Nvidia diz que criptomoedas não trazem benefícios e defende uso de GPUs para IA

Executivo da empresa declarou que criptomoedas não trazem benefícios para a sociedade; GPUs da empresa estão entre as mais buscadas para mineração

Felipe Freitas
Por
• Atualizado há 4 meses
Nvidia placa de vídeo
Placa de vídeo Nvidia (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Se hoje comprar uma placa de vídeo é caro, em partes a culpa está na popularização das criptomoedas e a eficiência das GPUs Nvidia em minerá-las. Mas Michael Kagan, diretor de tecnologia da empresa, defende que o hardware deveria ser usado para inteligência artificial. Para Kagan, “criptos não trazem nada de útil para a sociedade, IA sim”.

A declaração do diretor da Nvidia foi dada em uma entrevista para o The Guardian, poucos dias depois do evento GTC 2023, organizado pela fabricante e cujo foco foi o uso de seus produtos em inteligência artificial. Apesar da sua fala, a Nvidia esteve intrinsecamente ligada ao boom de criptos nos últimos anos — tão ligada que foi multada por não informar o impacto da mineração em seu negócio.

Nvidia tentou dificultar mineração de criptos com suas GPUs

Além da recente declaração de Michael Kagan, outra ação da Nvidia contra a mineração de criptomoedas foi restringir o desempenho de suas placas de vídeo neste tipo de processamento. Em 2021, depois das críticas de gamers pelos preços absurdos das suas GPUs, a fabricante lançou as versões com baixa taxa de hash da linha RTX 3000.

Porém, uma versão beta de um driver da placa de vídeo RTX 3060 removia a restrição. No fim, a medida da Nvidia não foi nada eficiente — para a alegria do resultado financeiro e para tristeza dos gamers. Kagan reconheceu que se eles compram o seu produto, você o vende. “Mas você não precisa redirecionar o suporte da empresa para qualquer coisa”.

Em 2021, a Comissão de Valores Imobiliários dos Estados Unidos multou a Nvidia em US$ 5,5 milhões (aproximadamente R$ 28.811.750) por não ser transparente em informar o impacto do mercado de cripto em sua receita. A multa foi aplicada com base nos resultados financeiros de 2017 a 2018, quando uma queda nas cotações de criptomoedas fez as ações da Nvidia caírem.

"Maltrata quem te adora": Nvidia acha que cripto não traz nada útil para a sociedade, mas aproveitou a onda (Imagem: Divulgação/Nvidia)
“Maltrata quem te adora”: Nvidia acha que cripto não traz nada útil para a sociedade, mas aproveitou a onda (Imagem: Divulgação/Nvidia)

Nvidia quer reconhecimento pelo papel na evolução IA

A declaração de Kagan exaltando a tecnologia de inteligência artificial está em acordo com o discurso da empresa. Na GTC 2023, realizada na semana passada, a Nvidia destacou a sua importância na evolução das IAs. Para Jensen Huang, CEO e fundador da empresa, o momento de pioneirismo dessa tecnologia e da influência da companhia é como o seu “iPhone”.

A comparação de Huang leva em conta o sucesso que o ChatGPT e GPT-4, produtos da OpenAI, estão conquistando. O supercomputador DGX AI da Nvidia foi usado no desenvolvimento da tecnologia de IA geracional.

E por mais que as criptomoedas tenham alavancado a receita da empresa, o preço de suas GPUs focadas em processamento de IA é bem maior que um conjunto de dez RTX 3070 minerando. A Amazon, por exemplo, deve adquirir até 20.000 placas H100 — no lançamento, uma GPU do tipo custava por volta de US$ 30.000 (R$ 157.155).

Com informações: The Guardian e TechSpot

Receba mais sobre Nvidia na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Felipe Freitas

Felipe Freitas

Repórter

Felipe Freitas é jornalista graduado pela UFSC, interessado em tecnologia e suas aplicações para um mundo melhor. Na cobertura tech desde 2021 e micreiro desde 1998, quando seu pai trouxe um PC para casa pela primeira vez. Passou pelo Adrenaline/Mundo Conectado. Participou da confecção de reviews de smartphones e outros aparelhos.

Canal Exclusivo

Relacionados