Início / Notícias / Celular /

Samsung Isocell 2.0 prepara terreno para câmeras com mais de 100 MP

A Samsung conseguiu isolar mais luz dos pixels no Isocell 2.0, permitindo maior resolução no mesmo espaço físico do sensor

André Fogaça

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

A Samsung divulgou, nesta quinta-feira (4), detalhes da tecnologia Isocell 2.0 que estará presente nos próximos smartphones da empresa asiática. O foco do novo método de construção do componente está em aumentar a capacidade de captura da luz, ao trocar parte do material que fica entre cada pixel.

Samsung Galaxy S21 Ultra, com Isocell HM3 (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Samsung Galaxy S21 Ultra, com Isocell HM3 (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Lançada em 2013, a tecnologia Isocell está dentro de muitos módulos de câmera de aparelhos da Samsung. Ela funciona basicamente com uma barreira física entre cada pixel do sensor, impedindo a mistura de cores na imagem final. Funciona assim: uma espécie de parede metálica é inserida entre cada coloração, para que a cor vermelha não “vaze” para o pixel logo ao lado e que representa outra tonalidade, como o azul ou verde que também utilizam a proteção.

A Samsung já melhorou a técnica ao colocar uma barreira que impede ainda mais luz invadindo outra cor, com o Isocell Plus. Nele a “parede” deixa de ser em metal e passa a, segundo a própria fabricante, “conter outro material”.

Com pixels protegidos, eles podem ser menores e este passo já é perceptível em aparelhos com mais de 100 megapixels no sensor. Agora a empresa coreana resolveu detalhar o Isocell 2.0, que melhorou ainda mais o trabalho de isolar as cores dentro de cada pixel.

A novidade desta tecnologia é a troca da parte inferior desta barreira, que agora absorve menos luz. Com a mudança, a promessa da Samsung é de aumentar consideravelmente a quantidade de luz que consegue entrar no sensor, após passar pelo filtro de cores dos pixels.

Isocell 2.0 poderá fazer sensores menores

Como consequência da maior quantidade de luz entrando, o Isocell 2.0 consegue diminuir ainda mais o tamanho físico de cada pixel, resultando em sensores com resolução ainda maior que o produzido pela empresa.

A Samsung não aponta quantidade de pixels específica para a resolução do sensor equipado com a tecnologia Isocell 2.0, mas desde agosto de 2019 a marca asiática conta com um módulo de câmera capaz de fotografar até 108 megapixels, presente desde aparelhos concorrentes como o Xiaomi Mi 10i, indo também para os seus próprios Galaxy S20 e Galaxy S21 Ultra.

No caso do sensor com 108 megapixels presente no Galaxy S21 Ultra, a empresa utilizou o ISOCELL HM3. Ele tem o mesmo tamanho da geração anterior, que está no S20 Ultra, com 1/1,33 polegada e pixels de 0,8 μm.

Com a capacidade de diminuir os pixels enquanto mantém a entrada de luz, a fabricante também poderá colocar este componente em um espaço ainda menor, ou então aumentar a resolução e seguir ocupando o mesmo na carcaça do aparelho – eu aposto mais no segundo cenário, perfeito para o marketing.

Ainda não existe previsão de lançamento do primeiro smartphone da empresa, ou de concorrentes, com esta nova tecnologia Isocell 2.0. Como a Samsung utiliza apenas dois espaços do ano para lançar seus principais aparelhos, sendo o primeiro semestre para a linha S e o segundo para a Note (que pode ser substituída pelos dobráveis), a marca coreana pode testar o sensor em um aparelho intermediário premium para só depois colocar em um topo de linha.

Pode parecer loucura, mas ela já fez isso no passado com a linha Galaxy A. O Galaxy Alpha recebeu corpo em metal antes dos primeiros Galaxy S ou Note. O Galaxy A80 foi o primeiro (e até agora único) celular com câmera giratória da marca.

Com informações: Samsung.