Arquivo Aplicativos e Software

Mozilla planeja bloquear Flash por padrão no Firefox

Paulo Higa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Boa parte do conteúdo disponível na internet precisa de um plugin para funcionar, mas esses complementos também são os maiores responsáveis por erros nos navegadores, além de presentarem o usuário com vulnerabilidades de segurança. Felizmente os novos recursos do HTML5 poderão substituir vários plugins e a Mozilla está aproveitando a oportunidade para implementar um bloqueio no Firefox.

Ao entrar no about:config do Firefox, o usuário encontrará uma nova flag chamada plugins.click_to_play. Com a configuração ativada, o usuário precisará clicar na área que o conteúdo deveria aparecer para permitir a execução do plugin. Isso também deverá bloquear automaticamente anúncios publicitários em Flash, economizando bateria em notebooks e deixando a RAM disponível para ser utilizada por algo mais importante.

Conteúdo em Flash não será carregado automaticamente.

A novidade já existe na última compilação Nightly do Firefox, mas será necessário ativá-la manualmente. Jared Wein, engenheiro de software da Mozilla e um dos responsáveis por implementar o recurso, também trabalha para criar um assistente de configuração onde será possível definir quais sites podem ou não executar plugins. O Chrome também possui a mesma funcionalidade há algum tempo, mas no Firefox o bloqueio poderá ser ativado por padrão.

Mais informações podem ser encontradas na wiki da Mozilla. Para testar o recurso, basta fazer o download da versão Nightly — ou esperar até o lançamento do Firefox 14.0, quando a opção deverá estar disponível para todos os usuários.

Com informações: Ars Technica.

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista, com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque