Início » Jogos » Microsoft se pronuncia sobre demissão de apresentadora que sofreu ataques

Microsoft se pronuncia sobre demissão de apresentadora que sofreu ataques

Isadora Basile, apresentadora do XboxBR, sofreu ataques machistas na internet; Microsoft diz que “mudou estratégia de conteúdo”

Paulo Higa Por

A Microsoft demitiu nesta sexta-feira (16) a apresentadora Isadora Basile, responsável pelo canal XboxBR no YouTube. Em comunicado, Basile afirma que, devido aos ataques sofridos na internet, a empresa decidiu desligá-la do cargo para não expô-la a ameaças. O anúncio gerou reações contrárias à empresa nas redes sociais. Procurada pelo Tecnoblog, a Microsoft afirmou que a decisão foi fruto de uma “mudança de estratégia”.

Apresentadora do XboxBR é demitida após ameaças (Imagem: Reprodução/Isadora Basile)

Apresentadora do XboxBR é demitida após ameaças (Imagem: Reprodução/Isadora Basile)

A notícia da demissão foi divulgada pela própria apresentadora no Twitter. “No início de setembro, quando anunciei meu novo trabalho, sofri ataques de todos os tipos, desde pessoas falando que eu não jogava jogo x ou y e por isso não era ‘digna’ do meu cargo, até ameaças de estupro, morte e julgamentos por expor situações mais tensas”, conta Basile.

“Devido a todos esses ataques, a Microsoft encontrou como melhor opção me desligar do cargo de apresentadora para que eu não esteja mais exposta a situações como essas que se passaram. Respeito a decisão da marca”, comenta a apresentadora no tweet.

A mensagem, que teve mais de 13 mil retweets até a noite desta sexta-feira (16), gerou reações contra a Microsoft. “Uma pena a solução que a empresa tomou, gostaria que tivessem te apoiado diretamente nas horas mais difíceis”, disse a apresentadora Kika Martini. “De qualquer forma, uma empresa que demite uma pessoa que tá sendo alvo de comportamento tóxico não é uma boa empresa”, comentou o ator Raony Phillips.

Microsoft diz que fez “mudança de estratégia”

Procurada pelo Tecnoblog, a Microsoft informou que mudou sua “estratégia de conteúdo original”, diminuindo o número de canais e concentrando as informações oficiais no portal de notícias Xbox Wire.

“Recentemente, fizemos algumas mudanças em nossa estratégia de conteúdo original de Xbox no Brasil, resultando em menos canais e em conteúdo de maior impacto. Agradecemos a Isadora Basile e a talentosa equipe da agência por sua criatividade e contribuição. O portal Xbox Wire passa a ser nossa única fonte de notícias. O canal XboxBR continuará experimentando novas maneiras de entreter os gamers brasileiros”, diz o comunicado da empresa.

O Tecnoblog questionou a Microsoft sobre o contrato com a GMD, agência responsável pela criação e produção de conteúdo audiovisual de Xbox no Brasil. A empresa informou que não vai se pronunciar sobre o assunto.

Internautas relembram caso Xbox Mil Grau

Não é a primeira vez que a divisão brasileira de Xbox é acusada de alimentar a comunidade tóxica. Em junho deste ano, um caso similar envolveu o grupo de influenciadores Xbox Mil Grau, que publicou mensagens classificadas como racistas nas redes sociais. Usuários denunciaram as mensagens no Twitter, marcando os responsáveis pela divisão de jogos da Microsoft no Brasil e no mundo.

Na ocasião, a marca Xbox se manifestou informando que não tinha qualquer ligação com o grupo Mil Grau. “O conteúdo da conta Mil Grau não reflete nossos valores fundamentais de respeito, diversidade e inclusão. Nós já exigimos a remoção imediata da nossa marca dos seus canais, por meio das empresas de redes sociais”, disse a empresa na época. O canal acabou suspenso de plataformas como Twitch e YouTube.

Na mesma época, até mesmo jornalistas internacionais especializados em games se manifestaram a respeito, como Jason Schreier, da Bloomberg, que também voltou a comentar sobre o caso de Isadora. Schreier lembrou que o problema envolvendo a ex-apresentadora ocorreu meses após o caso do Xbox Mil Grau.

Colaborou: Felipe Vinha.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
16 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Eita (@mandatario)

É sempre assim.
A vitima é que sofre as consequências

C Emanuel B Laguna (@Max_Laguna)

Eu traduzo a mensagem da Microsoft Xbox Brasil como “corte de custos”, inclusive cortando um melhor gerenciamento de crises.

Infelizmente acho que o problema é de gestão. Não dá para ser inclusivo quando você desperdiça um bocado de dinheiro para levar indivíduos como o Mil Grau para a E3 representando a marca. E mantendo panelinha que provavelmente apoiaria tal “cidadão de bem” no lugar da Isadora Basile.

Enfim, uma resposta patética para uma comunidade que infelizmente vem sendo representada por alguns indivíduos tóxicos.

Por questões pessoais, boicotei totalmente o PS4 e fui de Wii U Switch e XBO. Eu adoro meu Xbox One S, mas vou mudar de lado na próxima geração. Não quero ser cúmplice nisso aí não.

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

O problema é dentro da filial BR da Microsoft.

Enquanto não for feita uma boa limpeza na divisão, isso aí vai continuar acontecendo!

Até lá, nada mais da Microsoft BR entra nessa casa… tenho consciência que não sou ninguém, mas me sinto bem assim.

Eu (@Keaton)

Meus parabéns à todos envolvidos. /s

Júlio Tenório (@JulioTenorio)

O braço da Microsoft no Brasil precisa de mudanças já faz tempo, não é a primeira vez e não vai ser a última. Fora alguns problemas de comunicação, parecendo inexistente a atuação da Microsoft Brasil.

@doorspaulo

MS deu muita corda para o Mil Grau, e acabou com uma comunidade tóxica ao extremo.
Qualquer jogo online, só tem os “sopranos” se esgoelando por qualquer coisa.

Junta isso com a MS colocar uma aleatória como “cara da marca”, e tá feita a merda.

Só digo uma coisa: parabéns aos envolvidos.

Marcos Oliveira (@marcosoliveiran)

É uma pena a Microsoft BR seguir essa linha, enquanto a Microsoft em si tem outra postura. Tomara que esse ocorrido ganhe proporção suficiente para chegar até em Redmond para que façam as mudanças necessárias na gestão daqui. Já é a segunda vez só nesse ano que a Microsoft deixa a deseja e só se comove após a enxurrada de críticas na web.

Marcos Oliveira (@marcosoliveiran)

Apesar de não concordar com esta postura da marca também é compreensível a decisão. A mudança para a Isadora já caiu muito mal dentro da comunidade, pois ela veio para ocupar o lugar da Mari no canal do YouTube e era notável a diferença de identidade de cada uma das duas com a marca Xbox em si.

O que não poderia ter ocorrido é a Microsoft ter “se aproveitado” dessa situação de vulnerabilidade da Isadora e fazer o desligamento, sendo que foi a própria empresa quem a colocou nessa situação.

No fim das contas esse caso, mais uma vez, só demonstra como a comunidade gamer no Brasil é lotada dessas pessoas alinhadas com esse tipo de pensamento misógino e preconceituoso, e a atitude da Microsoft só contribuiu para embasar esse tipo de discurso.

Bruno (@Unknown)

A comunidade gamer é uma lastima, um verdadeiro câncer com um núcleo bem considerável de gente mal caráter.
Lembro quando ela foi convidada para ser a representante da marca a quantidade de gente no Twitter reclamando que “Ela é jogadora de PlayStation e não merece estar aqui”, curiosamente todas as contas que postavam mensagens neste sentido pareciam de seguidores do Xbox Mil Grau.

Vinicius Andrade (@Toloko)

https://twitter.com/ otavi0XI/status/1317299675918196736 (tira o espaço)

Vi isso em um outro site que estava lendo a mesma matéria.
Não da pra saber a verdade… a mina fala que foi por conta de rage da comunidade… mas “parece” que ela foi para MS porque era namorada do ex-PR da empresa.

A parte mais X é um print que esse cara colocou no twitter, que mostra a menina fazendo um comentário no post dela mesma se exaltando, mas que aparentemente, era pra ter sido feito com a conta fake e foi feita com a conta principal. Hue.

Enfim… we will never know the truth.

Matheus Moreno (@Matheusandyou)

Microsoft é uma piada mesmo. Parabéns aos envolvidos

Igor Lana de Melo (@igor_meloil)

Incrível como dois braços de uma mesma empresa podem ser tão distintos. O Xbox US é mto mais brando e amigão que o braço BR da empresa.

Inclusive essa situação só colabora para a minha teoria de quando tiraram o apoio ao Mil Grau: só fizeram isso pq entraram em contato “direto” com o Phil Spencer, se fosse pela Xbox BR ele ainda seria apoiado e continuariam alimentando a comunidade tóxica que sustentaram aqui.

João M. (@RonDamon)

Só reformular a divisão BR. Essas confusões sempre chegam no Phil Spencer, ele já deve ter visto a ladainha.

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

Eu não lembro onde vi, mas foi sim a Microsoft US que mandou kikar o babaca, porque a BR não ia fazer nada.

Bruno Who? (@brunossn)

Tá, todo mundo tomou algum lado e tá atacando o outro, mas vejo algumas pontas soltas:

Alguém já parou pra analisar se de fato a Microsoft mudou a estratégia de comunicação e diminuiu o número de canais?

A Basile chegou a mostrar alguma mensagem da Microsoft “estamos te desligando para lhe proteger”?

Lembrando que questionar não quer dizer tomar lado.

Exibir mais comentários