Em novembro, a Mozilla lançou para todos o Firefox Quantum, um esforço de modernização para tornar o navegador mais rápido e mais seguro. Esta semana, ele está sendo atualizado para a versão 58.

Firefox Quantum

O Firefox mudou a forma como renderiza as páginas. Anteriormente, ele tinha duas threads: uma delas identificava os elementos visíveis, dividia-os em diferentes camadas, e produzia os pixels correspondentes; a outra thread reunia esses grupos de pixels em uma página completa.

Agora, ele usa três threads: uma delas identifica os elementos visíveis; outra gera os pixels de cada camada; e a terceira thread reúne tudo em uma só página. Desenhar os pixels leva mais tempo, então separar esse processo acelera o carregamento.

A Mozilla quer tornar o navegador mais fluido, mirando em uma renderização de 60 quadros por segundo. Isso significa que o Firefox tem apenas 16,6 milissegundos para gerar os pixels para cada quadro.

No futuro, o Quantum vai substituir esse processo por um novo componente chamado WebRender. No entanto, ainda levará tempo até que ele funcione adequadamente com todos os chips gráficos e placas de vídeo no mercado.

Enquanto isso, no Android, o Firefox ganhou suporte melhorado a PWAs (aplicativos progressivos para web). São sites que se parecem com apps nativos: eles têm interface em tela cheia, oferecem notificações push e trazem recursos off-line.

Você verá um botão em forma de casa na barra de endereços; basta tocá-lo para adicionar o PWA à tela inicial. Então, você poderá acessá-lo em tela cheia, sem uma barra de endereços.

Além disso, o navegador mudou o acesso aos favoritos: em vez de uma caixa de diálogo, você poderá ver e organizar seus links e pastas em tela cheia.

O Firefox está disponível para download neste link.

Com informações: Mozilla, Ars Technica.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Armando Augustus Freire
Ah, @disqus_HS6QtrqJYG:disqus , mas até aí, o SO sempre (ou quase sempre) leva a culpa! Peguemos o app do Facebook no Android, por exemplo, que foi a única coisa que fez meu Nexus reiniciar sozinho! A culpa era do app, claro! Mas para a maior parte dos usuários, a culpa vai ser do Android que é lento, trava, engasga e etc etc. O mesmo vale pro Windows nesse cenário que você levantou! ¯_(?)_/¯
paulo yan
Eu também. Odiava o Firefox, mas essa versão está sensacional. Larguei o chrome. Único problema é com o site da netflix: sempre da uma congeladinha antes de abrir.
Geraldo Lopes
Aqui está assim (pode mudar): 1: Opera 2: Vivaldi 3: Firefox ESR (por causa de minhas extensões) 4: Chromium (detesto o Chrome por ser muito invasivo) Edge e IE desativados . https://uploads.disquscdn.com/images/503bbddcb68fea0c48801b1ffb4d46208ff4ddf52b49dc84f6bac8c37a5547e3.jpg
Marks Duarte

O Windows 10, mais precisamente, usa uma espécie de marcação nos programas alocados na memória. Conforme ele identifica que um programa é constantemente utilizado, ele mantém mais recursos alocados para não precisar carregar do HD sempre que for utilizar tal programa. Esse é um dos fatores do Chrome usar muita RAM.

Marks William
O Windows 10, mais precisamente, usa uma espécie de marcação nos programas alocados na memória. Conforme ele identifica que um programa é constantemente utilizado, ele mantém mais recursos alocados para não precisar carregar do HD sempre que for utilizar tal programa. Esse é um dos fatores do Chrome usar muita RAM.
Marks Duarte

Instalei aqui e o danado é bom mesmo!

Marks William
Instalei aqui e o danado é bom mesmo!
Thiago Moraes
tbm to usando. mil vzs melhor q o chrome.
Gabriel Arruda
Memória virtual existe para mitigar um problema, para você rodar aplicação mesmo sem memória RAM suficiente. O ideal é não precisar paginar nada, quanto maior o consumo de memória, maior a probabilidade de cache miss e degradação de desempenho. Em outras palavras, se tem um programa consumindo muito sua memória, maiores a chance de uma outra aplicação que você quer usar ficar no armazenamento e você perder desempenho nesse swap de páginas entre armazenamento e RAM. E o SuperFetch só acaba pagando o pato desse consumo excessivo de memória, afinal ele simplesmente vai para de carregar aplicações em cache porque uma aplicação de usuário é mais prioritária (Chrome no caso) e diz que precisa daquele espaço sendo usado por cache. O Windows pode conseguir mitigar, mas só o Chrome pode, por exemplo, matar seus processos pouco usados para o Windows usar essa memória para todo o resto.
ばか

Usar ram por necessidade é uma coisa, usar uma grande quantidade para uma simples atividade é outra.

Me explique, como renderizar uma pagina da web com um texto e imagens pode consumir tanto quanto um jogo com cálculos mais complexos?

Git Gud
Usar ram por necessidade é uma coisa, usar uma grande quantidade para uma simples atividade é outra. Me explique, como renderizar uma pagina da web com um texto e imagens pode consumir tanto quanto um jogo com cálculos mais complexos?
Matheus Alexandre
Também comecei a usar a partir do Quantum.
Tenente Figueiredo
Não. O windows não mata o processo. Ele joga pra memória virtual/paginação. Vc é mais um que precisa estudar gerenciamento de memória. Podes começar pesquisando sobre SuperFetch e cache.
doorspaulo
Tem algo errado. Estou no Nightly 60.algumacoisa, e está redondinho no meu note. i5 3320M, 12GB DDR3 1333. Ele também está redondo no HTPC, que é um i5 3330 com 6GB de RAM, e no desk gamer, que é um i7 4770K 4.2Ghz, com 16GB + RX 480 Nitro+
Gabriel Arruda
Um SO "não mobile" não tem jurisdição para terminar aplicações, é diferente de Android e iOS que matam programas em background quando necessário. Os apps já têm esse comportamento mapeado, o que fazer quando o SO fechar meu programa e o que fazer quando o usuário reabri-lo. Talvez os aplicativos Modern, mas Win32, até onde eu sei, não tem essa feature. Se o Chrome ir lá e alocar 6GB de 8GB, o Windows não pode simplesmente matar os processos. É importante que o Chrome faça isso ativamente, recarregando as abas como eles implementaram.
Exibir mais comentários