É fato que a Internet 3G no Brasil ainda deixa bastante a desejar. Seja pela cobertura ou pelas velocidades de acesso, a chamada banda larga móvel é vendida por operadoras que muitas vezes praticam preços abusivos e não garantem uma boa qualidade do serviço. Quem paga por isso (literal e figurativamente) é o cliente, que acaba precisando assinar contratos de fidelidade com multas altíssimas no caso do cancelamento.

Com esse problema em mente, a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor pediu ao o Ministério Público Federal, da Procuradoria de São Paulo, que abrisse um inquérito para apurar se os clientes estão sofrendo prejuízo com os planos. Como parte do inquérito, o Ministério abriu ontem uma consulta pública pela para perguntar aos usuários de Internet 3G: vocês estão satisfeitos? A consulta quer saber quais são as principais falhas cometidas pelas operadoras, seja na área de velocidade, cobertura, contrato, condições de oferta, preço e até se o atendimento ao consumidor é bem feito.

Seja mais detalhado do que isso, por favor.

Tem experiência para contar? Mande um email para consultapublica_mssa@prsp.mpf.gov.br. Para quem é adepto do velho hábito conhecido como ‘escrita’ que usa ferramentas como ‘caneta’ ou ‘lápis’ é possível também mandar uma carta para o endereço R. Peixoto Gomide nº768, São Paulo-SP, CEP 01409-904. Lembre de incluir o assunto “Consulta Pública procedimento 1.34.001.004236/2009-18”, não importa qual meio você use, para que o Ministério saiba sobre o que se trata. São 60 dias de consulta, que encerram dia 18 de maio às 16h.

[via Gizmodo Brasil, O Globo]

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Rafael Silva

Rafael Silva

Ex-autor

Rafael Silva estudou Tecnologia de Redes de Computadores e mora em São Paulo. Como redator, produziu textos sobre smartphones, games, notícias e tecnologia, além de participar dos primeiros podcasts do Tecnoblog. Foi redator no B9 e atualmente é analista de redes sociais no Greenpeace, onde desenvolve estratégias de engajamento, produz roteiros e apresenta o podcast “As Árvores Somos Nozes”.

Relacionados