ChatGPT foi banido na Itália e está sendo investigado pelas autoridades do país

Por não respeitar a legislação de privacidade italiana, o ChatGPT está bloqueado no país; OpenAI não realizou nenhum comentário sobre o assunto

Ricardo Syozi
Por
ChatGPT está proibido na Itália (Imagem: Unsplash / Emiliano Vittoriosi)

Na sexta-feira (31), o ChatGPT foi banido da Itália. A Agência de Proteção de Dados do país europeu ordenou o bloqueio imediato e provisório do chatbot ao acusar a desenvolvedora, OpenAI, de “recolhimento ilegal de informações pessoais”. Assim, a companhia estadunidense deve comunicar dentro do prazo de 20 dias as medidas que tomará sobre a solicitação da instituição.

O banimento foi informado através de um comunicado divulgado pela entidade italiana. O documento pede pelo bloqueio temporário do serviço de inteligência artificial “até que ele respeite a disciplina de privacidade”. Ao mesmo tempo, a Agência de Proteção de Dados da Itália afirmou que abriu uma investigação.

Um ponto mencionado é que falta informação para quem utiliza o chatbot, pois a OpenAI não teria uma base legal que justifique o recolhimento e armazenamento de dados pessoais para “treinar os algoritmos subjacentes ao funcionamento da plataforma”.

Além disso, a entidade afirma que o serviço não consegue verificar a idade dos usuários, “expondo os menores a respostas que são absolutamente inadequadas no que diz respeito ao seu grau de desenvolvimento e autoconsciência”. Vale lembrar que, de acordo com as políticas do ChatGPT, apenas pessoas acima de 13 anos podem usar o aplicativo.

Por fim, a empresa norte-americana deve comunicar quais serão as medidas que deverá tomar para corresponder com os pedidos das autoridades italianas. O prazo é de 20 dias, “sob pena de uma penalização de até 20 milhões de euros ou até 4% do volume de negócios global anual da marca.”

inteligência artificial
O robô não está bem visto na Itália (Imagem: Alex Knight/Pexels)

Bug ocorrido em março se tornou argumento para banimento

No comunicado, a Agência de Proteção de Dados da Itália também destacou que no dia 20 de março, uma falha no ChatGPT levou ao vazamento de dados dos usuários.

Inicialmente, o chatbot simplesmente saiu do ar, mas logo foi descoberta um bug que mostrava os títulos das conversas de outros usuários do app. Alguns dias depois, a OpenAI revelou que o defeito acabou vazando 1,2% de informações privadas das pessoas que estava utilizando o serviço no fatídico dia.

Tudo ocorreu em um período de 9 horas, no qual diversos assinantes do ChatGPT Plus sofreram o vazamento de dados, como nome, sobrenome, e-mail, endereço de cobrança e os últimos quatro dígitos do cartão.

A companhia não divulgou um número exato de indivíduos afetados pela falha.

Com informações: Politico.

Relacionados