Huawei vende marca de celulares Honor em meio a sanções dos EUA

Venda da Honor visa salvar marca das restrições que Huawei sofre dos EUA; negócio foi avaliado em US$ 15 bilhões

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Honor 9A (imagem: reprodução/Huawei)
Honor 9A (imagem: reprodução/Huawei)

Depois dos rumores, a confirmação: nesta terça-feira (17), a Huawei Technologies vendeu a Honor, divisão dedicada a celulares de custo médio para baixo. O comprador é um consórcio formado por cerca de 40 empresas chinesas. Trata-se de um movimento que visa salvar a marca das sanções comerciais que os Estados Unidos direcionam à Huawei.

A Honor é pouco conhecida no Brasil, mas tem presença expressiva na China, sudeste da Ásia e parte da Europa. Estima-se que, somente no segundo trimestre de 2020, a marca tenha comercializado 14,6 milhões de celulares. Todos são voltados ao público jovem e a consumidores com orçamento restrito.

Para uma marca que surgiu em 2013, a Honor tem desempenho notável, tanto que a venda parece não ter lógica. Mas tem. As sanções enfrentadas pela Huawei impendem a companhia de obter componentes em número suficiente para dar conta de sua produção. Diante dessas circunstâncias, vender a Honor é a melhor forma de preservar a divisão e evitar que fornecedores sejam prejudicados indiretamente pelas restrições.

Não que a Huawei esteja desistindo de celulares. Mas, frente a tantas restrições, a companhia deverá priorizar apenas smartphones de alto desempenho a partir de 2021.

Quando a venda for concluída, a Huawei não terá mais nenhum vínculo com a Honor. Além da marca em si, o negócio inclui o centro de pesquisa e desenvolvimento da divisão, o controle da cadeia de suprimentos e a transferência de aproximadamente 7 mil funcionários.

O consórcio comprador é formado principalmente por distribuidores e fornecedores que já trabalham com a Honor. Alguns dos participantes são empresas apoiadas pelo governo de Shenzhen, cidade situada no sudeste da China.

Nenhuma das partes revelou o valor da aquisição, mas estima-se que o consórcio pagará 100 bilhões de iuanes em dinheiro pela Honor, montante equivalente a US$ 15 bilhões. Uma empresa de nome Shenzhen Zhixin New Information Technology será criada pelo consórcio para concluir e comandar o negócio.

Com informações: XDA Developers, Reuters.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados