Início » Celular » Google Pixel 5 deve abandonar Motion Sense para gestos

Google Pixel 5 deve abandonar Motion Sense para gestos

Google não deve incluir sensores para controles de gestos no Google Pixel 5 e Google Pixel 5 XL em 2020

Bruno Gall De Blasi Por

O Google Pixel 5 e o Google Pixel 5 XL não devem contar com o Motion Sense. Ao que tudo indica, o próximo celular da Google não trará os sensores para controle de gestos e movimentos introduzidos pelo Google Pixel 4, em 2019. Ainda não há data de lançamento marcada para o smartphone.

Sucessor de Google Pixel 4 XL (foto) deve abandonar Motion Sense para gestos (Foto: Daniel Romero/Unsplash)

O controle por gestos é uma das principais novidades do Google Pixel 4 e Google Pixel 4 XL. Os smartphones contam com sensores na porção frontal para detectar movimentos e acionar comandos no celular, como pausar uma música, por exemplo, ou até mesmo agilizar o uso do sistema de reconhecimento facial.

Apesar de tamanha engenhosidade, o Motion Sense pode ficar de fora no próximo celular da companhia. De acordo com fontes ouvidas por Stephen Hall, do 9to5Google, o Google pretende não incluir os sensores do Projeto Soli no Google Pixel 5.

Conforme observa o The Next Web, a decisão pode estar relacionada a questões regulatórias, já que o uso da tecnologia não é permitido em todos os países devido às frequências utilizadas pelos componentes, como a Índia. Os custos de produção também podem estar relacionados ao abandono dos sensores.

Hall ainda deu pistas sobre o Google Pixel 4a em sua conta do Twitter. De acordo com o editor do 9to5Mac, o smartphone com armazenamento de 128 GB custará US$ 349 (cerca de R$ 1.990 em conversão direta).

O Google Pixel 4 e o Google Pixel 4 XL não estão à venda no Brasil.

Com informações: The Next Web e Stephen Hall (Twitter)

Comentários da Comunidade

8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@ksio89

Que pena, esses sensores parecem muito interessantes, sempre desejei algo assim no meu aparelho, vou dar dois exemplos:

Um dia estava cozinhando seguindo uma receita no YouTube, e queria muito poder avançar ou voltar o vídeo pra rever um passo, sem ter que encostar os dedos na tela, evitando contaminá-los ou sujar a tela com comida. Outra vez estava fazendo um serviço no meu carro seguindo um tutorial no smartphone, e com as mãos sujas de poeira e de graxa, eu não queria encostar na tela pra rolar a página.

Nos dois casos, um recurso de controle de gestos quebraria um grande galho.

Vítor Gomes

É algo de fato aguardado.

O Galaxy S4 tentou trazer gestos aos smartphones e falhou miseravelmente. O Moto X 2nd trouxe vários sensores IR para a Moto Tela, mas, talvez por custo e pelo fato de ser possível contornar, foi abandonado. A LG tbm tentou embarcar nesse mundo de gestos e, novamente, ignorado.

Todas essas são funções de gestos são interessantes, mas que não tem utilidade de fato útil (a não ser os IRs da Moto Tela). Aumentar o preço do telefone e abandonar um design 2020 para adicionar sensores que não tem tanto apelo não me parece ser realmente uma ideia incrível e digna de ser levada adiante.

Daniel Correia

Com Soli ou sem Soli, não sou exigente, só queria eles à venda na Google Store BR.

@ksio89

Vindo da Motorola que entre uma geração e outra capa recursos muito mais úteis como giroscópio, bússola, NFC e WiFi 5GHz, remover sensores de gesto não me espanta nem um pouco.

Schio ☭

Incrível como a Google se esforça pra ser inconsistente

Breno

Essa é a palavra, inconsistente.

Sou muito fã da Google e seus serviços, mas ela é muito sem foco. Falta harmônia entre seus produtos e consistência nas atualizações.

É impressionante, ela fez o melhor smartphone da história na minha visão, o Moto X (1o geração). E não conseguiu acertar com nenhum Nexus e Pixel de forma implacável como fez no Moto X.

Schio ☭

Fora os apps que funcionam melhor no iOS do que no próprio Android (como o Fotos) e a falta de uso de APIs do próprio Android (como a ausência de suporte a apps instantâneos).

Participe da discussão