Início » Celular » Philco Hit Plus PCS02P: simplicidade, mas no bom sentido

Philco Hit Plus PCS02P: simplicidade, mas no bom sentido

Com design compacto, câmera dupla e Android 10, Philco Hit Plus PCS02P é uma boa opção para quem procura o básico

Darlan Helder Por
Nota Final 7.9

Sem muito alarde, a Philco (re)estreou no segmento de smartphones em maio de 2020 com uma proposta inteligente e preço competitivo. O primeiro celular lançado foi o HIT PCS01, meses depois, mais especificamente em junho do mesmo ano, a companhia oficializou o Philco Hit Plus, ou PCS02P, uma segunda versão do primeiro Hit, mas com upgrades.

Com preço sugerido de R$ 999,90, o dispositivo apresenta ficha técnica generosa: tela de 6 polegadas, Android 10, 64 GB de memória interna e bateria de 4.000 mAh. O Tecnoblog recebeu o Hit Plus para teste e eu vou compartilhar todos os detalhes do aparelho neste review.

Análise do Philco Hit Plus em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. O Hit Plus PCS02P foi fornecido pela Philco por empréstimo. O produto foi devolvido à empresa após os testes.

Design e primeiras impressões

As primeiras impressões já foram positivas. A caixa do PCS02P vem recheada: a empresa envia folhetos com informações do aparelho, chavezinha para remover a gaveta do chip e cartão de memória, uma película de plástico, capinha de proteção transparente, fonte de alimentação, fone de ouvido e o cabo. Pois é, a Philco humilhou as marcas que “estudam” remover acessórios da caixa nos próximos lançamentos.

Display do Philco Hit Plus

Mesmo com uma tela grande, o Hit Plus pode ser um celular interessante para quem deseja fugir da invasão de smartphones grandes. Ele consegue ser compacto mesmo sendo pesadinho e, graças ao acabamento simples, o dispositivo não chama tanta atenção.

Claro, o material em plástico, que está na parte traseira e nas laterais, é pobre, mas não chega a ser horrível. Sua construção nada sofisticada e a textura na traseira me lembraram o Moto G8 Power Lite, inclusive.

Parte traseira do Philco Hit Plus

Atrás, o modelo possui duas lentes com um flash e um sensor de impressões digitais, localizado numa posição que favorece o desbloqueio rápido. Tanto o leitor quanto o recurso de reconhecimento facial (que também está presente no aparelho) funcionam bem e não houve falhas durante o período de avaliação.

Na frente, nada de botões físicos, contribuindo para o aproveitamento frontal da tela. A lateral direita traz o botão de volume e o de liga/desliga, enquanto a gaveta para cartão de memória e chip está na lateral esquerda do smartphone. E já que toquei nesse assunto, usar dois chips é inviável, só há espaço para um nano-SIM e um microSD. Custava nada ter mais um slot, não é?

O conector P2 para o fone de ouvido foi introduzido na área superior do dispositivo. Embaixo, a Philco optou por uma entrada Micro USB em vez de USB-C, é aqui que a empresa decepcionou, afinal muitas marcas já aboliram o Micro USB.

Tela e som

Em relação ao primeiro Hit, tivemos um avanço. O PCS02P tem 6 polegadas, contra 5,45 polegadas da primeira versão. Consequentemente, a área frontal possui menos bordas? Não. Elas estão no aparelho e bem ressaltadas, com um queixo proeminente.

Para acompanhar a tendência, a Philco optou pelo notch em forma de gota para a câmera frontal; o entalhe lembra o Infinity-U da Samsung, mas o recorte da sul-coreana é mais discreto.

A tela IPS LCD tem resolução HD+ 1560 x 720 pixels. Ela não é tão brilhante, mesmo com a luminosidade no nível máximo. Se você é um consumidor um pouco mais exigente, muito provavelmente, as bordas podem te incomodar ao assistir Netflix, mesmo em tela cheia. Quando testei Asphalt 8: Airborne, confesso que o queixo me atrapalhou, prejudicando a imersão.

Tela do Philco Hit Plus

No mais, a experiência em leituras na internet e redes sociais é ok, considerando a configuração de tela do gadget.

Embora pareça que o Philco Hit Plus tenha duas saídas de áudio na parte inferior, não se engane, um é alto-falante e o outro microfone. Durante a avaliação, notei que o som não é alto; também não há grandes alterações quando você deixa o volume no máximo. A Philco até envia um fone de ouvido de avião na caixa, que é muito frágil e a qualidade do áudio é decepcionante. Eu estranhei, ainda, o conector na parte superior. Não curti.

Saídas inferiores do Philco Hit Plus

Software

Enquanto o Hit PCS01 foi lançado com Android 9 Pie, o Hit Plus já chega rodando Android 10, mas quase que Android puro para alegria de alguns ou tristeza de outros. De início estranhei a interface com aplicativos quadrados e espaçamento entre eles bem gritante. Pode parecer bizarro nos primeiros dias, mas consegui acostumar depois.

Simplicidade também está na barra de notificações, que permanece com os ícones quadrados e sem excesso de informações. E os jogos, redes sociais e aplicativos pré-instalados? Nada disso vem de fábrica.

Interface do Philco Hit Plus

Ok, mas o que vem? O básico mesmo: aplicativos do Google, relógio, rádio FM e os apps necessários: ligação, mensagens, gravador de som, contato e calculadora. Por ter Android 10, o tão aclamado modo escuro (dark mode) está no Philco Hit Plus, também.

A minha crítica negativa vai para as informações superiores (de hora, Wi-Fi e bateria), que parecem estar desalinhadas e estão quase conflitando com as bordas da tela. Talvez uma atualização de software possa “corrigir” essa imperfeição.

Além disso, senti falta de opções para personalizar a interface.

Câmera

Câmera dupla do Philco Hit Plus

O Philco Hit Plus está equipado com duas câmeras na parte traseira, porém você só vai usar uma, que tem 12 megapixels e abertura de f/2,0, enquanto a secundária (12 MP) está ali só para a detecção de profundidade. São outros avanços importantes em comparação com o primeiro Hit, que recebeu câmeras de 13 e 2 megapixels. E agora? Como o Plus se saiu no teste de fotografia?

A câmera principal (traseira) não é perfeita; entrega imagens com saturação elevada, portanto, mais vivas, mas com equilíbrio para não deixar a foto igual a uma pintura. Alguns “fantasmas” podem ser perceptíveis em paisagens de céu azul. Mesmo em dias nublados, você consegue ter boas fotos. Considerando a configuração do sistema fotográfico e reconhecendo as suas limitações, é possível aceitar o que ele entrega.

Foto de melões tirada com o Philco Hit Plus

Fotos de pimentões tirada com o Philco Hit Plus

Foto de um estácionamento tirada com o Philco Hit Plus

Foto de paisagem com o Philco Hit Plus

Foto de paisagem com uma flor no centro

A segunda lente, de profundidade, não apresenta muitas diferenças da câmera principal, mas o foco é, por incrível que pareça, o problema. Em ambientes bem iluminados, ele não fixava direito, tive que ajustar várias vezes e mesmo assim falhava, em outras palavras, você precisa de paciência para conseguir fotografar com a segunda lente.

É claro que tudo isso é um detalhe irrelevante para alguns consumidores, que não querem um smartphone para produzir fotos impressionantes.

Foto de um boneco tirada com o Philco Hit Plus

Sensor de profundidade

Em ambientes escuros, como esperado, o conjunto fotográfico não entregará belas imagens, tampouco o processador vai conseguir fazer milagre. A definição fica bem ruim e os ruídos prevalecem.

Foto de uma rua

A câmera frontal tem 8 megapixels de resolução e abertura de f/2,0. O resultado com ela pode ser interesse ao ar livre ou perto de janelas. Faltou um toque de equilíbrio na exposição e, infelizmente, as cores não são tão valorizadas.

Selfie com o Philco Hit Plus

Em usabilidade, no app de câmera, ao deslizar a tela para a esquerda, é possível abrir as configurações; deslizando para a direita, você encontrará o modo de câmera, com filtros, modo noite e outros recursos.

Achei muito estranho a Philco esconder essas informações, tanto que, durante as primeiras impressões, eu cheguei a pensar que o aparelho nem tinha o modo de fotografia noturna. Faltou um atalho para ajudar o usuário.

Hardware e bateria

O Philco Hit Plus tem uma performance bem interessante, com desempenho melhor que o intermediário LG K41S, por exemplo, que perde fôlego em tarefas básicas. Para o processador, a empresa optou por outro caminho.

Enquanto muitas marcas trabalham com chipsets da MediaTek para smartphones mais acessíveis, para o Hit Plus, a Philco escolheu o SC9863A, da chinesa Unisoc. Trata-se de um processador octa-core de até 1,6 GHz. Vale lembrar que a Multilaser também trabalha com o SC9863A.

Ok, agora falando de desempenho em si, como já adiantei, o aparelho da Philco atuou bem durante o período de testes sem apresentar gargalos e travamentos inesperados. Claro que o comportamento não é brilhante, mas consegue atender as necessidades para quem busca o simples. E é claro que os 4 GB de RAM também ajudam para esse bom desempenho.

Com GPU PowerVR Rogue GE8322, consegui jogar Asphalt 8: Airborne sem engasgos com os gráficos no médio.

Asphalt 8 no Philco Hit Plus

Com relação ao armazenamento interno, este modelo entrega 64 GB, mas você pode expandir para até 128 GB com um cartão microSD.

Felizmente, a Philco percebeu que o consumidor está cada vez mais exigente quando o assunto é bateria, por isso, a capacidade aqui é de 4.000 mAh. Para ter uma noção da autonomia, usei o YouTube por 1 hora e a porcentagem foi de 100% para 89%; depois, esse número caiu consideravelmente para 51% após 3 horas na Netflix; 15 minutos de Asphalt 8 e sobraram 46%. Encerrei com 40 minutos de Spotify e 41% restantes.

Importante frisar que durante a avaliação deixei o brilho no máximo e o aparelho estava o tempo todo conectado ao Wi-Fi. Não é lá o melhor resultado, mas, ao menos, será possível ter bateria para o dia inteiro.

Para a alimentação, o Philco Hit Plus precisou de 2 horas e 28 minutos para marcar 100%, um resultado que considero mediano. Para sair de 0% e chegar aos 50%, o aparelho levou 55 minutos, e mais 36 minutos para 80%. Ele vem com uma fonte de 10 watts, mas o que mais me chamou a atenção foi o formato do acessório, que parece de celulares antigos. Achei curioso a Philco trabalhar com esse tipo de carregador.

Fonte de alimentação do Philco Hit Plus

Philco Hit Plus vale a pena?

O Philco Hit Plus é um verdadeiro celular de entrada. Não é à toa que simplicidade é a palavra que resume bem o aparelho, mas, ao mesmo tempo, também não significa que ele seja ruim. Afinal, o modelo vai agradar aquele consumidor que procura o básico tanto em design quanto em usabilidade.

Além disso, o smartphone é uma boa opção para quem não abre mão de jogos (já que roda até que bem), mas não quer pagar mais de R$ 1.000 ou mais num celular.

Philco Hit Plus com a caixa

No entanto, existem algumas ressalvas. Entrada Micro USB no lugar de UBS-C é bem frustrante, tirar foto com o sensor de profundidade pode ser irritante e, por fim, bem que poderia ter mais opções de personalização da interface. São melhorias que serão bem-vindas em próximos lançamentos da marca.

O Hit Plus foi lançado com preço sugerido de R$ 999,90. Ao lado dele, a marca também oficializou o Hit Max, que, como diferencial, entrega mais memória interna (128 GB) e outras opções de cores. Apenas esses upgrades e você vai ter que desembolsar R$ 1.499,90.

Bom, de volta ao Hit Plus, eu classifico os R$ 999,90 como um valor justo, mas antes de adquiri-lo, recomendo a averiguar o que a concorrência tem a oferecer. Um dos concorrentes diretos do PCS02P é o Nokia 2.3, mas talvez seja melhor fugir dessa opção. Outros aparelhos interessantes são: Moto G8 Play, LG K50S e o Multilaser G Pro.

Philco Hit Plus – ficha técnica

  • Tela: 6 polegadas, HD+ (1560 x 720 pixels), painel LCD e notch em formato de gota
  • Processador: Unisoc SC9863A octa-core de até 1,6 GHz
  • RAM: 4 GB
  • Armazenamento interno: 64 GB + microSD de até 128 GB
  • Câmeras traseiras:
    • Principal: 12 megapixels (f/2,0)
    • Sensor de profundidade: 12 megapixels
  • Câmera frontal: 8 megapixels (f/2,0)
  • Bateria: 4.000 mAh
  • Cores: preto
  • Outros: leitor de impressões digitais na traseira, reconhecimento facial, entrada para fone de ouvido, Bluetooth 4.2.

Philco Hit Plus PCS02P

Prós

  • Bom preço
  • Design compacto é legal para quem deseja evitar aparelhos grandes
  • Tem leitor de impressões digitais e desbloqueio por reconhecimento facial
  • Desempenho é generoso

Contras

  • USB-C faz falta
  • Fone de ouvido enviado é frágil e horrível
  • Software poderia ser mais completinho
  • Sensor de profundidade pode irritar
Nota Final 7.9
Tela
8
Design
8
Câmera
7
Bateria
9
Software
8
Desempenho
8
Conectividade
7

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Eu (@Keaton)

Nossa, celular de entrada com problema de focagem é fácil de encontrar, mas com problema de focagem no CLARO? Ai é dose… Ainda mais levando em conta o preço sugerido de 1000 reais.

Unisoc SC9863A octa-core de até 1,6 GHz

Desempenho é generoso

Não diria que o desempenho é generoso, mas ao menos dele parece decente. (Ok, mas não para uma coisa que está nessa faixa de preço… sim, eu sei… dolar. Pelo jeito, depois da pandemia, vamos entubar o dólar a 6 reais…)

Uma coisa que me revolta com esses preços ridiculos é que os celulares de entrada geralmente ajudavam a inclusão digital dos mais pobres… Isso quando eram 200-500 reais os mais acessíveis que funcionavam de forma decente (não o Galaxy Y, por exemplo)…

² (@centauro)

Foi-se essa época. R$1000 é o novo R$500.

Eu (@Keaton)

Pois é… pessoal mais pobre geralmente não tem de onde tirar 1000 reais. Mas já vi muita pessoa se pagando 24 parcelas de 25 reais em telefone de 500… é complicado. :\

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Dava pra ter tirado essa câmera de profundidade e deixado só uma com melhor qualidade.
O fone de ouvido também, era melhor não mandarem nada do que mandarem algo ruim, já que é algo fácil de comprar um.

E esse micro usb não tem desculpas, já passou da hora de morrer.

@RODRIGO

Contigo concordo parcialmente! Micro USB é muito antiquado; não seria tão caro colocar USB-C, poderia ser versão 1.0! Outros detalhes: o smartphone tem Bluetooth 4.2(botava logo 5.0), Wi-Fi n 2,4GHz(ilógico) e sem giroscópio!

@RODRIGO

Olá @darlanhelder! O A01 core já fora lançado há um certo tempo pela Samsung pelo preço de 999 reais; vem com 2GB/32GB de memória, processador quad-core MediaTek, Android 10 GO etc. Ainda não vi testes por alguma mídia tech nacional do aparelho! O Tecnoblog pretende testá-lo??

Darlan Helder (@darlanhelder)

Fala, Rodrigo! =) O A01 Core já está na fila para avaliação.

@RODRIGO

Obrigado pela resposta! Vai demorar um tempo para testá-lo?

Darlan Helder (@darlanhelder)

Imagina! Deve ir ao ar agora em setembro

@RODRIGO

Obrigado! E um detalhe: faça um comparativo com o Nokia 2.3 porque ambos tem processador quad-core e mesma memória RAM e ROM – 2GB/32GB, a diferença fica por conta do SO, a finlandesa usa o Android One e a coreana o Android GO.

CAV (@cav)

Como ele está de patch mensal de segurança, @darlanhelder?
Lembro que o Philco Hit estava decepcionando (e talvez ainda esteja) nesse quesito.