Início / Notícias / Internet /

Google estaria pagando até US$ 12 bilhões à Apple para ser padrão no iOS

Google paga até US$ 12 bilhões por ano para manter buscador como padrão nos produtos da Apple, segundo reportagem

Bruno Gall De Blasi

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O Google é o mecanismo de busca padrão dos produtos da Apple, como o iOS, mas isso pode ter um preço para a gigante das buscas: até US$ 12 bilhões por ano. É o que conta uma reportagem do New York Times deste domingo (25), que traz novos detalhes sobre o suposto acordo entre as duas companhias para dar prioridade ao buscador.

Google no iPhone (Imagem: Oliver Graumnitz/Pixabay)

Google no iPhone (Imagem: Oliver Graumnitz/Pixabay)

A reportagem dá um novo episódio ao processo do governo dos Estados Unidos contra o Google, que é acusado de manter um monopólio no mercado de buscas e de anúncios, aberto no último dia 20. Segundo a reportagem, em 2017, o acordo foi renovado para manter o buscador como padrão nos sistemas da Apple.

A estimativa é de que o Google pague, atualmente, entre US$ 8 bilhões e US$ 12 bilhões por ano para que a Apple dê prioridade ao buscador, o equivalente de 14% a 21% da receita anual da fabricante do iPhone. O valor seria superior às especulações anteriores, de US$ 1 bilhão, em 2014, e US$ 3 bilhões, em 2017.

Procuradas pelo jornal norte-americano, a Apple se negou a comentar sobre o assunto. Já o Google encaminhou um link para uma publicação no blog da companhia, onde se defende das acusações da ação judicial e mostra como é possível usar outros buscadores com facilidade tanto no iOS e macOS quanto no Android e Chrome.

Google é processado pelo governo dos Estados Unidos

O Google está sendo processado por autoridades dos Estados Unidos. Em processo aberto na semana passada pelo Departamento de Justiça (DoJ) e procuradores-gerais de onze estados, a companha norte-americana é acusada de manter monopólio ilegal em buscas e anúncios online.

Segundo o Departamento de Justiça, a companhia alcançou a liderança no mercado ao pagar para ser buscador padrão tanto em celulares quanto em computadores, como é o caso da parceria entre a empresa e a Apple. Em alguns casos, a gigante das buscas até proibiu a pré-instalação de serviços concorrentes, conforme aponta a ação judicial.

Em defesa, o Google afirma que esta ação judicial “é profundamente falha”, alegando que os seus serviços são utilizados pois são escolhidos pelos próprios usuários. O caso é comparado com as ações movidas contra a Microsoft na década de 1990, devido ao Internet Explorer embutido no Windows 98.

Com informações: Google (Blog), MacRumors e The New York Times