Brasileiro vira CEO da Qualcomm e promete desbancar Apple M1

Brasileiro, Cristiano Amon é o novo CEO da Qualcomm; executivo acredita que companhia pode criar chip capaz de bater M1

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos
Cristiano Amon (imagem: divulgação/Qualcomm)
Cristiano Amon (imagem: divulgação/Qualcomm)

É oficial: o brasileiro Cristiano Amon foi apresentado no último dia 30 como o novo CEO da Qualcomm. O executivo tem não só a missão de manter a companhia como referência no segmento de chips para celulares, mas também a de levá-la ao mercado de notebooks: Amon acredita que a Qualcomm pode desenvolver um chip capaz de fazer frente ao Apple M1.

Na verdade, notebooks não são um território inexplorado pela Qualcomm. A companhia desenvolveu, por exemplo, os chips Snapdragon 8cx Gen 2 e Snapdragon 7c Gen 2 com foco justamente nesse mercado. O problema é que essas soluções nunca registraram vendas expressivas.

A situação pode mudar em um futuro relativamente próximo por conta de um detalhe: em janeiro, a Qualcomm comprou a Nuvia, startup especializada em tecnologias para processadores. A empresa foi fundada por ex-engenheiros da Apple, com destaque para Gerard Williams III, que atuou como projetista de chips.

Amon liderou a aquisição da Nuvia, negócio que fez a Qualcomm desembolsar US$ 1,4 bilhão. A transação foi concluída porque, no entendimento do executivo, a companhia precisa desenvolver seu próprio silício se quiser competir com a Apple.

Em outras palavras, Amon entende que a Qualcomm precisa ser menos dependente da tecnologia da ARM.

O Apple M1 se destaca por aliar eficiência energética com alto desempenho, mas o novo CEO da Qualcomm dá a entender que, graças à incorporação da Nuvia, a companhia pode vir a ter o melhor chip do mercado. A expectativa é a de que as primeiras unidades que correspondam a essa previsão sejam lançadas em 2022.

Não que a estratégia de seguir por um caminho diferente seja definitiva. Amon deixou claro que, se a ARM desenvolver um projeto de CPU melhor do que aquele que a Qualcomm está criando, não haverá problema em adotá-lo.

Ainda de acordo com Amon, não está nos planos da Qualcomm explorar outro segmento em expansão: o de chips para datacenters. O executivo disse, no entanto, que a companhia está disposta a licenciar os projetos desenvolvidos pela Nuvia para empresas de computação nas nuvens que quiserem construir chips próprios.

Amon tem longa carreira na Qualcomm

Cristiano Amon é formado em engenharia elétrica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Ele foi diretor técnico da operadora móvel Vésper (adquirida pela Embratel) e trabalhou na NEC e Ericsson antes de ingressar na Qualcomm como engenheiro, em 1995.

O executivo brasileiro seguiu conquistando funções na companhia até assumir, no começo de 2018, o cargo de presidente executivo.

No começo de 2021, o conselho de administração da Qualcomm escolheu, por unanimidade, Amon como CEO da companhia. Ele substitui Steve Mollenkopf, que se aposentou após mais de 25 anos dedicados à empresa.

Com informações: Reuters.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados