Início » Telecomunicações » Leilão de frequências do 5G pode ser adiado para final de 2020

Leilão de frequências do 5G pode ser adiado para final de 2020

Alterações de conselheiro da Anatel mudam completamente o leilão de 5G, o que pode desestimular investidores

Lucas Braga Por

O leilão de frequências de 5G estava previsto para acontecer no mês de março de 2020. Então, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) avaliou que haveria um atraso, empurrando o prazo para o segundo semestre por conta de interferências com TV aberta via satélite. Agora, alterações de um conselheiro da Anatel devem postergar a licitação para o final do ano que vem.

De acordo com o TeleSíntese, o conselheiro Vicente Aquino propôs uma série de alterações no edital do leilão, entre elas:

  • algumas frequências não seriam vendidas em um bloco nacional, e sim em 14 regiões diferentes;
  • os espectros das faixas de 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz seriam divididos em lotes de 10 MHz, e teriam que ser compradas pelas empresas interessadas em disputa de múltiplas rodadas ou em leilões combinatórios (CCA);
  • redução pela metade do espectro à venda na frequência de 26 GHz;
  • operadoras que arrematarem frequências terão que cumprir compromissos de cobertura, incluindo atendimento com 4G ou 5G em municípios com menos de 30 mil habitantes, rodovias e localidades que não contam hoje com serviço celular.

As mudanças alteram integralmente a proposta do leilão de 5G, dificultando todo o processo de arremate. Um grande exemplo é a fragmentação de blocos nas frequências de 2,3 GHz em diante: já contando com a redução, a faixa de 26 GHz teria 1.600 MHz de espectro que seriam divididos em 160 blocos de 10 MHz.

Anatel fará consulta pública antes da licitação do 5G

Com profundas alterações, o conselheiro Emmanoel Campelo pediu vistas do processo para fazer diligências. Depois de passar por consulta pública, o texto do edital de licitação será submetido para análise técnica da Anatel, além de um parecer da Procuradoria Federal Especializada.

O TeleSíntese prevê que, caso a consulta pública seja aberta em dezembro e concluída até o final de fevereiro, o texto do edital poderá ficar até seis meses sob avaliação do Tribunal de Contas da União, além de nova análise da área técnica e parecer da procuradoria federal.

Com mudanças tão profundas, o leilão pode desestimular os investidores, que já não estão muito animados com o 5G: a Claro não deve ampliar investimentos para a nova tecnologia na América Latina, enquanto Vivo e Oi não têm pressa. No exterior, as operadoras estão enfrentando uma série de dificuldades com a tecnologia, principalmente em relação à cobertura com frequências milimétricas (mmWave).

Um estudo recente da fornecedora de rede Ericsson aponta que o governo deixará de arrecadar R$ 25 bilhões em impostos caso o leilão se atrase para 2021.

Com informações: TeleSíntese.

Mais sobre: ,