Início » Telecomunicações » Leilão de frequências do 5G pode ser adiado para final de 2020

Leilão de frequências do 5G pode ser adiado para final de 2020

Alterações de conselheiro da Anatel mudam completamente o leilão de 5G, o que pode desestimular investidores

Lucas Braga Por

O leilão de frequências de 5G estava previsto para acontecer no mês de março de 2020. Então, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) avaliou que haveria um atraso, empurrando o prazo para o segundo semestre por conta de interferências com TV aberta via satélite. Agora, alterações de um conselheiro da Anatel devem postergar a licitação para o final do ano que vem.

De acordo com o TeleSíntese, o conselheiro Vicente Aquino propôs uma série de alterações no edital do leilão, entre elas:

  • algumas frequências não seriam vendidas em um bloco nacional, e sim em 14 regiões diferentes;
  • os espectros das faixas de 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz seriam divididos em lotes de 10 MHz, e teriam que ser compradas pelas empresas interessadas em disputa de múltiplas rodadas ou em leilões combinatórios (CCA);
  • redução pela metade do espectro à venda na frequência de 26 GHz;
  • operadoras que arrematarem frequências terão que cumprir compromissos de cobertura, incluindo atendimento com 4G ou 5G em municípios com menos de 30 mil habitantes, rodovias e localidades que não contam hoje com serviço celular.

As mudanças alteram integralmente a proposta do leilão de 5G, dificultando todo o processo de arremate. Um grande exemplo é a fragmentação de blocos nas frequências de 2,3 GHz em diante: já contando com a redução, a faixa de 26 GHz teria 1.600 MHz de espectro que seriam divididos em 160 blocos de 10 MHz.

Anatel fará consulta pública antes da licitação do 5G

Com profundas alterações, o conselheiro Emmanoel Campelo pediu vistas do processo para fazer diligências. Depois de passar por consulta pública, o texto do edital de licitação será submetido para análise técnica da Anatel, além de um parecer da Procuradoria Federal Especializada.

O TeleSíntese prevê que, caso a consulta pública seja aberta em dezembro e concluída até o final de fevereiro, o texto do edital poderá ficar até seis meses sob avaliação do Tribunal de Contas da União, além de nova análise da área técnica e parecer da procuradoria federal.

Com mudanças tão profundas, o leilão pode desestimular os investidores, que já não estão muito animados com o 5G: a Claro não deve ampliar investimentos para a nova tecnologia na América Latina, enquanto Vivo e Oi não têm pressa. No exterior, as operadoras estão enfrentando uma série de dificuldades com a tecnologia, principalmente em relação à cobertura com frequências milimétricas (mmWave).

Um estudo recente da fornecedora de rede Ericsson aponta que o governo deixará de arrecadar R$ 25 bilhões em impostos caso o leilão se atrase para 2021.

Com informações: TeleSíntese.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Keaton

A Globo nem é gente... o pessoal de lá tem tanta grana que nem sabe mais onde enfiar. hahaha

Mas falando sério, 8K e 16K não será realidade para maioria dos brasileiros até metade da próxima decada...

johndoe1981

Brincadeira essa Anacartel, a única preocupação do cabide de empregos é de arrecadar mais com o leilão.

johndoe1981

Acho que é isso mesmo, já li várias críticas sobre o alto valor das concessões, que acabam desestimulando as operadoras e a atrasando a implantação de uma nova tecnologia.

johndoe1981

Eu nem queria Ultra HD não, Full HD com varredura progressiva em vez de entrelaçada já estaria ótimo.

Jefferson Rodrigues

Ouvi comentários que, a cada poste de luz, será necessário uma antena 5G de tão curto que é o alcance do sinal e que basta um dedo tampando o lado onde fica a antena receptora, no smartphone, para fazer o sinal cair.
Se for verdade esse negócio de cada antena em cada poste de luz, essa tecnologia será bem cara para as operadoras e para nós.

Jefferson Rodrigues

Você vai ficar mais 5 anos sem trocar. Quando o 5G estiver disponível pra pessoa física, no Brasil, o mundo já vai estar usando 6G.

ochateador

Leilão em 2021. Cobertura "minimamente decente" em locais selecionados em 2022. Cobertura "ruim para pior" no resto do país em 2026 e olhe lá.

ochateador

Não se esqueça que também está sendo realizada a migração do codec H264 para H265.
Em teoria, o H265 pode transportar a mesma informação e ocupar menos espaço. Mas o H265 é recente (tem 2~3 anos) e até ele começar a ser usado para gravar, encodar, transmitir, decodificar em "todos equipamentos", ainda vai levar uns bons anos (5 ou mais).

Basta ver, por exemplo, a Globo e seus três novos estúdios inaugurados em 2019. O conteúdo gerado lá será em 4K e muito provavelmente usando o codec H264. Daqui uns anos talvez mudem alguns equipamentos para continuar gerando o conteúdo em 4K mas com codec H265.
Outras emissoras do Brasil então... estão saindo da geração de conteúdo SD (480p) e migrando para a geração de conteúdo em HD (720p) e bem poucas estão migrando para o fullHD (1080p). E essa migração só está ocorrendo por causa do fim do sinal analógico, senão nem iriam realizar a migração.

Keaton

Também sou leigo no assunto, mas acredito que o problema maior seria a banda requerida. (e o upgrade em todo equipamento de processamento e filmagem)

- UHDTV-1 (4K) tem a resolução de 3840 × 2160 pixels (~8.3MP);

- UHDTV-2 (8K) 7680 x 4320 pixels (~33.2MP )

- UHDTV-3 (16K) 15360 x 8640 pixels. (~132,7MP)

Ou seja, o 16K tem 16x mais pixels que o 4K além de outras "pequenas" melhorias.

Outro problema é que boa parte do povo brasileiro (isso se não a grande maioria) não tem como comprar TVs 4K, imagina as 8K/16K... E se não tem publico suficiente para implementar 8K/16K, as emissoras vão adiando a implementação, lá quando a tecnologia barateiar ainda mais. (Ps.: O menor monitor/TV 16K que eu achei foi um de 100", com um preço que já é proibitivo até mesmo na terra do Tio Sam)

Diego

Tamabém tive a impressão que é mais só pra aumentar o poder de controle da Anatel, como o devido aumento da burocracia.

Rodrigo Sena

Como disse em outro comentário, sou um leigo... Mas meter um 4k ou 8k no nosso padrão de TV é algo tão difícil não é só mudar codec para transmissão e recepção?

DeadPull

Parece que ficarei pelo menos mais um ano sem precisar trocar meu S7 por um celular novo.

André Kittler

Concordo que é ridículo, mas com ressalvas... meu, 5G tem coberturinha de nada. Na forma que ele é eu, que moro em Porto Alegre (ou seja, capital), devo ficar sem 5G devido a não estar em uma parte mais populosa da cidade.
Imagina quem mora em cidades menores. 5G é para ser tal-tal, é para ser uma solução real.... se deixar pelas operadoras sem regulamentar aposto que poucos blocos de pessoas terão acesso.

Alisson Santos

No caso do 4K ou 8K terrestre, talvez nunca venha a ser implementado no Brasil. Muito provavelmente o streaming estará bem mais difundido, dando acesso a estas resoluções bem antes das emissoras, tornando o investimento pouco atraente por parte delas. Poderiam até usar como chamariz para os serviços de streaming, deixando o sinal aberto propositalmente em full HD e oferecendo a mesma programação em 4K para quem assinar o streaming.

Alisson Santos

Tem deputado aliviado em Santa Catarina porque vai ficar mais um ano e pouco sem câncer no cérebro.

Exibir mais comentários