O negócio do WhatsApp

Aplicativo de mensagens tem bilhões de usuários ao redor do mundo, mas ainda rende pouco aos cofres da Meta

Josué de Oliveira
Por
O negócio do WhatsApp (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)
O negócio do WhatsApp (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Em fevereiro de 2014, o Facebook anunciou a compra de um aplicativo gratuito de mensagens. Naquela época, a tal startup sequer tinha um modelo de negócios razoável.

O que o WhatsApp tinha, no entanto, eram usuários. Cerca de 450 milhões na época, para ser mais preciso, o suficiente para chamar a atenção da empresa presidida por Mark Zuckerberg.

O valor do negócio foi de US$ 19 bilhões, até hoje o mais alto já desembolsado pela companhia na compra de outra empresa. Para se ter uma ideia, o valor pago pelo Instagram, comprado só dois anos antes, foi de US$ 1 bilhão. O Facebook claramente enxergava algo especial no WhatsApp.

Na época da aquisição, a imagem do Facebook já não era das melhores, o que abria espaço para certos temores a respeito do futuro do mensageiro. O aplicativo passaria a ser pago? O Facebook tentaria reaver seu investimento permitindo que publicidade fosse veiculada em meio às mensagens?

No fim das contas, nada disso aconteceu. A aquisição fez com que o WhatsApp se tornasse um dos aplicativos mais utilizados no mundo, angariando novas funcionalidades que ajudaram a torná-lo onipresente na vida de milhões de pessoas.

Um membro diferente da família

Dentro da família de aplicativos da Meta — como o Facebook passou a se chamar em 2021 —, o WhatsApp pulou dos 450 milhões de usuários em 2014 para cerca de 2.7 bilhões em junho de 2023. E foi sob a tutela da empresa-mãe que alguns dos principais recursos ao mensageiro chegaram ao público.

As chamadas de voz e em vídeo, por exemplo, chegaram sob a condução do Facebook, aparecendo em 2015 e 2016, respectivamente. Também em 2016 veio a criptografia de ponta a ponta, como forma de garantir que somente o autor e o destinatário das mensagens poderiam lê-las.

A partir de 2018, tornou-se possível fazer backup dos chats no Google Drive; no mesmo ano vieram as chamadas de áudio e vídeo em grupo, e, em 2021, o compartilhamento de arquivos em alta qualidade.

A adição destes recursos lembra um pouco o processo que transformou o Facebook na rede social suprema. A ideia básica do aplicativo se manteve, mas o acréscimo de várias outras funcionalidades a potencializou ainda mais.

Aqui entra uma característica importante dos empreendimentos de Mark Zuckerberg: a capacidade de perceber e se apropriar de soluções que seus concorrentes têm como diferenciais. Ou, dito de outra forma: o WhatsApp soube o que copiar de sua competição.

Um exemplo disso são as chamadas por VoIP, que chegaram primeiro ao Viber. E os emojis, que já existiam em outros comunicadores, além das reações, stickers e mensagens temporárias. Mais recentemente chegaram os Canais, recurso muito semelhante — pra não dizer igual — aos canais do Telegram.

Canais do WhatsApp
Canais do WhatsApp (Imagem: Divulgação/WhatsApp)

Ao longo da década, o WhatsApp se tornou a principal solução para comunicação em diversos mercados, incluindo o brasileiro, e isso é resultado dessa convergência de recursos. A ferramenta se tornou mais robusta, versátil, abrangente. Como comentamos no Tecnocast 326, o WhatsApp se tornou a mediação que usamos para praticamente tudo.

A receita dos negócios

Por outro lado, sob um ponto de vista de negócios, a posição do WhatsApp dentro da família de aplicativos da Meta é um tanto curiosa.

Diferente do Facebook e do Instagram, o mensageiro não é um lugar no qual se possa exibir anúncios. Pelo menos não sem modificar radicalmente a experiência na plataforma.

Na prática, isso dificulta a monetização de usuários. O que, por sua vez, levanta perguntas sobre o investimento feito pelo Facebook na compra do aplicativo.

No passado, o WhatsApp era um aplicativo pago. Quer dizer, de certa forma: a cobrança era de um dólar por ano após o primeiro ano de uso. Mas o “modelo de negócios” acabou oficialmente em 2016. Como, então, o mensageiro gera dinheiro?

A resposta é o WhatsApp for Business, que só chegou em 2018. Embora o serviço em si seja gratuito para pequenos negócios, há recursos adicionais que podem ser acessados através de uma assinatura da versão Premium.

WhatsApp Business, versão do aplicativo para empresas (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
WhatsApp Business, versão do aplicativo para empresas (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Já as grandes empresas pagam pela API do WhatsApp para comunicação com clientes. Pense numa companhia aérea te mandando mensagem no Zap sobre um voo atrasado, ou uma varejista confirmando os dados de uma compra.

Não sabemos exatamente quanto isso já gerou para a Meta. Estimativas sugerem que o negócio tenha rendido entre US$ 500 milhões e US$ 1 bilhão em 2022. No mesmo ano, a receita geral da empresa ultrapassou os US$ 116 bilhões.

Apesar de ainda representar uma fatia mínima do faturamento da Big Tech, a Meta mantém um tom otimista a respeito das possibilidades de monetização do WhatsApp. Na última apresentação de resultados financeiros, foi destacado um aumento de 82% nas “outras receitas” (other revenue) da família de aplicativos no último trimestre de 2023. O WhatsApp for Business foi o vetor desse crescimento.

Há espaço, portanto, para tornar o WhatsApp um negócio mais robusto dentro da Meta. Se isso será suficiente para justificar os US$ 19 bilhões investidos para comprar o aplicativo, bem, isso são outros quinhentos.

Receba mais sobre WhatsApp na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Josué de Oliveira

Josué de Oliveira

Produtor audiovisual

Josué de Oliveira é formado em Estudos de Mídia pela UFF. Seu interesse por podcasts vem desde a adolescência. Antes de se tornar produtor do Tecnocast, trabalhou no mercado editorial desenvolvendo livros digitais e criou o podcast Randômico, abordando temas tão variados quanto redes neurais, cartografia e plantio de batatas. Está sempre em busca de pautas que gerem conversas relevantes e divertidas.

Canal Exclusivo

Relacionados