EUA também querem exigir iPhones com recarga via USB-C

Grupo de senadores demanda estratégia para criar ou adotar conector universal de carregamento; iPhone e Lightning são alvos da medida

Giovanni Santa Rosa
Por

A União Europeia não está sozinha na briga para fazer a Apple adotar o USB-C nos iPhones. No que depender de um grupo de senadores democratas, os EUA também exigirão que os smartphones da marca usem o padrão. O objetivo é chegar a um plug de carregamento universal.

Cabos Lightning, do iPhone
Cabos Lightning, do iPhone (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

Em carta enviada a Secretária de Comércio Gina Raimondo, eles exigem que o departamento desenvolva uma estratégia para que todos os dispositivos móveis tenham uma porta de recarga comum.

O argumento é que carregadores proprietários, como o Lightning da Apple, geram lixo eletrônico desnecessariamente e fazem consumidores gastar mais, principalmente aqueles que têm aparelhos de diferentes marcas.

O documento não menciona explicitamente o USB-C. Ele pede uma estratégia abrangente, deixando a cargo do departamento até mesmo desenvolver seu padrão, se for o caso.

O grupo tem nomes como a senadora Elizabeth Warren e Bernie Sanders, que foram pré-candidatos democratas à presidência nas eleições de 2020. Warren, inclusive, tinha a divisão das big techs em empresas menores como uma de suas bandeiras de campanha.

União Europeia vai exigir USB-C em iPhones

A iniciativa dos democratas americanos vem uma semana após a União Europeia tomar o mesmo caminho.

Na terça-feira (7), o bloco anunciou que seus legisladores chegaram a um acordo para tornar a porta USB-C obrigatória para smartphones e mais produtos.

Ou seja, o iPhone vai precisar ter USB-C nos países do bloco.

A medida vai valer para celulares, tablets, câmeras, leitores de e-books, fones de ouvido, videogames portáteis e alto-falantes recarregáveis. Ela passa a valer no último trimestre de 2024.

Notebooks também serão incluídos, mas as fabricantes terão 40 meses para implementar o conector após a lei entrar em vigor.

O texto ainda precisa passar pelo Parlamento e pelo Conselho da União Europeia. Isso parece mera formalidade, porém.

Com informações: The Verge.