YouTube
YouTube declarou guerra contra adblock (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Resumo
  • O YouTube está reforçando ações contra aplicativos de terceiros que bloqueiam anúncios, alegando violação dos termos de serviço.
  • Usuários de adblockers podem enfrentar problemas como erros de carregamento e mensagens de advertência ao tentar assistir conteúdo na plataforma.
  • O YouTube promove o YouTube Premium como alternativa para visualização sem anúncios. A assinatura custa R$ 24,90 por mês ou R$ 249 por ano.
  • Em resposta às políticas do YouTube, o navegador Brave continua a apoiar ferramentas de bloqueio de anúncios, contrariando as restrições impostas pela plataforma.

O YouTube alertou que usuários podem ter problemas ao tentar assistir aos vídeos da plataforma usando aplicativos independentes com bloqueadores de anúncios. Entre as dificuldades, estão erros no carregamento e mensagens de advertência.

As informações constam em uma publicação feita na segunda-feira (15). “Estamos reforçando nossa fiscalização a apps de terceiros que violam os Termos de Serviço do YouTube, especificamente os que bloqueiam propagandas”, diz o texto.

App do YouTube em smartphone Android
YouTube recomenda apenas o app oficial (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

“Queremos enfatizar que nossos termos não permitem que apps de terceiros desliguem anúncios, porque isso impede que o criador seja recompensado pela audiência”, continua a empresa. “As propagandas no YouTube ajudam a apoiar criadores e permitem que bilhões de pessoas ao redor do mundo usem o serviço de streaming.”

Para quem não quer ver propaganda, a plataforma indica o YouTube Premium, que custa R$ 24,90 por mês ou R$ 249 por ano.

YouTube começou cruzada contra adblockers

As novas regras contra apps de terceiros são o mais recente capítulo da iniciativa do YouTube contra bloqueadores de anúncios, mais conhecidos como adblockers.

Em julho de 2023, o YouTube começou a mostrar uma mensagem para quem usa ferramentas do tipo, dizendo que apenas três vídeos seriam liberados. Depois disso, o player ficaria indisponível. Em novembro, isso passou a valer no mundo todo, para todos os usuários.

Print de aviso
YouTube avisa que o player será bloqueado (Imagem: Reprodução/@Droga_eoBraia95/X)

Aparentemente, funcionou. Poucos dias após a proibição geral, o AdGuard viu as desinstalações diárias saltarem de 6 mil para 52 mil. Já o Ghostery registrou uma alta de três a cinco vezes no fluxo de desinstalação e reinstalação, o que sugere que os usuários estavam tentando fazer a ferramenta funcionar de algum jeito.

Algumas pessoas estão recorrendo a outros navegadores para conseguir bloquear os anúncios do YouTube. Um deles é o Brave. A empresa comprou a briga e disse que vai continuar dando suporte a ferramentas deste tipo, por mais que o Google seja contra.

Com informações: The Verge

Receba mais sobre YouTube na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados