Quem mexe com a internets há algum tempo provavelmente já conhece a tática do chamado Google bombing. Trata-se de uma técnica que usa um atributo do Google para pregar peças em políticos, personalidades, sites e qualquer outra coisa que está na rede mundial. Enquanto que não pretendo descrever o processo completo, os participantes do nada mambembe BlogcampBH de 2007 podem confirmar que ela funciona. Mas essa técnica ganhou um concorrente à altura: a tradução do Facebook.

Por confiar na comunidade para traduzir o site, o Facebook está aberto a alterações que são, por assim dizer, menos do que ideais. Funciona assim: quando uma tradução para um item é proposto, ele precisa passar por votação. Se ele for votado por um número grande de pessoas, automaticamente vai para o código do site, sem revisão do próprio Facebook. Um grupo de usuários franceses se aproveitou disso para pregar uma peça em um guri que, por merecer tanto esforço, não deve ser lá uma pessoa tão agradável.

O alvo da brincadeira foi o irmão do membro do Facebook Dylan Zéroosiix. Um grupo de pessoas conseguiu com que uma das opções do menu de bloqueio de usuários se refira ao irmão de Dylan. Na tradução para o francês, a quarta opção do menu em que o usuário deve escolher o motivo para bloqueio da pessoa agora lê-se “O irmão de Dylan Zéroosiix me insultou no instant messenger”.

Como bem aponta o blog Gawker, essa não foi a primeira vez que o Facebook sofreu esse tipo de vandalismo (que me recuso a chamar de hack). No passado as traduções para espanhol e turco também foram alvo de brincadeiras.

Com informações: Gawker.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Rafael Silva

Rafael Silva

Ex-autor

Rafael Silva estudou Tecnologia de Redes de Computadores e mora em São Paulo. Como redator, produziu textos sobre smartphones, games, notícias e tecnologia, além de participar dos primeiros podcasts do Tecnoblog. Foi redator no B9 e atualmente é analista de redes sociais no Greenpeace, onde desenvolve estratégias de engajamento, produz roteiros e apresenta o podcast “As Árvores Somos Nozes”.

Relacionados