iFood leva multa de R$ 1,5 mi por invasão que trocou nomes de restaurantes

Procon Carioca pede explicações sobre mensagens políticas e contra vacinas em nomes de restaurantes, mas iFood ignora

Giovanni Santa Rosa
Por

No começo de novembro, os nomes de vários restaurantes no iFood foram trocados por mensagens com ataques a políticos e a vacinas. Agora, o Procon Carioca resolveu multar a plataforma em R$ 1,5 milhão por causa do episódio.

iFood (imagem: Facebook/iFood)
iFood (Imagem: Facebook/iFood)

O órgão de defesa do consumidor pediu explicações à plataforma de delivery. A entidade considerou que era necessário esclarecer quais informações pessoais dos consumidores — incluindo documentos, endereços e dados de pagamento — são armazenadas e compartilhadas com terceiros.

A companhia também deveria dizer qual foi o tempo necessário para correção, quantas compras foram realizadas durante o período e quem foi a empresa prestadora de serviços que permitiu a mudança dos nomes.

Como o iFood não se manifestou, o Procon Carioca aplicou uma multa de R$ 1.508.240 como parte do processo administrativo.

Entenda o caso

No dia 2 de novembro, clientes do iFood notaram que nomes de vários restaurantes haviam sido trocados por mensagens políticas.

Entre os dizeres, havia críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), alusões ao assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e menções a uma possível reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL). Também foram vistas mensagens falsas sobre vacinas e até um “Prefiro Uber Eats”.

Restaurantes do iFood têm nomes alterados com ataques à políticos e à vacina (Imagem: Reprodução/Twitter)
Restaurantes do iFood têm nomes alterados com ataques à políticos e à vacina (Imagem: Reprodução/Twitter)

No mesmo dia, o iFood disse que a situação atingiu cerca de 6% dos estabelecimentos. A empresa explicou que o incidente foi causado por meio de uma conta de um funcionário de uma prestadora de serviço de atendimento.

A terceirizada atuava no auxílio aos comerciantes e, por isso, tinha a permissão para mudar as informações do cadastro. Esse acesso foi bloqueado, e os nomes dos restaurantes, reestabelecidos.

A plataforma de delivery disse ainda que não havia indícios de vazamento de dados de clientes e entregadores. A companhia enfatizou que os dados de pagamento ficam armazenados apenas nos próprios dispositivos dos consumidores.

Com informações: Procon Carioca.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Relacionados

Relacionados