AutoGPT promete ser mais “poderoso” que ChatGPT

Nova inteligência artificial que “bombou” nas redes utiliza a mesma tecnologia do ChatGPT, mas AutoGPT busca desempenho mais autônomo

Felipe Freitas
Por
Robô humanoide sentado e segurando tela
AutoGPT é uma IA generativa com foco em desempenho mais autônomo (Imagem: Andrea De Santis / Unsplash)

Inteligência artificial é um dos assuntos mais populares da atualidade. Depois do ChatGPT, Bing Chat e Bard, o AutoGPT é quem gerou um burburinho nos últimos dias. Utilizando o motor GPT-4 da OpenAI, o mesmo dos seus dois primeiros rivais listados, a nova IA promete ser mais autônoma que a concorrência. 

A proposta do AutoGPT é ser mais eficiente com um único prompt (comando dado a IA para que ela gere uma resposta). A resposta dada pela IA pode ser usada automaticamente como um novo comando. Um exemplo dado no site oficial da inteligência é a organização de uma festa.

No ChatGPT, ele faria a sugestão de um tema, de lista de convidados e decorações. Porém, ele não seria capaz de comprar os itens e enviar os convites. Já o AutoGPT, sim. Através de um recurso chamado de agente IA (tradução livre), a inteligência artificial pode comprar os produtos da festinha. O AutoGPT pede permissão para executar essas tarefas.

AutoGPT pode até editar seu próprio código

A inteligência artificial é capaz de escrever seu próprio código, corrigir erros e rodar scripts em Python. Desse modo, o AutoGPT pode se desenvolver sozinho.

O exemplo foi dado por um usuário do Twitter envolvido no desenvolvimento da IA. Por mais que isso seja notável, é importante lembrar que o ChatGPT também escreve códigos. Porém, inteligências artificiais ainda cometem erros na produção de códigos, resta saber se o AutoGPT erra menos.

Em outro caso, um usuário do AutoGPT pediu que a IA criasse um aplicativo. Ao perceber que o Node.js não estava instalado, a inteligência artificial buscou o programa no Google, instalou e deu sequência no desenvolvimento do app.

O desempenho da IA impressiona pela sua autonomia e redução da interação com o usuário. Ele não difere muito dos seus concorrentes, pode ser usado para produzir imagens, respostas com base em conteúdos na internet e servir de ajudante em tarefas diárias. Todavia, ainda é um projeto experimental e em fase inicial.

Por enquanto, ele não deve se tornar tão popular como o ChatGPT e Bing Chat. Afinal, ele não é acessível com “um clique” através de uma página.

AutoGPT não é tão simples como seus concorrentes

O AutoGPT foi disponibilizado no GitHub e exige um “certo trabalho” para usar. Ao invés de acessar a IA por um site, você precisa do Python 3.8 (ou superior) uma chave da API da OpenAI e da API da Pinecone. Se você quiser que o AutoGPT fale, precisa da API da ElevenLabs.

É necessário um conhecimento de Python para gerar os prompts para o AutoGPT (mas não peça para o ChatGPT ou Bing Chat lhe ensinar programação). A chave da API da OpenAI pode ser adquirida com uma assinatura do ChatGPT Plus.

Com informações: AutoGPT

Receba mais sobre ChatGPT na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Felipe Freitas

Felipe Freitas

Repórter

Felipe Freitas é jornalista graduado pela UFSC, interessado em tecnologia e suas aplicações para um mundo melhor. Na cobertura tech desde 2021 e micreiro desde 1998, quando seu pai trouxe um PC para casa pela primeira vez. Passou pelo Adrenaline/Mundo Conectado. Participou da confecção de reviews de smartphones e outros aparelhos.

Relacionados