Google revela novo app Gemini para concorrer com ChatGPT e Copilot

IA generativa ganha app oficial no Android. Usuários de iPhone poderão interagir com chatbot a partir do app oficial do Google.

Thássius Veloso
Por
Marca do Gemini em cores claras, num fundo azul
Chatbot Gemini ganha aplicativo próprio e substitui Google Assistente (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O Google anunciou a adoção do nome Gemini para as ferramentas de inteligência artificial da empresa e o fim da marca Bard. A partir desta quinta-feira (08), os consumidores perceberão a transição, considerada uma das mais importantes da história do Google pela vice-presidente Sissie Hsiao.

Em resumo, o Google revelou o seguinte:

  1. O Bard passa a se chamar Gemini e ganha um app dedicado a ele no Android
  2. O serviço Google One estreia um plano com inteligência artificial generativa de alta capacidade, o Google One AI Premium, com preço fixado em R$ 96,99/mês no Brasil
  3. O Google Assistente passa a ser alimentado pelo modelo do Gemini
  4. O Duet AI se torna Gemini nos aplicativos do Google Workspace e do Google Cloud (incluindo o Gmail e Google o Docs)
  5. Os anúncios de hoje não impactam o site e o app de busca do Google

O que é Google Gemini?

O Google anunciou em dezembro de 2023 o lançamento do Gemini, um novo modelo de linguagem considerado poderoso por ser multimodal. Ou seja, ele consegue entender interações em texto, áudio ou imagem. De modo simplificado, seria o equivalente ao GPT-4, o mais avançado LLM da rival OpenAI.

O Gemini se divide em três versões distintas: a Nano, a tradicional e a Advanced (antiga Ultra). Cada qual tem suas próprias características, como maior velocidade de processamento ou maior capacidade de encarar atividades complexas. Depois de dois meses, a empresa decidiu levar o Gemini a diversos produtos e plataformas que já estão disponíveis para os usuários.

Print do Gmail
IA generativa do Gemini no Gmail (Imagem: Divulgação/Google)

O CEO Sundar Pichai explicou num comunicado que o então Gemini Ultra passa a se chamar Gemini Advanced. O modelo está mais ágil em atividades que exijam “raciocinar, seguir instruções, codificação e colaboração criativa”. Por enquanto, ele funciona somente em inglês, mas pode ser acessado em 150 territórios, inclusive o Brasil. Ainda não se sabe quando começará a falar português. Os próximos idiomas do Gemini Advanced serão japonês e coreano.

Aliás, a pronúncia de Gemini em inglês é jeh-muh-nai. Os adeptos da astrologia provavelmente já sacaram que tem a ver com o signo de Gêmeos naquele idioma.

O novo aplicativo do Gemini

Eu participei de uma entrevista coletiva nesta quarta-feira (07), na qual executivos do Google explicaram as variadas mudanças e adaptações para a chegada do modelo de linguagem Gemini. Os usuários de Android irão contar com um aplicativo dedicado à IA, nos mesmos modelos do que a Microsoft fez ao anunciar o app do Copilot.

Nele, será possível interagir por meio de texto, voz ou imagem, conforme mencionei acima. Todo o processamento ocorre na nuvem. Somente o smartphone Pixel 8 Pro, do próprio Google, conta com uma IA embarcada diretamente no aparelho.

Os recursos do Gemini no mobile estarão disponíveis em celulares com no mínimo Android 12 e memória RAM de 4 GB.

Usuários de iPhone (iOS) poderão acionar o Gemini por meio do aplicativo oficial do Google. Não será necessário instalar nada novo.

A equipe do Google me explicou que o app oficial é muito popular entre os adeptos do ambiente Apple. “Conforme tivermos retorno dos usuários e o que funciona melhor para ele, nós poderemos melhorar a experiência com o passar do tempo”, diz o Google ao Tecnoblog.

É necessário um iPhone com iOS 16 ou posterior para acessar as funções do novo modelo de linguagem.

GIF mostra app oficial do Google no iPhone
Gemini terá aba no aplicativo do Google para iPhone (Imagem: Divulgação/Google)

Novo site do Gemini

Print de site
Interface do site do Gemini (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)
Print do site do Gemini
Print do site do Gemini

O Gemini será acessado no computador pelo endereço gemini.google.com. Com essa mudança, a página em bard.google.com sai de cena. Num teste inicial, notei que o sistema está rápido em escrever as respostas. Ele traz o botão do Google, que checa as informações dispostas na resposta e informa os links para conteúdos que embasam as afirmações.

A página informa que as conversas são processadas por seres humanos com o objetivo de aprimorar a tecnologia do Gemini. O Google recomenda que os usuários não insiram dados confidenciais.

Receba mais sobre Google na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Thássius Veloso

Thássius Veloso

Editor

Thássius Veloso é jornalista especializado em tecnologia e editor do Tecnoblog. Desde 2008, participa das principais feiras de eletrônicos, TI e inovação. Também atua como comentarista da GloboNews, palestrante, mediador e apresentador de eventos. Tem passagem pela CBN e pelo TechTudo. Já apareceu no Jornal Nacional, da TV Globo, e publicou artigos na Galileu e no jornal O Globo. Ganhou o Prêmio Especialistas em duas ocasiões e foi indicado diversas vezes ao Prêmio Comunique-se.

Canal Exclusivo

Relacionados