Intel pode terceirizar fabricação de processadores

Intel cogita terceirizar produção para evitar mais atrasos na entrega de chips de 7 nm; TSMC pode ser escolhida para fabricação

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos
Intel Core de décima geração

Na semana passada, ao admitir que seus processadores de 7 nanômetros vão atrasar, a Intel levantou uma possibilidade que chamou atenção: a de terceirizar a sua produção de chips. Parece uma possibilidade remota, mas os indícios de que a Intel poderá seguir por esse caminho não são desprezíveis.

Se essa estratégia sair do papel, representará uma das maiores mudanças pelas quais a Intel já passou em sua história. Durante as últimas três décadas, a companhia figurou como a empresa mais valiosa do setor de semicondutores, em parte porque, além de desenvolver seus próprios chips, mantém linhas próprias de produção.

Processadores são componentes extremamente complexos, razão pela qual a sua produção depende de fábricas sofisticadas. É por isso que há pouquíssimas companhias produzindo esse tipo de chip.

A Intel está entre elas por ter investido bilhões de dólares em suas fábricas. O problema é que, na última década, o setor de semicondutores passou por uma reviravolta: o mercado de smartphones superou o de PCs e a Intel não conseguiu acompanhar essa mudança.

Uma das companhias que mais se beneficiaram com essa reviravolta é a taiwanesa TSMC. A empresa é a maior fabricante independente de chips do mundo. Pudera: entre seus clientes estão gigantes como Apple, AMD e Qualcomm.

Embora não tenha dado detalhes, a Intel afirmou, na semana passada, que identificou um problema no processo de fabricação que degrada o desempenho dos seus futuros chips de 7 nanômetros. A chegada deles ao mercado vai atrasar, consequentemente: agora, eles são esperados para o final de 2022 ou início de 2023.

Intel - Foto: Digital Trends

Para que o atraso não seja ainda mais expressivo, a Intel comentou sobre um “plano de contingência” que inclui a terceirização da fabricação de seus chips. Para qual empresa? Não se sabe, mas é provável que justamente a TSMC seja a única com tecnologia suficientemente avançada para assumir essa produção na escala que a Intel precisa.

Não há nada decidido, pelo menos não publicamente. Mas o mercado já manifesta alguma preocupação com essa possível estratégia, tanto que as ações da Intel estão em queda desde a semana passada.

Basicamente, o temor é o de que, ao terceirizar a sua produção, a Intel passe o bastão da inovação tecnológica no setor de semicondutores para empresas asiáticas, cenário que o governo dos Estados Unidos vem tentando evitar.

Fato é que a Intel não enfrenta um bom momento. Os últimos anos da companhia foram marcados por atrasos na produção de chips de 10 nanômetros, problemas sérios de segurança e, mais recentemente, a perda da Apple como cliente. Alguma coisa realmente precisa ser feita.

Com informações: Bloomberg.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados