Início » Aplicativos e Software » Apple Music adiciona áudio lossless e Dolby Atmos sem aumentar preço

Apple Music adiciona áudio lossless e Dolby Atmos sem aumentar preço

Apple Music terá reprodução de músicas com mais qualidade e áudio espacial a partir do próximo mês sem alteração na assinatura

Bruno Gall De Blasi Por

Assinantes do Apple Music poderão escutar músicas com mais qualidade e sem perdas a partir de junho. A Apple anunciou, nesta segunda-feira (17), a reprodução de áudios lossless e o suporte ao Dolby Atmos em sua plataforma de streaming. As novidades chegarão a todos os usuários do serviço sem custos adicionais.

Apple Music terá reprodução músicas lossless e áudio espacial (Imagem: Divulgação/Apple)

Apple Music terá reprodução músicas lossless e áudio espacial (Imagem: Divulgação/Apple)

O padrão lossless, que permite escutar músicas sem perda de qualidade por conta da compressão, utilizará o codec ALAC (Apple Lossless Audio Codec). A Apple afirma que os assinantes poderão ouvir exatamente a mesma coisa que os artistas criaram no estúdio. Mais de 75 milhões de músicas já têm suporte à nova modalidade.

A novidade, no entanto, não será ativada automaticamente devido à grande quantidade de dados consumida e ao tamanho dos arquivos. Para habilitá-la, o usuário precisa alterar a qualidade do áudio nas configurações do Apple Music.

“O padrão Lossless do Apple Music começa na qualidade de CD, que é de 16 bits a 44,1 kHz (quilohertz), e vai até 24 bits a 48 kHz e pode ser reproduzido nativamente em dispositivos Apple”, informaram. “Para o verdadeiro audiófilo, o Apple Music também oferece alta qualidade sem perdas [Hi-Res Lossless] até 24 bits a 192 kHz”.

A Apple ainda diz que, para reproduzir áudios em alta qualidade sem perdas, é preciso ter um equipamento externo, como um conversor digital para analógico (DAC) via USB.

Apple Music terá suporte ao Dolby Atmos

O Apple Music também vai disponibilizar o áudio espacial com suporte ao Dolby Atmos aos seus assinantes. Por padrão, as faixas serão reproduzidas automaticamente com o recurso nos fones AirPods e Beats que tenham um chip H1 ou W1. Os alto-falantes integrados nas versões mais recentes do iPhone, iPad e Mac também entram na lista.

Assim como as músicas em padrão lossless, a plataforma de streaming irá apresentar um selo quando o álbum tiver suporte ao Dolby Atmos. Segundo a Apple, milhares de faixas estarão disponíveis no lançamento. A fabricante do iPhone também afirma que vai adicionar novos títulos regularmente no futuro.

Apps do Spotify, Apple Music e Deezer (Imagem: Ana Marques/Tecnoblog)

Apps do Spotify, Apple Music e Deezer (Imagem: Ana Marques/Tecnoblog)

Preço e disponibilidade

Os novos recursos chegarão ao Apple Music em junho. Para ter acesso, o consumidor não precisará contratar um plano diferente ou pagar um valor extra. Este fator, vale lembrar, coloca a Apple em uma certa vantagem em relação à concorrência, que oferece modalidades diferentes para ouvir músicas com mais qualidade.

É o caso do Deezer HiFi. No Brasil, o serviço custa R$ 26,90 ao mês, enquanto o plano Premium está disponível por R$ 16,90. A mensalidade do Tidal HiFi é de R$ 33,80 enquanto o Premium é oferecido por R$ 16,90. O Spotify HiFi foi anunciado em fevereiro; mas, até o momento, não há valores para o Brasil.

Atualmente, o Apple Music é encontrado por R$ 16,90 ao mês no plano individual, que também inclui músicas em áudio Lossless e faixas em Dolby Atmos. O serviço ainda pode ser contratado pelo Apple One, que também traz armazenamento no iCloud, Apple TV+ e Apple Arcade. Neste caso, as mensalidades começam em R$ 26,50.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Ramiz (@Ramiz)

Para quem está no ecossistema da Apple, assinar o Apple One torna-se cada vez mais interessante. Agora fica a dica de quem entende … quais fones (ou qual perfil) poderiam tirar proveito desta qualidade?

@ksio89

Já fiz inúmeros testes ABX, em que você escuta um áudio lossy, o mesmo lossless e uma amostra que você tenta identificar qual, e nunca consegui acertar pelo menos 95% necessários para afirmar que realmente consegue distinguir entre os dois. Também já fiz o mesmo teste com áudio em 16-bit/44 kHz vs. 24-bit/192 kHz e também fui incapaz de perceber diferença. Tenho equipamento de som decente, mas mesmo que eu tivesse fones de ouvido e DAC high-end, acho que não conseguiria identificar qual é qual.

Muitos alegam ter “ouvidos de ouro” e supostamente conseguiem distinguir, mas nunca fizeram um teste ABX para comprovar se conseguem mesmo ou se não passa de placebo/pareidolia.