Foram meses de desenvolvimento, testes e ajustes, mas o dia finalmente chegou: nesta terça-feira (14), a Mozilla lançou a versão final do Firefox 57, também chamada de Firefox Quantum. O uso de um nome especial já deixa claro que esta não é uma atualização simples: além de trazer interface renovada, o novo navegador promete menos consumo de RAM e mais velocidade.

É verdade que, independente do navegador, quase toda atualização vem com promessas ligadas ao desempenho. Só que, no caso do Firefox Quantum, as promessas não são vazias: muita gente que testou a versão beta da versão 57 (liberada em setembro) percebeu que o navegador está mesmo mais esperto no uso de memória RAM e no processamento.

Naturalmente, a primeira mudança que a gente percebe é a interface. Não poderia ser diferente: ela tem como base o Project Photon, que deixa o navegador com ar mais minimalista e, ao mesmo tempo, funcional.

Firefox Quantum

Os efeitos dessa mudança são estes: as linhas arredondadas que por muito tempo foram padrão no Firefox cederam espaço para traços retos, os ícones agora têm alto contraste, os menus foram reorganizados, o campo de pesquisa foi integrado à barra de endereços (mas dá para trazê-lo de volta) e os efeitos de transição estão mais suaves. A integração com o Pocket está lá (o serviço foi comprado pela Mozilla no início do ano), assim como o modo de leitura.

Mas é no uso em si que o Firefox Quantum promete mostrar a que veio. Há algum tempo que a Mozilla destaca que a nova versão consome até 30% menos memória RAM do que o Chrome. Uma das razões para isso, de acordo com a organização, é o fato de o Firefox criar, desde a versão 54 (oficialmente), quatro processos (é possível aumentar esse número) e distribuir as abas abertas entre eles de modo otimizado. Já o Chrome, vale lembrar, cria um processo para cada aba.

Firefox - memória

Quanto ao desempenho geral, a Mozilla fala que o Firefox Quantum consegue ser até duas vezes mais rápido que o Firefox 52 (lançado no ano passado). Vários recursos explicam essa diferença. Um dos mais importantes é o Quantum CSS, novo motor de renderização de CSS desenvolvido com base na linguagem Rust.

O quesito segurança não foi esquecido. O Firefox 57 permite, por exemplo, que a proteção contra rastreamento (Tracking Protection) esteja sempre funcionando, não se limitando a abas privativas. Essa opção, porém, precisa ser ativada nas configurações do navegador.

Além de ajudar na privacidade e segurança, o Tracking Protection pode diminuir o tempo de carregamento da página em até 44% ao bloquear scripts e outros recursos usados para coleta de dados de navegação. Caso alguma página importante deixe de funcionar adequadamente por conta disso, é possível colocá-la em uma lista de exceções.

Mudanças tão expressivas costumam ter efeitos colaterais. Aqui não foi diferente. O Firefox tem um gigantesco ecossistema de extensões, mas milhares delas ainda não foram adequadas para as APIs WebExtensions, que são a base do Quantum. Isso significa que, ao migrar para a nova versão do navegador, muitas extensões podem simplesmente não funcionar. Mas é um problema a ser resolvido com o tempo. Por ora, dá para saber quais extensões são compatíveis aqui.

A versão final do Firefox 57 está disponível para Windows, Linux e macOS. Versões móveis estão sendo liberadas gradativamente.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados