Início » Computador » Avell G1540 Lite: um notebook gamer muito fino

Avell G1540 Lite: um notebook gamer muito fino

Bateria não é o forte do G1540 Lite, mas notebook entrega bom acabamento e desempenho de ponta

Por
06/10/2017 às 16h51
8.3

Prós

  • Ótima qualidade de construção
  • Você pode embutir um SSD M.2 e até 32 GB de RAM
  • Leitor de impressões digitais vem a calhar
  • Tem entrada para tudo quanto é cabo

Contras

  • Bateria tem péssima autonomia
  • Modelo base não traz nem Windows

Já conhecida por fazer notebooks gamers com hardware parrudo, a Avell começou a investir em modelos que não são grossos e pesados. Pelo contrário: o G1540 Lite tem só 1,85 cm de espessura e pesa 1,9 kg, embora ainda carregue uma GTX 1060 por dentro.

Custando a partir de R$ 7.199 à vista, o notebook fica em uma faixa de preço entre os gamers “médios”, como o Samsung Odyssey e o Inspiron Gaming, e os mais caros, como a linha Alienware ou outros modelos da própria Avell com GTX 1070.

O que você ganha em relação aos mais baratos? Vale a pena gastar mais dinheiro no G1540 Lite? Segura que a gente responde.

Design e acabamento

A Avell acertou bastante no acabamento desse modelo. Não tem muito plástico na composição; a maior parte é um metal que não fica sujo tão fácil e dá um visual bem bacana. A tampa é bem bonita, com o logo da Avell e um LED branco e sutil que tem a forma de um chapéu.

O notebook também é confortável de carregar por aí. Com menos de 2 kg, não achei o G1540 Lite pesado e nem muito grande para colocar na mochila. A espessura de 1,85 cm não é um recorde, mas para o hardware que tem dentro eu achei uma ótima evolução. Eu nunca tinha visto um notebook gamer tão fino assim.

E não faltam portas para o G1540 Lite: são três USB 3.0, duas USB-C (!), duas Mini DisplayPort, uma HDMI, entradas para microfone e fones de ouvido, uma entrada de cartão SD e outra para cabo de rede. Mesmo com um notebook relativamente fino, a Avell mostrou que dá pra incluir várias entradas. Aprende, Apple!

O único ponto que incomodou foi ver o tanto de adesivo quando você abre o notebook: tem um da Nvidia, da Intel, outro da BlasterX, do HDMI e até um enorme da própria Avell, que é de bem mau gosto. Na minha opinião, esse tanto de adesivo estraga a beleza do notebook.

Tela e hardware

Com 15,6 polegadas, a tela tem resolução de 1920×1080 pixels. Para a faixa de preço do G1540 Lite, esperava uma resolução de pelo menos 2K. Mas aí lembrei que estamos no Brasil, e quase nenhum notebook fica nesse patamar, então considero a resolução normal para a nossa realidade. De qualquer forma, a tela é ótima, tem boa saturação de cores e seu acabamento fosco não atrapalha na hora de jogar em ambientes iluminados com luz natural.

O touchpad tem um material ótimo, e é equipado com um leitor de impressões digitais que vem muito bem a calhar. O espaço para você deslizar os seus dedos acaba ficando pequeno, pois há botões físicos para fazer o clique com o direito ou esquerdo, mas acabei me acostumando bem no final.

O teclado também tem ótimo acabamento, com retroiluminação colorida em três partes. Tenho apenas algumas ressalvas sobre os atalhos, assim como eu reclamei no review do Samsung Odyssey. É até legal variar o que as teclas Fn fazem, ainda mais em notebooks gamer. Mas ainda senti falta dos controles de multimídia e, no geral, a organização ficou bem confusa.

Por exemplo, demorei para descobrir o que cada um dos botões de retroiluminação faziam — os ícones também não ajudavam. Dica: os que estão em (+) e (-) controlam o brilho, o que está na tecla de asterisco (*) desliga ou liga a retroiluminação e o que está em (/) abre o menu para configurar as cores. (Demora um pouco para abrir, mas abre.)

Logo acima do teclado ficam os alto-falantes, perto do botão liga/desliga do notebook. É um bom posicionamento e o som é alto, mas a qualidade não é das melhores; o áudio é meio raso. Quebra o galho, mas poderia ser melhor para a faixa de preço deste modelo.

O G1540 Lite tem três coolers: um para o processador e dois para a placa de vídeo. Ainda assim, notei que ele esquenta bastante. Deixá-lo no colo é impossível, a não ser que você queira fazer um bronzeamento artificial ou simplesmente queimar a sua pele.

Desempenho

Chegou a parte mais importante. Com uma placa de vídeo GTX 1060, processador i7-7700HQ Kaby Lake e 16 GB de RAM, será que o G1540 Lite não te deixa na mão? Ele também tem um HD híbrido de 1 TB (com cache de 8 GB em memória flash). O modelo é um FireCuda, da Seagate, que diz carregar um jogo 140% mais rápido que um HD de 5.400 RPM e 50% mais rápido que um HD de 7.200 RPM.

O modelo que eu testei também veio com um SSD M.2 Crucial MX300 de 240 GB, que você pode trocar no lugar do SSHD sem custo (!). Não tive o que reclamar no desempenho cotidiano: todos os apps abriram rapidamente, o notebook inicia bem rápido e não engasgou em nenhum momento. Acho que o SSHD já agrada os menos exigentes, mas também dá para colocar um SSD adicional M.2 2280 por conta própria. E você também pode incluir mais RAM (até 32 GB).

Como falei no review do Samsung Odyssey, rodei o 3DMark no G1540 Lite para testar o desempenho gráfico. Ele pontuou 3.498 no benchmark gráfico e teve média de 22,8 fps no primeiro teste, enquanto o Odyssey fez 1.752 pontos e recebeu média de 10,5 fps.

É uma baita diferença que foi observada na prática. O notebook rodou muito bem os quatro jogos testos pelo Tecnoblog com resolução nativa (1080p), muitos em uma configuração ótima e gráficos no máximo. Olha o resultado:

  • Battlefield 1 — a configuração automática deixou no médio, mas consegui jogar no ultra sem nenhum problema. A média ficou por volta de 60 fps (às vezes até mais!) e explosões ou cenas mais pesadas não faziam muita diferença;
  • GTA V — com todas as opções de qualidade na configuração máxima (porém com anisotropic filtering desativado), a média do jogo ficou entre 40 e 50 fps. Com as configurações de fábrica, que jogou o AF para X16 e manteve a qualidade variando entre alta e muito alta, a média ficou em 60 fps. Em ambas as situações o jogo ficou estável a toda hora, sem quedas bruscas de frames por segundo;
  • Dishonored 2 — rodou no ultra com uma média de 60 fps muito bem, com quedas ocasionais;
  • Life is Strange — como é um jogo mais leve, o G1540 Lite rodou sem problemas a 60 fps na configuração máxima (até deu para colocar anti-aliasing máximo).

Considero o desempenho gráfico excelente: esse notebook deve rodar bem todos os jogos que você quiser, e provavelmente nas configurações máximas (ou perto disso).

Bateria

Enquanto o desempenho me agradou, a autonomia da bateria foi pior que minhas expectativas. Às 15h14, tirei o notebook da tomada, rodando Chrome com uma média de dez abas, Telegram, Newton, Slack, Spotify e outros apps menores — navegação comum, e o plano de energia estava em “Equilíbrio” e não em “Alto desempenho”. Resultado: às 17h08, eu já estava com 20% de bateria.

Em outro teste, cheguei nos 20% com média de pouco mais de duas horas de uso também. Bem que era de se imaginar: um notebook com hardware bom e fino não poderia ter uma bateria boa. E esse definitivamente é o caso do G1540 Lite.

Conclusão

Antes, é bom explicar o preço sugerido de R$ 7.999. Na verdade, o G1540 Lite custa R$ 8.398 ou R$ 7.558 à vista no modelo base se você quiser Windows 10… Isso mesmo: o preço que é oferecido no site da Avell vem sem sistema operacional. O Windows 10 Home custa R$ 399. Tudo bem que é uma tática para “abaixar” o preço, mas não faz sentido vender um notebook gamer sem Windows na versão mais barata.

Mas e aí, o G1540 vale esse preço? Pergunte a si mesmo: para meus jogos, uma GTX 1060 no lugar da GTX 1050 faz muita diferença? Nos meus testes, a diferença foi grande, mas eu não sou o tipo de gamer que precisa rodar todos os jogos no máximo.

Tudo bem, as alternativas ao G1540 Lite são mais baratas, mas não são tão finas. O G1544 Iron V4X, da própria Avell, não é muito diferente do G1540 Lite (só um pouco mais espesso) e custa R$ 6.958 à vista (já com Windows!). O Lenovo Legion Y720 sai por RS 6.999, também é um pouco mais grosso e tem a mesma GTX 1060.

Se você quiser um notebook fino, com bom acabamento e desempenho de ponta, mas não tem problema com a bateria ruim: sim, o G1540 Lite pode te servir.

Como comprar com desconto?

testador-cupons-checando

Você pode utilizar a nova extensão do Tecnoblog para economizar alguns caraminguás na hora de trocar de aparelho. Ela tem um módulo Testador de Cupons que busca e aplica o maior desconto disponível na internet no seu carrinho de compras. É tudo automático, então qualquer um consegue utilizar, e é completamente grátis!

ta-caro

Outro recurso muito legal é histórico de preços. Quando você acessar a página de um smartphone, por ex, a gente já consegue te dizer se ele está com um preço legal. Esse recurso te ajuda a não cair em nenhuma "promoção", dessas que oferecem tudo pela "metade do dobro". Tenho certeza que vai ser muito útil em datas especiais, como na Black Friday.

Curtiu? Então clique aqui para instalar. ;)

Especificações técnicas

  • Armazenamento: SSHD 1 TB com 8 GB de cache flash / SSD SATA M.2 240 GB;
  • Bateria: 4 células (55 Wh);
  • Conectividade: Placa Wi-Fi 802.11ac e Bluetooth v4.1;
  • Dimensões: 248,9 x 379,9 x 18,5 mm;
  • Memória RAM: 16 GB DDR4 (expansível até 32 GB);
  • Peso: 1,90 kg;
  • Placa de vídeo: Nvidia GTX 1060 com 6 GB de memória DDR5;
  • Processador: Intel Core quad-core i7-7700HQ de 7ª gen a 2,8 GHz (a 3,8 GHz);
  • Teclado: ABNT, padrão americano;
  • Tela: LED retroiluminada de 15,6 polegadas com antirreflexo;
  • Resolução: 1920×1080 pixels;
  • Sistema: Windows 10 Home Single Language (64-bits);
  • (» Mais informações)

Notas Individuais

Design
9
Tela
9
Teclado
9
Touchpad
9
Desempenho
9
Bateria
4
Software
9
  • Waldecir Faria

    Notebook lindão, vou ficar de olho para comprar ele na Black Friday de 2018 que deve estar com um preço mais simpático.

    • Jailson

      Provavelmente 6.999,00. rsssssssssssssss

  • Marcus Araújo

    Eu tiro todos os adesivos dos meus notebooks, inclusive os da Intel, AMD, Nvidia etc, então isso não seria um problema.

    O problema mesmo é essa bateria. Mas o conjunto geral me agradou, inclusive o design: menos LEDs desnecessários é bem mais elegante.

    Sobre o Windows, embora este seja “A” plataforma gamer, não acho ruim que não venha pré-instalado. Na verdade, como consumidor que sabe instalar o sistema operacional, prefiro até que não venha.

    O notebook parece bem interessante mesmo, principalmente por não ser 2-em-1, mas o preço é proibitivo.

    • Islan Oliveira

      De notebook gamer não dá pra esperar muita coisa. Eu sempre imagino que quem compra notebook game deve usar eles todo tempo na tomada.

      • Tom

        Sempre jogo na tomada, só uso na bateria para tarefas esporádicas.

      • Marcus Araújo

        Pois é, não sou gamer, então pra mim é difícil imaginar a utilidade de um notebook gamer. Não seria melhor investir num desktop?

        Antigamente sei que muitos iam para LAN houses jogar com os amigos, e naquela época um notebook para jogos pudesse fazer sentido para reunir os amigos, mas hoje em dia tudo é online e a banda larga se popularizou.

        • Islan Oliveira

          Bem, com um notebook desses você em teoria pode levar ele pra outros locais com muito mais facilidade do que um desktop. Se isso vale a pena ou não, fica a critério de cada um.

          • Marcus Araújo

            Sim, até aí ok. Mas gamers possuem essa necessidade? Gamers precisam, sei lá, jogar enquanto esperam o voo no aeroporto? Esse ponto da minha questão.

          • Islan Oliveira

            Cara, imagine que você mora em uma grande centro mas que vai passar seu final de semana em Sertãozinho do Mato Dentro, cidade onde seus pais moram. Mas justo naquele final de semana, você tinha marcado de jogar Overwatch com os brothers. Como você decidiu viajar em cima da hora, fica complicado separar o monitor do gabinete, tirar os cabos, empacotar tudo, despachar pra cidade de seus pais tudo isso a tempo de jogar com seus amigos. Mas ao invés disso você pode só levar seu notebook gamer. Bem mais fácil, não?
            Bem, esse foi só um exemplo hipotético que pensei. Se é válido ou não, só um gamer poderia dizer.

          • Marcus Araújo

            Realmente, eu não enxergaria por esse ângulo, pois para mim jogo é algo que faço em tempo livre, não conto como uma obrigação a ponto de me obrigar a levar um equipamento numa viajem para jogar (se fosse pra jogar, eu nem viajaria ahahaha). Eu simplesmente viajaria, aproveitaria a viajem e paciência se alguém ficasse chateado, a vida é mais que isso.

          • doorspaulo

            Quando viajava bastante, tinha um Qosmio com uma GTX 560, e era pura alegria.

            Depois que parei de viajar tanto, vendi o note e montei um desktop.
            Simples assim.

        • Anderson Roberto

          eu não sou tão gamer e jogo no meu horário de almoço, tenho um Avell T6165 (2012) e uso para trabalho e jogos, além da faculdade, ou seja, levo ele para lá e para cá (e não é leve), com um cara levinho como esse, eu continuaria fazendo as mesmas coisas, só que com menos peso nas costas, mas o preço ainda está alto.

    • Tom

      Eu adorei, o único problema é o preço mesmo mas atualmente estou bem com meu Inspiron gaming 7559.

  • Arley Martins

    Note de respeito, mais o preço não cabe no bolso da esmagadora maioria brasileira. Prefiro comprar uma moto pro dia dia com essa grana.

  • Molinex

    8 conto é fora de margem pra mim. Também não sou gamer, então, um workstation tipo o titanium, com as specs no good, já seria a maquina ideal…
    Vir sem o windows deve atrapalhar o gamer, mas pra mim é R$ 400 a menos no preço. O que já ajuda, porque mesmo o titanium sendo a linha mais básica, ainda tá salgado…

  • Alisson Silva

    De Avell mesmo somente a logomarca. Nem mesmo o projeto é deles. Vem tudo prontinho da China. É uma Multilaser gourmet.

    • John Smith

      É óbvio. Acredito que nunca foi segredo para ninguém (pelo menos alguém minimamente informado) que a Avell não produz os componentes de seus notebooks, apenas os monta com base em componentes importados (incluindo carcaça) e dá garantia nacional.

      Entretanto, penso que é uma comparação muito injusta e simplória chamá-la de “Multilaser gourmet”.

      Acho uma boa empresa. Como cliente fui bem atendido quando precisei, mas frente ao mercado de hoje não vejo mais atratividade em seus produtos.

      • DumbSloth87

        Uma comparação mais acertada seria com a Quantum, que faz uns smartphones chineses, porém decentes.

  • John Smith

    Para mim a Avell perdeu a competitividade há muito tempo, infelizmente.

  • Fiquei apaixonado pela quantidade de portas USB e saídas de vídeo desse Notebook. Mas SETE MIL REAIS? Aí fica difícil justificar a compra…

    Pra gastar isso, preferia comprar o Lenovo citado no post.

  • Queria algo com processador HQ mas que não fosse um trambolho, acabei encontrando esse Avell, mas fiquei preocupado com o suporte (uso notebooks por uns 4 anos geralmente) e a bateria tinha tudo para ser sofrível.

    Aí peguei um MacBook com meu amigo que foi lá fora, mas isso mostra como está complicado um notebook fora do básico no Brasil….pouquíssimas opções e com preços estratoféricos.

  • Joaomanoel

    Ainda prefiro desktop para jogos e smartphone para mobilidade…

  • Jhon

    Felizmente jogo só no videogame mesmo. Não preciso gastar tanto num notebook gamer e muito menos carregar um trambolho desse pra faculdade.

  • Marcos

    Discordo sobre o Windows, não leva meia hora para instalar o mesmo e muita gente tem licença acadêmica, que pode usar sem custo.

  • Theo Queiroz

    O lasca é que a Avell é uma empresa brasileira, mas vende esse mesmo modelo nos EUA por R$ 4.600. Se pegar uma promoção boa de passagem, dá pra ir lá comprar o notebook e ainda ganhar a viagem…

  • Jailson

    Gostaria de um notebook gamer, mas 7k é muita coisa.