DeepMind vai ajudar Google na corrida contra a OpenAI pelo futuro da IA

Laboratório de pesquisa e desenvolvimento agora faz parte de uma divisão do Google, voltada para produtos e aplicações práticas

Giovanni Santa Rosa
Por
Logotipo do Google
Google (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A briga pelo futuro da inteligência artificial está só começando, e cada empresa tenta reunir o que tem de melhor. O Google, por exemplo, vai incorporar o laboratório DeepMind ao Brain, sua equipe de pesquisa em IA. A nova unidade se chamará Google DeepMind.

Demis Hassabis, CEO da DeepMind, terá o mesmo cargo no Google DeepMind. Já Jeff Dean, co-fundador da equipe Brain, será o cientista-chefe da Google Research e do Google DeepMind.

“Juntos, colaborando com nossos fantásticos colegas das áreas de produto do Google, temos uma oportunidade real para melhorar consideravelmente as vidas de bilhões de pessoas, transformar indústrias, levar a ciência adiante e ajudar comunidades diversas”, declarou Hassabis.

Nos últimos meses, o lançamento do ChatGPT colocou o Google em alerta.

A empresa estava acostumada a desenvolver inteligências artificiais para seu motor de buscas, “entendendo” conteúdo de páginas e buscas de usuários. Transformá-las em produtos para o usuário, porém, é algo novo.

Mesmo assim, o Google reagiu e vem liberando o Bard, seu chatbot com IA, aos poucos.

O lançamento foi cheio de problemas, como respostas erradas do programa e insatisfação de funcionários. Apesar disso, o CEO Sundar Pichai garante que sua empresa tem a melhor inteligência artificial do mercado.

A chegada da equipe da DeepMind pode ser vista nesse sentido: reforçar o desenvolvimento das tecnologias de IA para não ficar atrás da Microsoft e da OpenAI na corrida.

DeepMind era científica e queria mais independência

Dá para entender a declaração de Hassabis como um aviso que, daqui em diante, as tecnologias desenvolvidas serão voltadas para produtos e aplicações práticas.

Isso não é exatamente novidade: a DeepMind já realizou trabalhos para aumentar a duração da bateria dos smartphones com Android e reduzir o consumo de energia nos data centers da empresa. Mesmo assim, o foco era muito mais acadêmico e científico.

Como lembra o site The Verge, Google e DeepMind tinham um relacionamento tenso. Enquanto o laboratório tinha alguns dos melhores pesquisadores do mundo e uma reputação científica enorme, ele dava prejuízo, e era a gigante das buscas era quem pagava as contas.

Em 2021, o Google teria rejeitado um pedido da DeepMind para se tornar uma instituição sem fins lucrativos e ter mais independência.

Christopher Manning, diretor do Laboratório de Inteligência Artificial de Stanford, avalia que a fusão pode ser mais difícil do que parece. “Estrategicamente, faz sentido. Taticamente, será difícil gerenciar as diferenças organizacionais e culturais”, diz o cientista ao Wall Street Journal.

A DeepMind ficou famosa quando seu AlphaGo venceu um jogo de go contra o campeão mundial Lee Sedol. Outros feitos do laboratório foram o AlphaZero, que usou aprendizado por reforço para jogar go, xadrez e shogi, e o AlphaFold, especializado em enovelamento de proteínas.

Fundada em 2010 no Reino Unido, a DeepMind comprada pelo Google em 2014. No ano seguinte, a reestruturação corporativa formou o conglomerado Alphabet, com Google e DeepMind como subsidiárias separadas. Agora, elas estão novamente unidas.

Com informações: The Wall Street Journal, The Verge

Receba mais sobre DeepMind na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados