Início » Inteligência Artificial Mobile » Uber quer patentear inteligência artificial que detecta se você está bêbado

Uber quer patentear inteligência artificial que detecta se você está bêbado

Por
18 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Em breve, o Uber poderá usar inteligência artificial para identificar se um passageiro está bêbado. A empresa registrou um pedido de patente de uma tecnologia capaz de usar seu smartphone para fazer essa identificação.

O sistema analisaria como o aparelho é usado no dia a dia e utilizaria alguns fatores para saber se o comportamento está ou não dentro do seu normal. Entre as informações que seriam analisadas, estão a forma como você interage com a tela, o ângulo do celular e sua forma de andar, além do horário e local em que a corrida é iniciada.

Foto por Fernando Oda/Núcleo Editorial/Flickr

Assim, se você estiver de madrugada em uma região com muitos bares e levar muito tempo para acabar o pedido de uma corrida, o Uber poderá identificar que você não está sóbrio. A empresa afirma que o recurso serviria para oferecer um serviço mais adequado.

Antes de aceitar a corrida, o motorista ficaria sabendo do seu estado e poderia se preparar melhor para a situação. Em casos mais graves, a plataforma poderia direcionar o passageiro para motoristas com experiência ou treinamento. O app também bloquearia o UberPOOL para não incomodar outros passageiros.

Apesar das vantagens, o sistema poderia trazer mudanças negativas. O preço da corrida poderia ficar mais caro para os passageiros que estão bêbados, e os motoristas poderiam se recusar a realizar algumas corridas.

Há questões ainda mais sérias: apenas nos últimos quatro anos, 103 motoristas do Uber nos Estados Unidos foram acusados de abusar sexualmente de passageiros. O levantamento é da CNN e aponta muitas vítimas estavam embriagadas antes de entrarem nos carros.

Apesar das preocupações, ainda não é certo que a novidade será liberada de fato. É sempre bom lembrar que muitas empresas registram patentes, mas nunca chegam a usá-las.

Com informações: CNN, The VergeEndadget.

Mais sobre: