V.tal poderá comprar carteira de clientes da Oi Fibra

Rede neutra se compromete a adquirir unidade de clientes da Oi Fibra caso nenhum negócio não seja firmado; tele tem 4,3 milhões de assinantes de banda larga

Lucas Braga
Por
Logo da Oi ao lado de modem de fibra óptica
V.tal poderá assumir base de usuários de banda larga da Oi (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A situação financeira da Oi não é das melhores: após vender o braço de telefonia móvel para Claro, TIM e Vivo, a operadora passa por um segundo processo de recuperação judicial e deve se desfazer da carteira de clientes da Oi Fibra. Algumas conversas com interessados estão em andamento, mas a V.tal se comprometeu a adquirir o ativo caso nenhum negócio se concretize.

A V.tal é uma empresa que nasceu a partir da Oi, quando a companhia colocou à venda seus ativos de infraestrutura de fibra óptica. A tele tem participação na companhia em conjunto com um fundo do banco BTG Pactual.

No novo acordo, a V.tal se comprometeu aos credores da Oi que irá adquirir a unidade de clientes de fibra óptica em uma segunda rodada de aquisição. Isso significa que a companhia neutra passaria a ser responsável tanto pela rede como pela base de assinantes da Oi Fibra, mas somente caso nenhum outro negócio seja formado.

A V.tal afirma que aquisição da base de clientes seria em troca de determinados ativos e créditos. De acordo com os dados mais recentes da Anatel, a Oi Fibra possui 4,3 milhões de acessos e é a terceira maior operadora de banda larga fixa do Brasil.

No novo plano de recuperação judicial, a tele espera receber pelo menos R$ 7,3 bilhões com a venda da unidade de clientes de fibra óptica. Para tentar maximizar os valores, a Oi irá fatiar a Oi Fibra em regiões, podendo atrair empresas que querem focar a atuação em determinadas áreas em vez de um único player para o Brasil inteiro.

V.tal faz financiamento milionário à Oi

Além de se comprometer a adquirir a base de clientes, a V.tal também emprestou dinheiro para a Oi. A companhia neutra irá financiar o montante de R$ 758,5 milhões na modalidade debtor in possession (DIP) — ou seja, sem garantia de bens, mas com prioridade para recebimento na lista de credores.

A Oi também comunicou que tomou outro empréstimo, dessa vez do Ad Hoc Group, na cifra de US$ 135 milhões — algo próximo de R$ 700 milhões na cotação atual.

Técnicos da Oi expandindo rede de fibra óptica em Belo Horizonte/MG
Técnicos expandindo rede de fibra óptica da V.tal (Imagem: Lucas Braga / Tecnoblog)

Na Assembleia Geral de Credores, a Oi temia que os adiamentos para a formalização do plano de recuperação judicial atrapalhassem a liquidez da companhia, com risco de ficar sem dinheiro em caixa.

V.tal assegura que se manterá como rede neutra

A V.tal é uma companhia neutra, e atende tanto a Oi como outras operadoras — incluindo, Claro, Sky e TIM. Nesse modelo de negócios, o interessado contrata a V.tal para fornecer a fibra óptica até a casa do consumidor, o que ajuda a reduzir custos de implementação.

Um dos conceitos da rede neutra é justamente a neutralidade, de forma que determinada companhia não tenha privilégios frente a outra. Ao Telesíntese, a V.tal afirma que a carteira de clientes seria isolada por uma espécie de muralha ética (ethical wall), que a deixaria com sistemas, gestão e governança separada.

Relacionados