Início » Comportamento » O futuro dos cartões: crédito, débito, celular ou carro?

O futuro dos cartões: crédito, débito, celular ou carro?

Em vídeo: seu dinheiro vai estar no smartphone, no automóvel ou na camisa, não apenas na carteira

Paulo Higa Por

Direto de Barcelona — Eles estão demorando para se popularizar no Brasil, mas os sistemas de pagamento móveis já começaram a chegar. A Samsung fechou parcerias com Visa, MasterCard, Bradesco, Itaú, Nubank, Porto Seguro e outras instituições para oferecer nos próximos meses a possibilidade de pagar pelo smartphone em estabelecimentos locais, sem precisar andar com o dinheiro de plástico na carteira.

Só que essa novidade é parte de uma mudança maior na maneira como pagamos as nossas compras — e as bandeiras de cartão de crédito não querem ficar de fora, claro. Durante a Mobile World Congress, a Visa apresentou novas formas de pagamento que dispensam o pedaço de plástico, mas o colocam em todos os lugares. A ideia é que o cartão de crédito esteja onipresente, dentro do seu celular, automóvel, relógio ou até na roupa.

Para a Visa, uma das principais dificuldades enfrentadas para popularizar os meios de pagamento alternativos é o medo do consumidor. Ainda não está claro para o público se esses sistemas são realmente seguros, nem como agir em caso de perda ou roubo do celular, por exemplo. Com certeza o obstáculo não é a falta de tecnologia, afinal, o Brasil tem o maior parque de terminais contactless do mundo (!), com mais de 2,5 milhões de maquininhas aptas a receber pagamentos sem a necessidade do cartão físico.

visa-pagamento-cartao-credito-dinheiro-contactless-2

A chave do funcionamento dessas tecnologias alternativas de pagamento é a tokenização. Normalmente, você depende dos 16 dígitos do seu cartão (e alguns dados de confirmação, como sua senha ou código de segurança) para fazer compras. Nos meios novos, esses dígitos são substituídos por um identificador único que a Visa chama de token de pagamento.

O token de pagamento é fornecido pela própria bandeira. Funciona assim: você cadastra seu cartão no smartphone, automóvel ou qualquer outro dispositivo, que entra em contato com a administradora do cartão para verificar as informações. Se tudo estiver correto, um código único e exclusivo (o token) é enviado para a carteira virtual do seu dispositivo.

Com o token registrado de maneira segura no dispositivo, você não precisaria mais memorizar a senha ou digitar os números do cartão em alguma página da web: basta pegar o aparelho no qual você registrou o cartão e… pagar. No caso do Samsung Pay, você só precisa ligar o smartphone, escolher o cartão e confirmar que você é você mesmo, com sua impressão digital. Mas outras formas de pagamento podem usar a palma da mão ou a íris, por exemplo.

Eu fui conferir algumas dessas novidades tecnológicas no mercado de pagamentos. Assista ao vídeo:

Isso abre algumas possibilidades. Primeiro, seu cartão pode estar em qualquer lugar, não apenas na sua carteira. Entrou no posto de gasolina? Seu próprio carro pode pagar o abastecimento, afinal, o token já está registrado nele. Esqueceu a carteira em casa? Tem um chip no seu relógio ou manga com o token: encoste-o na maquininha e pague a conta, sem problemas.

Além disso, você não precisa se preocupar se alguém roubar seu smartphone, relógio ou automóvel (ok, talvez um pouco). Basta cancelar remotamente o token armazenado nesses dispositivos e pronto, ninguém conseguirá fazer compras não autorizadas. A vantagem é que, como o token é único e exclusivo para cada dispositivo, você só precisa cancelar o token que foi “roubado” — e nem precisa esperar o pedaço de plástico novo chegar, afinal, ele continua intacto.

Já trocamos o dinheiro em papel por um pedaço de plástico. Na internet, nem usamos mais o pedaço de plástico, apenas os números aleatórios que estão impressos nele. Agora, vamos substituir tudo isso por... qualquer coisa.

Paulo Higa viajou para Barcelona a convite da Intel.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Denis Lins
Usa NFC, a distância de funcionamento é muito pequena para alguma coisa assim acontecer.
issamu
Não existe risco de debitar de outro aparelho ? Tem alguma distância máxima para celular ?
Isaac Andrada
O Itaú tem um processo interessante. Ele gera um número e um cod de segurança novos cada vez que vc compra na internet, e esses números são válidos somente uma vez para aquela transação. Se copiarem aqueles dados, eles não vão servir para nada. Achei interessante.
Feripe Hatsune
Na parte segurança, esse método ganha por ter uma camada a mais de proteção que o "plastiquinho" não tem no caso de um roubo/perda. Sem falar que não precisa digitar senhas ou PINs.
Ian Koerich Maciel
"uma das principais dificuldades enfrentadas para popularizar os meios de pagamento alternativos é o medo do consumidor"... Como que estes métodos alternativos poderiam se popularizar se nunca estiveram disponíveis? Fala-se em NFC há anos (tanto que as máquinas já estão prontas e nos postos de venda), porém não existe nenhuma solução para o usuário ainda... não há Android Pay, Samsung Pay, ... A única coisa que existe é um aplicativo do BB lançado há poucos meses, mas "em fase experimental ainda" - só suporta cartões visa e apresenta bastante problema...
Lucas Ribeiro
Qual é o microfone que o Higa está usando? O audio tá bom demais para ser o do celular.
Murilo Aquino
$ 4,29 o galão do combustível
Bruno ?
Tem gosto para tudo, não?
Ricardo - Vaz Lobo
Dinheiro virtual, parece às vezes, mais vulnerável que o de papel ou o de "prástico".
Diogo Nóbrega
Ainda tem gente que prefere o bom e velho pedaço de vinil... O bom e velho pedaço de fita magnética.... O bom e velho pedaço de papel... E por aí vai :P
W. Motorola
No xda já estavam vendo um jeito de fazer o Knox funcionar com root.
Lucas Carvalho
Prefiro o bom e velho escambo.
Supersonic
O problema disso fica para o pessoal mais nerd que gosta de fazer root e fuçar no software, pois o Samsung pay ou mst se perde com isso e não recupera mais.
Amarildo
Fazem a festa na internet, pq só precisam da numeração do cartão e o código de segurança localizado na parte de trás.
Bruno ?
Mimimi não, é "Opinião".
Eglon Henrique
Sempre vai ter a galera do mimimi
Diogo Nóbrega
E convenhamos, dessa forma é até mais seguro. Quando alguém rouba um cartão, já rouba o número e aquele código de confirmação tudo junto.
Bruno ?
Nah, ainda prefiro o bom e velho pedaço de plástico.
Paulo Higa
No smartphone, a senha pode ser sua impressão digital, sua íris, uma senha tradicional, enfim, qualquer coisa que a tecnologia permitir e confirme que você é você.
Anakin
Mas ainda precisa de uma senha? Porque digamos que meu celular foi roubado, até eu chegar em casa e falar com a administradora de cartões, da tempo de alguém gastar nele.