Especialista em segurança diz que China invade redes dos EUA com frequência

João Brunelli Moreno
Por

Hackers chineses sistematicamente invadem redes e sistemas dos EUA à procura de códigos-fonte, brechas de segurança, pesquisas e outras inovações, afirma o especialista em segurança nacional Richard Clark em um artigo publicado no Wall Street Journal da última quarta-feira. Segundo Clark, os ataques vêm acontecendo “há anos” e “são cada vez mais perigosos”.

“As autoridades dos EUA sabem muito bem que o governo da China está atacando as redes de computadores dos EUA e de corporações americanas (…) em uma competição global entre economias baseada no conhecimento, as operações cibernéticas chinesas procuram minar a vantagem norte-americana”, comenta. “Apenas alguns, como o Google, tiveram coragem de admitir que foram vítimas de ataques”, reflete.

Os ataques, batizados de “Aurora” graças ao nome do programa identificado como responsável pelas invasões, já são bem conhecidos pelas autoridades locais. Outras gigantes como Adobe, Cisco e Juniper também já tiveram o desprazer de conhecer sua fúria no passado sistemas. E estes ataques estão longe de serem raros: Clark lembra que em 2009 o diretor do serviço secreto britânico chegou a afirmar a alguns empresários locais que eram raras as companhias que nunca tinham sido atacadas por chineses.

Em um episódio específico chamado de “noite do dragão”, invasões chinesas teriam atacado empresas petrolíferas dos EUA à procura de dados sobre a localização e tamanho de reservas de petróleo controladas pelos gringos. Mas Clark diz que o ataque mais perigoso aconteceu em 2009, quando os invasores conseguiram controle sobre o sistema de distribuição de eletricidade nos EUA, instalando uma backdoor que os permitia ter controle sobre o abastecimento de eletricidade de diversas bases militares norte-americanas.

Bom lembrar que no fim do último mês de maio o governo dos Estados Unidos anunciou que iria responder a ataques virtuais com balas de verdade: ou seja, esse caldo ainda pode engrossar muito.

Imagem via China Defense Mashup.

Relacionados

Relacionados