ChatGPT será investigado na Espanha por violação de privacidade de usuários

Órgão de proteção de dados da Espanha abriu investigação contra OpenAI, criadora do ChatGPT; Itália bloqueou IA no país por motivo similar

Felipe Freitas
Por
• Atualizado há 4 meses
Depois de investigação e bloqueio na Itália, agora é a vez da Espanha abrir um inquérito sobre o ChatGPT (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

O ChatGPT enfrenta mais um problema na Europa. A OpenAI, empresa responsável pela IA generativa, será alvo de investigação aberta pelo órgão da Espanha responsável por proteção de dados. Até o momento, a Agência Espanhola de Proteção de Dados (AEPD) não pediu o bloqueio do serviço em seu território.

Depois de ser bloqueado na Itália por possíveis violações de privacidade, o ChatGPT pode ver o mesmo acontecer no outro país. A AEPD investiga se a OpenAI está seguindo o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (GDPR, na sigla em inglês) da União Europeia. O regulamento aponta as obrigações que devem ser seguidas por todas as entidades, públicas e privadas, que atuam nos países membros da União Europeia (UE).

GDPR regula como dados de europeus são geridos por estrangeiros

A legislação da EU fiscaliza, entre outros pontos, como os dados de cidadãos dos países membros são geridos por empresas estrangeiras. Por exemplo, se uma instituição está exportando informações privadas para fora do continente. Logo, a OpenAI, que é americana, precisa ser transparente sobre como lida com os dados sigilosos dos europeus.

Nesse ponto, a Itália e a Espanha têm dúvidas se a OpenAI de fato protege as informações privadas dos usuários do ChatGPT. Para evitar qualquer problema com dados sigiloso sendo “mal geridos”, o órgão italiano responsável por fiscalizar a GDPR bloqueou a IA generativa no país. A Espanha, até o momento, não seguiu esses passos.

Órgão da União Europeia também investigará como a OpenAI utiliza os dados sigilosos (Imagem: Thijs ter Haar/Wikimedia Commons)
Órgão da União Europeia também investigará como a OpenAI utiliza os dados sigilosos (Imagem: Thijs ter Haar/Wikimedia Commons)

Entretanto, a AEPD tomou um passo importante: pediu que o Conselho Europeu de Proteção de Dados (EDPB na sigla em inglês), órgão da EU que fiscaliza o Regulamento, discutisse o ChatGPT em uma discussão de plenário.

O resultado do debate levou o EDPB a criar uma força-tarefa para investigar a gestão de dados privados pela OpenAI. A investigação do Conselho será paralela aos trabalhos da Espanha e da Itália.

Bug no ChatGPT revelou dados sigilosos de usuários

ChatGPT enfrentou outros problemas antes de investigações na Europa (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)
ChatGPT enfrentou outros problemas antes de investigações na Europa (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

No dia 20 de março, um bug no ChatGPT permitiu que os e-mails de confirmação do ChatGPT Plus, com dados pessoais, fossem enviados aos assinantes errados. O problema também permitia que a primeira mensagem de uma conversa fosse acessada por outro usuário, mas só se as duas contas estivessem online ao mesmo tempo.

Para resolver o bug, a OpenAI deixou o ChatGPT fora do ar durante boa parte do dia 20 de março. Quatro dias depois, a empresa confirmou a razão de ter “desligado” a IA por várias horas. O caso foi um dos argumentos usados pela Itália para bloquear o serviço no país.

Com informações: Tech Crunch

Receba mais sobre ChatGPT na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Felipe Freitas

Felipe Freitas

Repórter

Felipe Freitas é jornalista graduado pela UFSC, interessado em tecnologia e suas aplicações para um mundo melhor. Na cobertura tech desde 2021 e micreiro desde 1998, quando seu pai trouxe um PC para casa pela primeira vez. Passou pelo Adrenaline/Mundo Conectado. Participou da confecção de reviews de smartphones e outros aparelhos.

Relacionados