Samsung deve lançar mais dois celulares dobráveis (mas tem que resolver uns perrengues antes)

Galaxy Fold é o primeiro de vários formatos dobráveis que podem surgir em breve

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Samsung Galaxy Fold

O Galaxy Fold deverá ser apenas o primeiro de vários celulares dobráveis que a Samsung planeja lançar no mercado. Até o início de 2020, a empresa pode revelar dois formatos diferentes: um modelo que dobra para fora, como o Huawei Mate X, além de um que dobra na vertical. Mas os coreanos precisam resolver alguns problemas até lá.

Com lançamento marcado para abril, o Galaxy Fold tem duas telas: uma de 4,6 polegadas que fica do lado de fora e outra interna, de 7,3 polegadas, para usar o celular como um tablet. Segundo a Bloomberg, um dos novos protótipos é equipado com uma única tela externa que dobra como a capa de um livro. Como ele não possui um display extra, seria mais fino que o Galaxy Fold, que tem 17 mm de espessura quando dobrado.

Já o outro smartphone flexível da Samsung dobra na vertical, lembrando os antigos celulares flip (e o aparelho dobrável registrado pela Motorola). O protótipo atual tem uma tela externa, de acordo com o veiculo, mas ela poderá ser removida até a versão final do produto dependendo da aceitação dos consumidores pelo Galaxy Fold.

O detalhe não muito legal do Galaxy Fold

Samsung Galaxy Fold

Enquanto a Samsung desenvolve novos formatos de celulares dobráveis, ela tem outros problemas para resolver, inclusive no próprio Galaxy Fold, que ainda nem chegou ao mercado. Oficialmente, a empresa afirma somente que a dobradiça do aparelho foi criada para suportar 200 mil usos, ou seja, sobrevive mais de cinco anos se você dobrar o aparelho 100 vezes por dia.

Mas a Bloomberg revela que a Samsung trabalha para eliminar um vinco que aparece na tela após ter sido dobrada cerca de 10 mil vezes — um problema que eu havia notado ao mexer no Royole FlexPai. A falha surge em uma película colada embaixo do display, que protege o sensor de toque. Para evitar usuários insatisfeitos, a Samsung estaria cogitando oferecer trocas de tela gratuitas após o lançamento oficial do Galaxy Fold.

Esse detalhe seria o motivo pelo qual ninguém conseguiu botar as mãos no Galaxy Fold. No evento em San Francisco, o aparelho dobrável nem sequer estava disponível na área de experimentação. Já na feira Mobile World Congress, em Barcelona, ele estava sendo exposto em uma redoma de vidro. Mas a Samsung diz que demonstrou o produto dessa forma porque queria focar as atenções no Galaxy S10.

Mesmo resolvendo os problemas, os celulares dobráveis deverão ser bem nichados por enquanto: a previsão da Samsung é vender mais de 1 milhão de aparelhos desse tipo até o final de 2019, enquanto cerca de 40 milhões de Galaxy S10 devem ir para as mãos dos consumidores no primeiro ano.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados