Ilha no Caribe deve faturar mais de US$ 25 milhões com domínio usado por IA

Anguila, território ultramarino britânico com 15 mil habitantes, administra o domínio de internet .ai. Número de sites registrados dobrou no ano passado.

Giovanni Santa Rosa
Por
• Atualizado há 8 meses
Vista aérea das praias da ilha de Anguila
Vista aérea de Anguila (Imagem: Roy Googin/Wikimedia Commons)

Você sabe onde fica Anguila? Eu jamais saberia apontar no mapa. Esta pequena ilha caribenha de 15 mil habitantes deve ganhar uma bela grana nos próximos anos. Ela detém a um tesouro improvável: seu domínio de internet, o .ai, muito usado por empresas de inteligência artificial.

Desde os anos 1990, Anguila recebeu o domínio .ai para representar os endereços de sites do país. É igual o .br no Brasil.

Em inglês, inteligencia artificial é “artificial intelligence”, e a sigla AI é muito usada. Logo, as empresas do setor se interessaram. Como este campo está em alta, a tendência é que este número cresça.

Stability.ai, X.ai e Character.ai são alguns exemplos de empresas que se aproveitaram do .ai no nome e no domínio.

Mesmo gigantes como Google e Meta têm os endereços Google.ai e Facebook.ai para as páginas de iniciativas neste campo. A Microsoft.ai, por exemplo, usa a URL para mostrar os serviços de IA da Azure.

Segundo Vince Cate, engenheiro de software que trabalha como um dos administradores do domínio .ai, são 287.432 sites registrados. O número dobrou no último ano.

O país aproveitou o boom da inteligência artificial para subir o preço em meados de abril: de US$ 120 para US$ 140 por dois anos de registro.

Cate estima que os direitos do .ai vão render entre US$ 25 milhões e US$ 30 milhões para Anguila em 2023, contra US$ 6,9 milhões em 2022. Essa cifra é bem relevante: o produto interno bruto (PIB) do país é de cerca de US$ 300 milhões anuais, e as receitas recorrentes no orçamento estão estimadas em US$ 107 milhões.

Domínios de Tuvalu e Montserrat também despertam interesse

Anguila não está sozinha entre os países minúsculos com domínios que interessam empresas de outros lugares.

Um exemplo é Tuvalu. O pequeno país da região da Polinésia, com 11 mil habitantes, é o detentor do .tv, usado por emissoras de todo o mundo. Assim como acontece em Anguila, o registo é uma das principais fontes de receita do governo.

Outro caso é Antígua e Barbuda. O país caribenho detém o domínio .ag. Pode não parecer muito interessante, mas ele é bastante usado por empresas alemãs, por causa do termo “Aktiengesellschaft”. Ele equivalente a uma “sociedade anônima” aqui no Brasil — ou seja, o .ag é para eles o que o .sa seria para nós.

Já Montserrat tem o domínio .ms. A principal empresa a usá-lo é a Microsoft, como encurtador de URLs em vários serviços.

Com informações: Bloomberg

Receba mais sobre Inteligência Artificial na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados