Início » Aplicativos e Software » Google Meet cresce 275% no Brasil e detalha principais usos no país

Google Meet cresce 275% no Brasil e detalha principais usos no país

Dentro dos usos mais comuns do Google Meet estão missas ou cultos, encontro com amigos, chá de bebê, meditação e até terapia

André Fogaça Por

Gratuito para todos desde o começo da pandemia, uma pesquisa mostra que o Google Meet passou a ser uma ferramenta importante para cerca de dois a cada cinco brasileiros. A plataforma para chamadas de vídeo, inicialmente criada para o público corporativo, viu seu uso crescer em 275% desde janeiro deste ano.

Google Meet no iPhone (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

Google Meet no iPhone (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

Quando o gigante das buscas criou o Google Meet em 2017, a partir do que existia no Hangouts Meet, a empresa colocou essa ferramenta dentro do pacote comercializado para corporações e por lá ele ficou até a pandemia de COVID-19 chegar ao mundo. Com a necessidade de soluções para permitir o encontro virtual entre pessoas, o serviço foi aberto para todos.

Um ano depois dessa espécie de promoção, o Google divulgou dados de uma pesquisa realizada com 1,5 mil usuários de todo o Brasil onde descobriu que as pessoas já entenderam a existência do Meet como uma ferramenta para o uso pessoal, além de servir para trabalho e estudo.

Google Meet no cotidiano para além do estudo e trabalho

O gigante das buscas notou um aumento de 20 vezes no tempo dedicado ao Google Meet pelo usuário durante todo este ano com o serviço de chamadas liberado para todos. Só entre janeiro e abril de 2021, o crescimento foi de 275%. De todos estes acessos, cerca de dois a cada cinco deles foram feitos para uso pessoal, incluindo encontro com amigos, chá de bebê, aula de desenho, artesanato, evento religioso, namoro e até terapia.

De todos os entrevistados, 55% utilizam o Google Meet mais de uma vez por semana, com 34% abrindo o aplicativo, ou sua versão web, ao menos uma vez a cada 24 horas. Da lista para uso pessoal, a maior parte está no encontro informal com amigos, seguido do mesmo tipo de evento, só que para pessoas da mesma família.

Enquanto 15% dos entrevistados fazem exercícios físicos pelo Google Meet, 11% utilizam a plataforma como acesso para terapia e 7% afirmaram que a meditação acontece com ajuda do serviço de chamadas em vídeo. Para eventos mais formais, 17% deles são com foco religioso como missas e cultos, 14% foram festas de aniversário, clubes de livros e saraus virtuais com 7% dos usuários e 6% acessaram o serviço para visitas em museus ou exposições de arte.

“Nos últimos 12 meses, a criatividade e o desejo de se conectar mostrou que as possibilidades das videochamadas vão muito além do que se podia imaginar”, comenta Raquel Cabral, responsável por vendas de Google Workspace para a América Latina.

Mesmo gratuita, a plataforma vem recebendo novidades

Aproveitando o número muito maior de usuários dentro da plataforma, o Google Meet vem constantemente adicionando recursos e aprimorando ferramentas já existentes dentro do serviço de chamadas em vídeo. A partir do mês que vem, usuários começarão a poder reduzir a quantidade de dados trafegados, novidade especialmente útil para quem participa de uma chamada enquanto está na rua.

Os fundos de cada usuário, que já podem ser trocados por fotos ou outras imagens estáticas, poderão ser substituídos por um vídeo. Além disso, o modo responsável por aumentar artificialmente, com ajuda de inteligência artificial, a iluminação durante chamadas em dispositivos móveis também estará disponível na versão web.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
7 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

André Gorgen (@Banana_Phone)

Nunca usei o Meet, eu acabei usando o Duo pois tinha uma qualidade bem melhor que a chamada de vídeo do WhatsApp.
E pela empresa só uso o Teams, que foi uma evolução ótima ao Skype.

Lucas Blassioli (@olucaslab)

Google Meet cresce 275% no Brasil e detalha principais usos no país

Sou obrigado pela minha faculdade, diz um dos entrevistados

Minha empresa usa isso, ai sou obrigado a usar, diz outro