Início » Telecomunicações » Operadora Veek diz que Surf Telecom “nos roubou” e é acusada de estelionato

Operadora Veek diz que Surf Telecom “nos roubou” e é acusada de estelionato

Operadoras enfrentam impasse na Justiça; Surf Telecom também briga com sócia Plintron Holdings e diz que companhia é uma "empresa de prateleira"

Lucas Braga Por

O Tecnoblog publicou nesta quinta-feira (15) o especial As operadoras móveis virtuais deram certo?, que trouxe uma entrevista exclusiva com o CEO da Veek, Alberto Blanco. O executivo diz ter tomado calote da Surf Telecom; a empresa contra-atacou, e acusa a MVNO de falsidade ideológica e estelionato.

Chip da Veek

Veek diz ter tomado calote da Surf Telecom e é acusada de estelionato (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)

A Veek já foi parceira da Surf Telecom

A Veek iniciou suas operações em 2017 em parceria com a fornecedora Surf Telecom. No entanto, a atuação foi suspensa em 2019 e os clientes foram transferidos para outra MVNO, a Geek.

O desentendimento entre Veek e Surf Telecom é financeiro: a fornecedora teria cortado o canal de recarga pré-pago da operadora virtual e passou a comercializar créditos aos clientes.

O Tecnoblog perguntou a Alberto Blanco o que aconteceu entre Veek e Surf. Ele respondeu:

“Essa foi uma história chata, porque tomar calote é um negócio que ninguém gosta. A Surf Telecom nos deu um calote. Ela não nos pagou, ela nos roubou, esse processo está na Anatel, está no processo judiciário e já foram condenados várias vezes.”

Alberto Blanco, CEO da Veek

As operações da Veek foram encerradas em meio ao imbróglio, mas a operadora demorou a retomar as vendas com um novo parceiro:

“Eles nos roubaram, a gente assimilou o golpe. Basicamente a gente fez duas empresas: a gente lançou a primeira e tivemos quase 70 mil clientes ativos naquela época, e hoje seríamos de longe a maior operação [virtual] no Brasil.

A gente teve que fazer outro contrato, homologar novamente na Anatel e fazer todas as conexões. Apesar de ter a experiência, demorou um tempo.”

Alberto Blanco, CEO da Veek

Atualmente, a Veek já retornou ao mercado em parceria com outra fornecedora, a Americanet. A MVNO atualmente aposta em um plano gratuito, e o usuário tem direito a 1 GB de internet por mês em troca de assistir anúncios no app da operadora.

Surf acusa Veek de falsidade ideológica e estelionato

A Surf Telecom contra-atacou as acusações da Veek, e afirma que entrou com um processo contra a MVNO:

“A questão da Veek está sendo decidida na Justiça, uma vez que tivemos que entrar com processo contra a empresa por falsidade ideológica e estelionato. A Surf Telecom foi quem moveu ação contra a empresa para ser ressarcida da forma mais justa, não o contrário.”

Surf Telecom

Surf Telecom perdeu clientes importantes

A Surf Telecom é responsável por mais de 100 operadoras virtuais no Brasil, incluindo a Correios Celular, Uber Chip, Lari Cel (da atriz Larissa Manoela), times de futebol, varejistas e provedores regionais de banda larga fixa.

No entanto, a carteira de clientes da Surf já foi mais cheia — ou mais relevante: a empresa atendia empresas como o Banco Inter, que tinha a operadora Intercel, além do Magazine Luiza, com a Maga+. Os clientes das MVNOs desistentes foram transferidos para outra empresa, a Mega+.

App da MVNO permitia acesso indevido a outras linhas

Usuários da Intercel e Maga+ foram transferidos para Mega+ (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)

A instituição financeira e a varejista encerraram o acordo com a Surf: o Banco Inter deverá relançar a Inter Cel em parceria com a Vivo; o Magazine Luiza solicitou à Anatel a homologação de um acordo com a Claro para a criação de uma nova MVNO, como revelado em primeira mão pelo Tecnoblog.

A Surf diz que os acordos de MVNOs encerrados “são movimentos naturais do mercado” e que “da mesma forma que acordos foram encerrados, muitos novos clientes começaram, e esse número tem crescido de forma acelerada para a Surf”.

Impasse com sócios deixou clientes da Surf sem sinal

O Tecnoblog obteve acesso a um documento sigiloso da Surf Telecom, que acusa a empresa estrangeira Plintron Holdings de uma sabotagem que interrompeu o acesso ao serviço de celular de mais de um milhão de usuários (embora o número de clientes seja questionável, conforme apontado na reportagem especial):

“(…) A partir de 3 de julho de 2020, a PLINTRON iniciou uma sabotagem que culminou por interromper, sem prévia comunicação e sem qualquer justificativa plausível, a prestação dos serviços para os quais estava contratada, impedindo o acesso à sua plataforma por mais de um milhão de usuários da SURF TELECOM espalhados por mais de cinco mil municípios brasileiros. Em síntese, repentinamente, os usuários da SURF TELECOM não podiam carregar, recarregar ou usar seus aparelhos celulares.

De maneira inadvertida e irresponsável, a PLINTRON interrompeu o acesso de toda a base de clientes aos serviços da SURF TELECOM, além de passar a ativamente deletar usuários da sua plataforma.”

No documento, a Surf Telecom afirma que a Plintron é uma empresa de prateleira, ou seja, sem atividades. Um inquérito policial foi instaurado contra a companhia para apurar o crime de interromper ou perturbar serviço telegráfico, radiotelegráfico ou telefônico, impedir ou dificultar-lhe o restabelecimento, previsto no Código Penal. A operação encontrou um escritório fechado há meses:

“Foi instaurado o Inquérito Policial nº 2169498-16.2020.140524, procedido pelo Delegado responsável pelo DEIC – 4ª Delegacia da CIG, com a finalidade de apurar o crime descrito no artigo 266 do Código Penal (interromper ou perturbar serviço telegráfico, radiotelegráfico ou telefônico, impedir ou dificultar-lhe o restabelecimento).

No referido inquérito, destaca-se que houve uma diligência policial na sede da PLINTRON, pela qual constatou-se um escritório fechado há meses, o que apenas corrobora o fato que, no Brasil, a PLINTRON é uma mera empresa de prateleira.”

Durante o episódio, a Surf teve que acionar um serviço de Disaster Recovery Program junto à TIM, e o regime de contingência permitiu o reestabelecimento dos serviços, mas com custo elevado.

E-mail da Surf para TIM sobre solução de Disaster Recovery

E-mail da Surf para TIM sobre solução de Disaster Recovery (Imagem: Reprodução)

TIM alerta para custo elevado de Disaster Recovery

TIM alerta para custo elevado de Disaster Recovery (Imagem: Reprodução)

Surf assume riscos sobre plataforma Disaster Recovery

Surf assume riscos sobre plataforma Disaster Recovery (Imagem: Reprodução)

A interrupção do serviços tem a ver com questões societárias: a Plintron é dona de 40% das ações preferenciais da Surf Telecom. A empresa estrangeira alega que o contrato original permitia a conversão de ações preferenciais em ordinárias, com opção de compra de mais papéis e ter o controle da companhia.

A Surf diz que a Plintron tentou alterar a composição acionária e transferir o controle da empresa sem a anuência prévia da Anatel, e que isso acarreta no descumprimento das normas regulatórias da agência.

Surf diz que pedido da Plintron viola regulamentação da Anatel

Surf diz que pedido da Plintron viola regulamentação da Anatel (Imagem: Reprodução)

Em meio ao impasse, a Surf Telecom tenta abrir o seu capital na bolsa, e ensaiou um IPO que foi barrado por uma liminar concedida pelo Poder Judiciário em favor da Plintron.

Ao Tecnoblog, a Surf Telecom afirma que não irá se pronunciar sobre o conflito com a Plintron, e diz que aguarda uma decisão da Câmara de Arbitragem.

Colaborou: Everton Favretto

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
7 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Sillas Goes (@Sillas)

Sem dúvidas alguma foi a pior experiência que eu tive com um produto na minha vida, isso com o Banco Inter cliente da Surf mas que também foi omisso. Me entregaram um chip com numero de outro DDD, só descobri depois de iniciar minha portabilidade, ela ficou presa por conta desse impasse ( Não se faz portabilidade de DDD diferente). Cara um mês de puro ódio, 20 protocolos, tanto no Banco Inter quanto na Anatel, até isso eles são pilantras, só tem respondem com 10 dias e ainda informando que já entraram em contato com a parte e que já esta sendo resolvido. Por fim quase cai em um golpe, por que fui reclamar nas redes sociais do Banco Inter e um perfil se identificando como equipe do Banco Inter tentou fazer uma engenharia social, por sorte entendi que era golpe no meio do role. Nunca mais na minha vida nada que seja relacionado a Surf Telecom.

² (@centauro)

Dor de cabeça via proxy! : D