Início » Telecomunicações » Internet via fibra ultrapassa cabo, cobre e rádio juntos no Brasil

Internet via fibra ultrapassa cabo, cobre e rádio juntos no Brasil

Acessos de banda larga com fibra óptica supera soma de conexões por cobre, cabo coaxial e rádio no Brasil

Lucas Braga Por

Os dados mais recentes da Anatel mostram que a fibra óptica passou a responder por mais da metade de todos os acessos de internet fixa no Brasil. Dos 36,3 milhões de contratos de banda larga contabilizados pela agência, 51,5% utilizam tecnologia FTTH, em que a fibra chega dentro da casa do cliente.

Rack de provedor de internet fibra óptica. Foto: jarmoluk/Pixabay

Fibra óptica já é maior que cabo, xDSL, rádio e satélite (Imagem: jarmoluk/Pixabay)

A fibra óptica já era a principal tecnologia de banda larga no Brasil desde março de 2020. Um ano depois, a modalidade FTTH (fibra até a casa do assinante) superou pela primeira vez a soma de todos os outros meios de acesso como cabos metálicos (xDSL ou Ethernet), cabo coaxial (HFC), rádio e satélite.

Vivo e Oi são grandes na fibra, mas regionais se destacam

De todos os 18,7 milhões de acessos de fibra óptica, a Vivo é a operadora líder no segmento, com 20,1% do mercado. A Oi aparece em sequência, com 14,9%, seguida pela Brisanet, com 3,6%. Das outras grandes empresas, a Claro aparece no ranking com 2,7%, seguida pela TIM com 1,8%.

Ainda que a fibra óptica tenha a maioria dos acessos, as grandes operadoras possuem participação de apenas 39,5% na tecnologia FTTH. Os provedores regionais são os verdadeiros protagonistas na popularização da fibra no Brasil, e juntos possuem 11,3 milhões de assinantes nesse meio de acesso.

Na prática o percentual de fibra óptica deve ser ainda maior, uma vez que nem todos os pequenos provedores reportam seus dados para a Anatel, o que causa subnotificação nos números de banda larga.

O crescimento da fibra óptica no Brasil

Há 10 anos, era praticamente impossível prever que a fibra óptica seria a principal tecnologia de banda larga residencial do Brasil num futuro próximo: o serviço até existia na época, mas era caro e tinha cobertura limitada a bairros mais ricos de grandes cidades.

De acordo com os dados da Anatel, o salto da fibra óptica começou no final de 2016, quando a tecnologia ainda disputava acessos com as conexões via rádio. O crescimento mais expressivo iniciou em 2017, quando a Anatel flexibilizou as regras para prestadoras de pequeno porte.

Acessos de banda larga por tecnologia (Imagem: Reprodução/Anatel)

Acessos de banda larga por tecnologia (Imagem: Reprodução/Anatel)

Os investimentos em fibra das grandes operadoras

Com exceção da Claro, as grandes operadoras têm encontrado dificuldade em manter clientes de banda larga com tecnologia antiga. O investimento em fibra óptica está no radar de investimento de todas as principais teles.

A Vivo é uma das principais operadoras de fibra óptica, mas ainda possui milhões de clientes no cobre, seja nas áreas da Telefônica ou da antiga GVT. A operadora aposta no modelo de franquias para pequenos provedores (Terra Fibra) e em uma rede neutra para cobrir até 5,5 milhões de domicílios.

A Claro já adota a fibra óptica como meio de acesso nas cidades onde passou a atuar a partir de 2018. A operadora atua com serviços de banda larga em 290 municípios brasileiros, e utiliza FTTH em 84 localidades. A empresa também começou a trocar o cabo coaxial pela fibra em alguns bairros de São Paulo (SP).

A Oi é outra protagonista quando se trata de fibra óptica, e também aposta no modelo de rede neutra para substituir a rede legada de cobre. A operadora deve arrecadar até R$ 2,5 bilhões por meio de debêntures conversíveis, e recentemente aceitou uma proposta bilionária do BTG Pactual, e quer levar a cobertura FTTH para 15 milhões de casas até 2021. Recentemente, a tele começou a vender banda larga em São Paulo (SP), com plano de 500 Mb/s pelo preço mensal de R$ 129,90.

Por fim, a TIM também aposta no modelo de rede neutra. Sem revelar valores, a tele firmou um acordo de exclusividade com uma empresa de infraestrutura que ficará responsável pela manutenção e expansão de toda a rede da TIM Live, inclusive a infraestrutura legada de cobre.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
10 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Alisson Santos (@alisson)

Se fosse depender somente das grandes eu ainda estaria usando linha discada.

Desenvolvimentista (@mandatario)

Moro no interior do Paraná!
Meu município tem 7 mil habitantes!
Maior parte vive no interior! Sítios, chácaras.
Aqui tem 3 empresas de fibra! Todas na cidade claro.

jacob (@jacob)

Também moro no interior do PR, e aqui praticamente todo mundo que conheço possui acesso via fibra em casa, com exceção de quem mora nas partes mais afastadas/zona rural, cujo acesso é por rádio.

Fernando Val (@fval)

Eu conheço bastante gente de São Paulo/SP, Campinas/SP, Belo Horizonte/MG, Teresópolis/RJ, Volta Redonda/RJ, Resende/RJ, Curitiba/PR e João Pessoa/PB. São contatos de meu círculo profissional. Nenhum deles tem fibra. O único que eu conheço que tem fibra mora no Rio de Janeiro/RJ.

Sei que a informação parte da Anatel, mas ela é fornecida pelas operadoras e é nisso que eu não confio.

A TIM, por exemplo, disse que iria trocar meu link por fibra há um ano. Recebi até comunicado da empresa. Informação que foi amplamente noticiada e saiu até aqui no Tecnoblob. Segundo consta, em informação da TIM, todo o meu bairro já está coberto por fibra. Mas isso não é a realidade. Ninguém tem fibra, ainda. A única coisa que eles fizeram foi trocar o cabo de cobre por um de liga de alumínio para tentar reduzir os roubos de cabos.