Bolsa brasileira B3 vai receber primeiro ETF de ether da América Latina

QR Asset Management recebeu autorização da CVM para criar o primeiro ETF de ether (ETH) da América Latina, a ser oferecido na B3 sob o ticker QETH11

Bruno Ignacio
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Ether, criptomoeda nativa da rede Ethereum (Imagem: Moose Photos/Pexels)
Ether, criptomoeda nativa da rede Ethereum (Imagem: Moose Photos/Pexels)

A QR Asset Management divulgou nesta última terça-feira (13) a aprovação pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) do primeiro ETF (Exchange-traded fund) de ether (ETH) da América Latina, operando sob o ticker QETH11. A empresa também lançou o QBTC11, ETF de bitcoin (BTC), no mês passado, que se tornou o primeiro fundo brasileiro a investir 100% de seu patrimônio na criptomoeda.

O ETF de ether vai replicar o preço do segundo maior ativo digital do mercado, operando com base no índice “CME CF Ether Reference Rate”, considerado um dos mais seguros do mercado e que é usado pela maior bolsa de derivativos do mundo, a Chicago Mercantile Exchange Group (CME).

ETF é alternativa de investimento em criptomoedas

Esse tipo de fundo de investimento vem se tornando cada vez mais popular no Brasil e no mundo todo. No mercado de criptomoedas, um ETF é uma opção mais simples e segura de se investir em ativos digitais como o bitcoin e ether, uma vez que dispensa a necessidade de acessar corretoras e guardar chaves privadas de carteiras digitais.

A CVM aprovou a criação do fundo de ether pela QR Asset Management, mas ainda não há uma previsão para a listagem do ETF QETH11 na bolsa de valores brasileira B3. “O investidor brasileiro agora tem a possibilidade de exposição aos dois maiores e mais valiosos ativos digitais do mundo, de forma regulada, simples e segura”, afirmou a empresa em comunicado à imprensa.

“Não é mais necessário cadastro em exchanges, criação de chaves privadas ou preocupação com custódia segura, uma vez que o fundo conta com custódia de nível institucional em deep cold storage, provida pela Gemini, empresa especializada em custódia de criptoativos fundada pelos gêmeos Winklevoss, serviço pouco acessível ao investidor comum”, concluiu a QR Asset.

Agora, a empresa oferece fundos de investimento nas duas maiores criptomoedas do mercado. “Assim, buscando dar mais autonomia para os investidores, a QR Asset consolida a estratégia de ETFs monoativos ao devolver o poder de escolha aos seus clientes”, disse a gestora em publicação no Twitter.

O Brasil vem se tornando pioneiro na criação de ETFs alocados em ativos digitais. Os Estados Unidos, por exemplo, ainda não aprovou nenhum produto financeiro do tipo no país. No mundo todo, somente o Canadá possui um fundo que investe em ether.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Bruno Ignacio

Bruno Ignacio

Ex-autor

Bruno Ignacio é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero. Cobre tecnologia desde 2018 e se especializou na cobertura de criptomoedas e blockchain, após fazer um curso no MIT sobre o assunto. Passou pelo jornal japonês The Asahi Shimbun, onde cobriu política, economia e grandes eventos na América Latina. No Tecnoblog, foi autor entre 2021 e 2022. Já escreveu para o Portal do Bitcoin e nas horas vagas está maratonando Star Wars ou jogando Genshin Impact.

Canal Exclusivo

Relacionados