso Chefão (2h57min) via Netflix com brilho máximo na tela, cerca de 20 minutos de Unkilled (brilho médio), meia hora de streaming de áudio (com alto-falante no máximo) e uma chamada de dez minutos.

Após tudo isso, a carga da bateria caiu de 100% para 44%. Isso significa que você vai ter que pegar leve no uso se quiser deixar o Galaxy J5 Prime um dia inteiro longe da tomada. Com o carregador que acompanha o aparelho, precisei de pouco mais de duas horas e meia para fazer a carga pular de 10% para 100%.

Durante o teste com streaming, percebi que o alto-falante tem volume máximo aceitável. A qualidade não é das melhores — é comum o som ficar muito estridente —, mas baixo o áudio não fica. Como disse no início do review, a posição da saída é que incomoda de verdade. De todo modo, se você usar fones de ouvidos (dos bons, não o que acompanha o aparelho), vai ter uma experiência auditiva muito mais interessante.

Nem parece, mas o botão físico frontal é também um leitor de impressões digitais — é um dos pontos fortes do Galaxy J5 Prime, como você sabe. A leitura funciona bem, desbloqueando o smartphone sem que você tenha que pressionar o botão ou ligar a tela. No entanto, tive impressão de que a leitura é discretamente mais demorada que em outros smartphones, como o Moto G5.

Conclusão

Coloque o Galaxy J5 Prime ao lado dos últimos cinco ou seis intermediários lançados pela Samsung. Provavelmente, você terá dificuldade para diferenciá-los. É praticamente impossível se desvencilhar da sensação de “mais do mesmo”.

Mas, como eu disse no início do review, essa é uma estratégia que funciona para a Samsung, pelo menos para fisgar os consumidores que correm para as lojas para comprar um smartphone sem ter um modelo específico em mente. O que importa para esse público, frequentemente, é encontrar algo com boa relação custo-benefício.

Samsung Galaxy J5 Prime

De fato, para quem não quer gastar muito, o Galaxy J5 Prime é uma opção. Você não vai fazer fotos excelentes com ele ou ter ótima performance nos jogos, mas quem não foge muito do uso padrão de um smartphone vai ser bem atendido. O aparelho é consistente naquilo que mais importa para a sua categoria: dar conta do básico.

O problema é que, na comparação com a concorrência, o Galaxy J5 Prime sai em desvantagem. O modelo tem preço oficial de R$ 999, o mesmo valor cobrado pelo Moto G5, por exemplo, que leva vantagem na tela (full HD), nos sensores e na câmera traseira que, apesar de também não ser lá essas coisas, me pareceu gerar fotos com tons mais vivos.

No fim das contas, vale aquela velha lei que a gente aprendeu a usar bem: espere o preço no varejo cair. Quando o Galaxy J5 Prime estiver custando por volta de R$ 800 ou mesmo R$ 700, aí sim o tal do custo-benefício vai ser perceptível.

Como comprar com desconto?

testador-cupons-checando

Você pode utilizar a nova extensão do Tecnoblog para economizar alguns caraminguás na hora de trocar de aparelho. Ela tem um módulo Testador de Cupons que busca e aplica o maior desconto disponível na internet no seu carrinho de compras. É tudo automático, então qualquer um consegue utilizar, e é completamente grátis!

ta-caro

Outro recurso muito legal é histórico de preços. Quando você acessar a página de um smartphone, por ex, a gente já consegue te dizer se ele está com um preço legal. Esse recurso te ajuda a não cair em nenhuma "promoção", dessas que oferecem tudo pela "metade do dobro". Tenho certeza que vai ser muito útil em datas especiais, como na Black Friday.

Curtiu? Então clique aqui para instalar. ;)

Especificações técnicas

  • Bateria: 2.400 mAh;
  • Câmera: 13 megapixels (traseira) e 5 megapixels (frontal);
  • Conectividade: 3G, 4G, Wi-Fi 802.11n, GPS, Bluetooth 4.2, USB 2.0, rádio FM;
  • Dimensões: 142,8 x 69,5 x 8,1 mm;
  • GPU: Mali-T720;
  • Memória externa: suporte a cartão microSD de até 256 GB;
  • Memória interna: 32 GB (24,5 GB livres);
  • Memória RAM: 2 GB;
  • Peso: 143 gramas;
  • Plataforma: Android 6.0.1 Marshmallow;
  • Processador: quad-core Exynos 7570 de 1,4 GHz;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade, impressões digitais;
  • Tela: TFT LCD de 5 polegadas com resolução de 1280×720 pixels (294 ppi).

Notas Individuais

Design
9
Tela
7
Câmera
7
Desempenho
8
Software
7
Bateria
7
Conectividade
9
  • evefavretto

    “É um conjunto condizente com um aparelho intermediário” – err, não. Na faixa de mais ou menos mil reais o mínimo hoje é um octa-A53. Pelo menos é um SoC eficiente, já que é de 14nm, mas quad-core A53 devia ser pra faixa mais baixa do mercado, até o Moto G5 tem octa-A53.

    • emersonalecrim

      Então, tecnicamente, o conjunto tem alguma dignidade. O problema aí é esse preço: R$ 1.000 não valem por esse hardware. Mas é padrão da Samsung jogar o preço lá em cima no lançamento…

      • evefavretto

        Eu vou dar crédito que o SoC é eficiente, e eu sei o quanto um SoC eficiente pode ser bom(tenho um Z Play). Se o preço cair um pouco, talvez fique mais palatável.

        • Danilao Gringo

          Kkkk se cair para R$400.00 né?

      • Bruno Alexandre

        Acho que o que não vale 1000 reais é o moto e4 plus com aquele mediatek horroso kkkkkk

  • Jonas S. Marques

    Rapaz, que smartphone esquecível.
    O legal da Samsung é que ela não tem foco nenhum.
    Por exemplo, ela vende um aparelho com processador e RAM OK mas tela e bateria ruim.
    No outro ela bota processador e Bateria ok, RAM mais ou menos e tela e design horríveis.
    Aí no outro muito processamento, muita RAM e muita Bateria, Mas tela sofrível, bateria sofrível e câmera sofrível.
    Como se não bastasse, na faixa de 500 a 1500 reais temos Galaxy J1 Mini, Galaxy J1 mini Prime, Galaxy J2, Galaxy J2 Prime, Galaxy J3, J3 Prime, J5, J5 METAL, J5 PRIME, J7, J7 METAL, J7 PRIME, e daí por diante.

    PQP!

    • Diogo Nóbrega 🌳💺😂

      Classic Samsung as ever

    • Marcus Araújo

      Aguardando uma linha Jx Metal Prime, não me surpreenderia.

      A Samsung tinha pisado no freio nessa questão de inúmeros aparelhos, mas parece que voltou com o pé no acelerador e tá tocando o bonde na 5ª marcha.

    • Arley Martins

      Que zona as coisas da samsung. Até eles se perdem em tanto modelo A, B e C.

    • Essa problema da Samsung foi o que me afastou da marca. Só que com os últimos lançamentos dela e da concorrência e os atuais preços a coisa está complicada.
      Estou em busca de um novo aparelho para sair do Lumia e parece que vou cair no Galaxy A5 a contra gosto devido a relação custo X benefício.

      • Jonas S. Marques

        O A5 não é um smartphone ruim, diferente desses aí que são bem esquecíveis.

        • Estou na dúvida entre ele e o Moto Z Play, mas ele está parecendo ter um melhor CxB.
          Mas a Samsung tem uma política horrível com seus aparelhos que não são os do topo e nunca consegui gostar das modificações que ela faz no Android.
          Mas pela grana, parece que vai ter que sobrar esse mesmo…

    • Bruno Alexandre

      De ter muitos smartphones, não reclamo… tanto que é a marca que mais vende… se vc pegar uma motorola hoje, ( adoro a motorola )… o smart mais barato – 700… é complicado… asus… 700 ( e diga-se de passagem, o zenfone go é um lixo )

  • Breno

    Enfim.

  • Flavio Alvez

    Conclusão: Continuem com o Moto G. hehehe

  • Decepcionante o downgrade de tela, estava considerando esse smartphone.
    Difícil encontrar aparelho decente com tela pequena por mil reais.

  • Marcus Araújo

    Um novo lançamento desnecessário da Samsung é tão certo quanto o nascer do sol… Lhe falta um bom intermediário. Por R$ 999, até o Moto E4 Plus parece mais interessante, pelo menos tem uma gorda bateria.

    Vai vender bem? Vai, gostando ou não, a marca Samsung é muito forte e muita gente dá preferência.

  • Vsoco

    Sinceridade? Tivesse 3 gigas de RAM, seria uma ótima opção para mim.

  • Pontos negativos:
    É 2017, mas com LCD
    É 2017, mas ainda não aprenderam que o ouvido do usuário tá na frente do aparelho
    É 2017… Marshmallow

    Fora que me recuso a acreditar que os engasgos são por falta de RAM, já que um topo de linha antigo da conta e esse design… Como a Samsung consegue fazer aparelho feio, SEM OR… Galaxy J2 ’15 foi acerto acidental, só pode.

    • tuneman

      poderia ter 10GB de RAM que ainda ia ter engasgos

    • Caio Soares

      É otimização. O LG X Power tem praticamente o mesmo hardware e não tem engasgos nem apps recarregando.

  • André Maia S. Costa

    Comprei um J7 Prime para a minha esposa. Bateria de 3300ma, 3Gb de RAM. Ela está adorando. Mas também achei mega estranho não terem atualizado. O meu S6 já está com Android 7. O bom da samsung é que se você pesquisar um pouquinho, e entender de specs faz um ótimo negócio.

  • Caio Soares

    Alecrim sabe se a Mali T720 desse aparelho é a MP1 ou MP2?

  • Danilao Gringo

    Esse aparelho é para tiozão(a) serve para ver receita de bolo ,e também ver a previsão do tempo kkkkkk…nada além disso.

  • Mobilon lindo como sempre..😍

    • Gente, vamo dar upvote pra shipar esse casal.

      S2

      • Q nada, mta areia pro meu fusquinha. Sou feia, ele é lindo, merece coisa melhor. Mas elogiar não arranca pedaço.. rs

  • Tamanho de tela e design sao gostos pessoais… Vc nao pode jamais colocar isso como pro ou contra de um aparelho! Tem gente que adora pegar em coisas grandes….. eu prefiro um smart de 4,7…! Mas enfim… EU nao compraria o j5 prime.

    • Marcus Araújo

      Mas review é opinativo, sempre vai ser a opinião (aliada com a experiência com outros dispositivos, comparando a experiência de uso) de quem fez.

  • AntonioClementino

    Conforme o comparador Econovia já está por 800 reais no Carrefour. Vale uma boa pesquisa antes de comprar