Após pedir pausa no desenvolvimento de IA, Musk quer desenvolver IA no Twitter

Bilionário comprou milhares de GPUs para os datacenters da rede social; IA poderia melhorar busca e ferramentas para anunciantes

Giovanni Santa Rosa
Por
• Atualizado há 7 meses
Elon Musk (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Elon Musk (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

No mês passado, Elon Musk pediu uma pausa no desenvolvimento de inteligências artificiais generativas, como o ChatGPT e o Dall-E. Ninguém topou. Agora, ele também vai embarcar neste trem. Segundo informações de bastidores, o bilionário comprou 10 mil GPUs para um projeto do tipo, envolvendo o Twitter.

As informações vêm de uma reportagem da Business Insider. As GPUs seriam instaladas nos dois datacenters que o Twitter ainda possui.

Segundo as fontes ouvidas, Musk estaria comprometido com o projeto. Além disso, o Twitter não teria por que comprar tantas GPUs de nível de datacenter — a única explicação, mesmo, é desenvolver inteligência artificial.

A IA generativa do Twitter seria treinada com a enorme quantidade de dados que a rede social possui. O uso, por outro lado, não está claro no momento. A Business Insider especula algumas possibilidades, como melhorar a busca da plataforma ou ajudar os anunciantes a criar campanhas.

Musk e pesquisadores queriam pausa na IA

Se não pode vencê-los, junte-se a eles? Parece que foi isso que passou pela cabeça de Elon Musk.

No fim de março de 2023, o empreendedor e outras grandes figuras da tecnologia pediram uma pausa no treinamento de inteligências artificiais generativas, como o GPT (que serve de base para o ChatGPT) e o Dall-E.

Para os signatários, a corrida no desenvolvimento de tecnologias está fora do controle, e ninguém entende ou sabe como controlar esses sistemas — nem os próprios criadores.

A pausa serviria para a discussão de padrões éticos e técnicos compartilhados. Caso as empresas não concordassem, caberia aos governos exigir isso. No entanto, não houve movimentações nesse sentido em nenhum dos lados.

Bilionário é co-fundador da OpenAI

As críticas de Musk ao desenvolvimento da IA não são novas. Em 2017, ele já defendia que o setor fosse regulado antes que os danos causados por efeitos colaterais fossem muito grandes.

Musk é um dos co-fundadores da OpenAI, que desenvolveu o ChatGPT. Segundo informações de bastidores, ele tentou assumir o controle da organização em 2018, sem sucesso, e se afastou desde então.

Sem um de seus principais financiadores, a OpenAI, criada como uma entidade sem fins lucrativos, abriu uma empresa que permite lucros limitados, e encontrou na Microsoft uma nova investidora, disposta a injetar bilhões de dólares.

PowerPoint com Copilot gera apresentações a partir de pedidos do usuário ou documentos
PowerPoint com Copilot gera apresentações a partir de pedidos do usuário ou documentos (Imagem: Divulgação/Microsoft)

Hoje, as ferramentas de inteligência artificial estão sendo integradas a vários produtos da companhia de Redmond, como o Bing, o Edge, o Office e o Azure.

Musk, por sua vez, critica que a tecnologia da OpenAI se tornou fechada, voltada ao máximo lucro e controlada por uma única empresa.

Sem sucesso no pedido de pausa, talvez ele queira tentar bater de frente com sua antiga organização.

Com informações: Business Insider, Engadget

Relacionados