Netflix vai expandir combate a compartilhamento de senha até março

Recursos para evitar o empréstimo de contas da Netflix será expandido para mais pessoas ao longo do primeiro trimestre de 2023

Bruno Gall De Blasi
Por
Logotipo da Netflix com pipoca
Netflix (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Netflix está dando novos passos na saga para impedir o compartilhamento de senhas. A plataforma de streaming informou que pretende levar as medidas para conter o uso de contas em endereços diferentes para mais pessoas. O anúncio parte do relatório financeiro do quarto trimestre de 2022 revelado nesta quinta-feira (19).

No documento, a empresa ressaltou que a prática “prejudica nossa capacidade de longo prazo de investir e melhorar a Netflix, bem como de desenvolver nossos negócios”. Por isso, a companhia está tomando medidas para evitar que os usuários emprestem contas para amigos e afins.

As medidas de contenção já estão em ação em alguns países de América Latina desde junho de 2022. Agora, a companhia quer implementar o compartilhamento pago de forma mais ampla até o fim do primeiro trimestre de 2023 – ou seja, 31 de março.

“Embora nossos termos de uso limitem o uso da Netflix a uma família, reconhecemos que essa é uma mudança para membros que compartilham suas contas de forma mais ampla”, explicaram.

YouTube e Netflix na tela
YouTube e Netflix na tela (Imagem: yousafbhutta / Pixabay)

Plataforma quer cobrar por endereço extra

O comunicado não traz lá muitos detalhes técnicos sobre a aplicação do recurso. Mas a empresa indica que o padrão poderá ser semelhante ao que já foi aplicado na América Latina, que oferece uma opção para adicionar endereços extras para assistir aos conteúdos da plataforma.

Tudo isso mediante a uma taxa por endereço cadastrado, que chega varia entre R$ 9 e R$ 16 nos países que estão lidando com o experimento.

Conforme listado pelo flatpanelshd, empresa ainda implementou outros recursos, como os avisos para alertar o usuário sobre a mudança.

Os assinantes também poderão ver quais dispositivos estão conectados à conta para revogar o acesso remotamente.

Se alguém da sua família ou círculo de amigos tem um perfil na sua conta e deseja criar outra sem perder a lista de reprodução, também é possível transferir as informações para uma assinatura nova.

Netflix na App Store do iPad (Imagem: Souvik Banerjee / Unsplash)
Netflix na App Store do iPad (Imagem: Souvik Banerjee / Unsplash)

Você poderá usar a Netflix em viagens, pelo menos

Confesso que, desde o anúncio do valor extra para incluir endereços na Netflix, fiquei me perguntando: e se eu viajar? O que acontece?

Especialmente porque a Netflix vai utilizar informações do dispositivo, endereço IP e atividade da conta para determinar onde a reprodução está em ação.

Bem, a Netflix nos garantiu que, “como acontece hoje, todos os associados poderão assistir enquanto viajam, seja na TV ou no dispositivo móvel”. Ou seja, o streaming está garantido fora de casa.

Além disso, durante o experimento na América Latina, a empresa ressaltou que existe uma janela de duas semanas para o usuário assistir aos filmes e séries em outro endereço. Só depois disso que a empresa vai ofertar a contratação de um endereço extra.

Mesmo assim, tudo isso é muito confuso e até desestimula o uso da plataforma. Primeiro, por ser injusto com quem paga para compartilhar a conta entre pessoas da família, pois nem todos moram sob o mesmo teto – e não é por isso que deixam de ser família.

Em segundo lugar, os valores da Netflix são altos demais. O HBO Max, por exemplo, custa R$ 27,90 por mês e você ainda pode economizar ao optar pelos planos trimestral e anual. O Prime Video, por sua vez, custa R$ 14,90 e você ainda ganha frete grátis na Amazon.

Enquanto isso, o plano básico com anúncios da Netflix custa R$ 18,90 e sequer te oferece imagens em 1080p. Se você quer definição 1080p e a possibilidade de assistir em duas telas simultaneamente, o valor sobe para R$ 39,90 ao mês com o plano Básico.

Para se ter uma ideia, ao colocar mais R$ 2,90 no cálculo, você consegue assinar ao HBO Max e ao Prime Video por quase o mesmo preço.

Se continuar desse jeito, até a TV a cabo será mais vantajosa (contém ironia, pero no mucho).

Reed Hastings (Imagem: Kwaku Alston / Netflix)
Reed Hastings (Imagem: Kwaku Alston / Netflix)

Reed Hastings deixa o cargo de co-CEO

A Netflix aproveitou a ocasião para anunciar uma mudança de cargos dentro da companhia.

No balanço, a companhia informou que Reed Hasting se tornou o novo presidente executivo da Netflix. Antes, o cofundador da plataforma ocupava o cargo de co-CEO.

“Greg Peters passou de COO [diretor de operações] para se tornar co-CEO de Ted Sarandos e membro do conselho”, afirmaram. “Reed, Greg e Ted trabalham juntos há 15 anos, e isso torna formal externamente como temos operado internamente.”

Com informações: The Verge (1 e 2)

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Bruno Gall De Blasi

Bruno Gall De Blasi

Ex-autor

Bruno Gall De Blasi é jornalista e cobre tecnologia desde 2016. Sua paixão pelo assunto começou ainda na infância, quando descobriu "acidentalmente" que "FORMAT C:" apagava tudo. Antes de seguir carreira em comunicação, fez Ensino Médio Técnico em Mecatrônica com o sonho de virar engenheiro. Escreveu para o TechTudo e iHelpBR. No Tecnoblog, atuou como autor entre 2020 e 2023.

Canal Exclusivo

Relacionados