Google e Amazon já se estranharam antes, mas nenhum episódio gerou tanta polêmica quanto o atual: o YouTube deixou de funcionar no Echo Show, alto-falante inteligente da Amazon. A decisão foi repentina, sem aviso prévio e a explicação dada pelo Google soa vaga. O resultado? Uma briga de cachorro grande.

Pode parecer um detalhe sem importância, mas o Echo Show tem um grande diferencial em relação ao Amazon Echo convencional: uma tela tátil de 7 polegadas. Dava para assistir a vídeos do YouTube ali até a última terça-feira (26), quando o Google decidiu revogar o acesso ao serviço a partir do dispositivo.

Diante das queixas, a Amazon tratou logo de dizer que não teve culpa: “o Google decidiu deixar o YouTube indisponível no Echo Show sem explicação e aviso aos usuários. Não há razão técnica para essa decisão, o que é decepcionante e prejudicial aos nossos clientes”.

O Google rebateu prontamente: “a implementação do YouTube no Echo Show por parte da Amazon viola nossos termos de serviço, criando uma experiência de uso incompleta. Esperamos chegar a um acordo para resolvermos esse problema em breve”.

Mas a solução para o impasse pode não ser tão imediata assim. A Amazon afirma que o Google, até o momento, não esclareceu quais condições foram violadas. “Eles simplesmente não nos disseram o que há de errado”, argumenta Dave Limp, vice-presidente de dispositivos da Amazon.

YouTube triste

Se por um lado o Google parece ser um tanto vago nas justificativas, por outro, a Amazon demonstra alguma falta de tato: o Echo Show reproduzia vídeos do YouTube normalmente, mas não dava acesso a funções importantes da plataforma, como permitir que o usuário se inscrevesse em canais ou exibir recomendações de vídeos. Talvez — e apenas talvez — a iniciativa de disponibilizar mais recursos pudesse ter evitado o atrito.

Mesmo que as razões técnicas sejam legítimas, pode ter certeza que o fator rivalidade pesou nesse conflito. Como dito no início do post, não é a primeira vez que Google e Amazon se estranham.

Para dar um exemplo, no final de 2014, o aplicativo oficial da Amazon foi retirado do Google Play por promover a loja de apps da primeira. O aplicativo voltou ao catálogo, mas, hoje, é bem mais limitado.

Quase um ano depois, em outubro de 2015, a Amazon deixou de vender o Chromecast em sua loja (o Apple TV também foi removido). As razões até hoje são discutidas, mas a Amazon não esconde que a decisão foi uma resposta ao fato de o Chromecast não dar suporte por completo ao Prime Video.

Echo de segunda geração e Echo Plus

Os novos Echo de segunda geração e Echo Plus

A parte negativa dessa história é que o usuário fica no meio do fogo cruzado. E a bandeira da paz não deve ser hasteada tão cedo: nesta semana, a Amazon ampliou a linha Echo e, quase ao mesmo tempo, surgiram rumores de que o Google está trabalhando em um dispositivo similar ao Echo Show, ou seja, em um alto-falante inteligente com tela.

Fontes anônimas entrevistadas pelo TechCrunch afirmam que o dispositivo recebeu o codinome Manhattan. O alto-falante terá plena compatibilidade com o ecossistema do Google e, obviamente, isso inclui o YouTube.

Se os rumores estiverem certo, a Amazon poderá entender que o novo produto é a razão para o Google agir de modo tão arbitrário. Com isso, a briga provavelmente vai ter novos rounds.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Sckillfer
Teria que ter um feed de videos, primeiramente, coisa que até agora não tem. Não entendo as afirmações do fb dizendo que focará em video... Se o site/app não tem nem isso ainda.
Diogo
Sim, exato. O Facebook poderia mudar isso pra se tornar mais atrativo e fazer frente ao YouTube...
Sckillfer
Mas o Facebook não só não paga os criadores como cobra para que tenham o video disseminado (enquanto o Vimeo só cobra por recursos extras... Permitir que vejam o teu video é algo essencial). Além de ter politicas de conteúdo tão conturbadas quanto as do YouTube.
Diogo
Pior que tem vários possíveis concorrentes nesse mercado que poderiam entrar, mas nenhum ainda não se arriscou. A Amazon poderia entrar com o Twitch (que por enquanto tá só nos streamings), tem o Netflix, Vimeo, Dailymotion, etc. O único que eu vejo que tá "comendo pelas beiradas" é o Facebook, que tá cada vez mais mudando sua plataforma pra permitir vídeos e sua interação (streaming, visualizações, ads, etc.).
Igor Costa
Não é uma surpresa. Todo mundo sabe que a Google quer dominar o mundo...
Alexandre Marks
Dia 4 teremos a resposta...
SiouxBR
O Google é uma das empresas mais arrogantes que já conheci. Usam seu "poder" para fazer o querem e sem dar satisfação para ninguém. O ridículo é o lema "don't be evil" deles...
Zanac_Compile
Acho que Apple e Amazon são mais concorrentes, briga forte de ecossistemas bons, o da Amazon está ficando impecável, se aproximando da Apple em integração.
Molinex
Eles que são grandes, que se entendam...
JN Marcos
Ainda assim, permanece um nicho (estudantes americanos). Não acho tão evidente que essa integração forçada entre Android e Chrome OS seja grande propulsor. Porque os Chromebooks não foram criados pra serem usados nesse nicho, se tornaram. Mas se analisarmos bem, pela sua proposta deveria ter um marketshare maior. O seu marketshare nem sequer chegou a ser o que o Windows Phone foi (e olha que não é muita coisa). A Google se tornando um grande player desse mercado de assistentes, a meu ver, somente devido aos smartphones. Já a Apple, possui um bom ecossistema mais sólido. E é válido lembrar que existe a Microsoft, mas correndo com seus computadores (inverso da Google).
Anakin
Deve ter sido isso, a marca YouTube tem muito peso, talvez um aplicativo com outro nome não chamasse tanto a atenção.
Marcus Araújo
Pois é, não sei dizer se isso pode entrar numa disputa sobre concorrência, pra falar a verdade. Sei que no WP essa alegação não caberia, pois o Google poderia afirmar que o usuário da plataforma WP ainda poderia acessar o serviço pelo navegador, o que era verdade. Pois é, não digo que não é birra, mas ninguém pode obrigar o Google a fornecer o YouTube para essa plataforma, pelo menos não de forma "oficial". Talvez se a Amazon implementar pela API sem nenhuma violação nos termos de uso e mesmo assim for barrada caberia processo porque ficaria clara a tentativa do Google de sabotar a plataforma. A Amazon é esperta, espero que ache um final bacana pra essa enrolação.
Vitor Hugo
o problema, ao meu ver, não é que o Google tá se recusando a fornecer o serviço, ele tá simplesmente negando o acesso ao YouTube de um produto em específico que é rival de outro produto dele. é birra, pois o site é aberto pra qualquer um acessar, MENOS o produto que compete com outro produto deles, sacou? aliás, isso não pode levar a problemas sobre monopólio e concorrência desleal e blablabla?
Marcus Araújo
É uma verdade, o Google nunca esconde quando quer fazer birra. O problema é que o Google não me parece obrigado a fornecer o serviço dela em determinado dispositivo se não quiser. Mas ao contrário do WP, acho que essa briga vai dar muito mais pano para manga. No WP os apps de terceiros pelo menos driblavam a falta de um YouTube oficial.
Zelemento
Os chromebook são os notebooks mais vendidos para estudantes americanos, isso já é ótimo pra uma linha nova (Chrome OS) da Google/parceiras. O Google trabalhando nessa integração de Chrome OS e Android, tem tudo pra tomar uma boa porcentagem do mercado. Lembrando que a Google iniciou no seguimento não tem nem 5 anos (eu acho). Apple e Microsoft tão ai há décadas.
Exibir mais comentários