Início » Negócios » Google vai sugerir busca e navegadores alternativos para Android na Europa

Google vai sugerir busca e navegadores alternativos para Android na Europa

Após multa da União Europeia, Google deixará que usuário escolha qual buscador e navegador usar no Android

Por
26 semanas atrás

O Google acaba de levar uma multa de € 1,5 bilhão da Comissão Europeia por práticas anticompetitivas e, em resposta a isso, disse que adotará várias medidas para estimular a concorrência. Aqui vai uma delas: em breve, usuários na União Europeia poderão escolher com mais facilidade navegadores e mecanismos de buscas alternativos em dispositivos com Android.

Embora a decisão tenha sido revelada quase que simultaneamente ao anúncio da multa de € 1,5 bilhão, a mudança tem relação com uma punição que o Google sofreu em julho de 2018. Na ocasião, a companhia foi multada em € 4,3 bilhões por, de acordo com a Comissão Europeia, ter forçado fabricantes a incluir a sua busca e o Chrome nos celulares com Android em troca de licenças da Play Store.

Google / estátua do Android 9 Pie no Googleplex / onde fica a sede do google

Agora vai ser assim: o buscador do Google e o Chrome continuarão sendo distribuídos em smartphones e tablets com Android comercializados nos países que formam a União Europeia, mas o sistema operacional perguntará se o usuário deseja utilizar um navegador concorrente, como o Firefox e o Opera, ou um mecanismo de busca alternativo, como o Bing.

O Google não informou como e em quais circunstâncias essa pergunta será feita. A companhia disse apenas que a mudança será implementada no decorrer dos próximos meses e valerá tanto para aparelhos novos quanto para os já em uso.

Kent Walker, vice-presidente sênior de Assuntos Globais do Google, disse que os usuários sempre puderam instalar qualquer navegador ou mecanismo de busca nos smartphones, mas que a mudança vem “para garantir que os donos de celulares Android conheçam a ampla variedade de navegadores e mecanismos de pesquisa disponíveis para download”.

Trata-se de uma decisão parecida com a que a Microsoft teve que tomar há dez anos: após uma multa da Comissão Europeia por práticas abusivas relacionadas ao Internet Explorer, a companhia passou a exibir no Windows 7 uma tela permitindo ao usuário escolher o navegador de sua preferência.