Início » Mobile Negócios » Huawei sofre mais um revés nos EUA após acusações de espionagem

Huawei sofre mais um revés nos EUA após acusações de espionagem

Por
30 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A Huawei é a terceira maior fabricante de smartphones no mundo. Ela queria liderar esse mercado global até 2020, mas os EUA não estão interessados em ajudar.

Segundo a CNET e a Reuters, a Best Buy — maior varejista de eletrônicos nos EUA — interrompeu a compra de smartphones da Huawei, e deixará de vendê-los em questão de semanas, quando os estoques acabarem.

Foto por Kārlis Dambrāns/Flickr

A Best Buy é quem teria tomado a decisão. A empresa não confirma isso oficialmente, dizendo apenas que muda seu catálogo de produtos por uma “variedade de razões”.

Outras parceiras da Huawei também estão se distanciando da fabricante. A operadora AT&T cancelou o lançamento do Mate 10 Pro nos EUA pouco antes do anúncio oficial na CES 2018. E a Verizon desistiu de vender smartphones da marca após pressão do governo americano.

Recentemente, líderes do FBI, CIA e NSA recomendaram que os americanos parem de usar aparelhos da Huawei, porque eles ajudariam o governo da China em ações de espionagem.

Por que a Huawei é alvo de tanta desconfiança, se outras fabricantes chinesas vendem produtos nos EUA? Em 2012, o governo americano reuniu alguns motivos: a empresa foi fundada por Ren Zhengfei, ex-engenheiro do Exército de Libertação Popular da China; ela teria recebido ajuda do governo chinês para sua expansão internacional; e redes montadas com equipamentos da empresa tinham “relatos de incidentes estranhos ou alarmantes”.

A ZTE também motivou suspeitas por revender equipamentos da Cisco para o Irã, país sob embargo comercial. Por isso, um projeto de lei nos EUA quer proibir a venda de smartphones e outros dispositivos fabricados por Huawei, ZTE e suas subsidiárias.

Em comunicado, a Huawei diz que conquistou a confiança de seus parceiros: “nossos produtos e soluções são utilizados por grandes operadoras, empresas da Fortune 500 e centenas de milhões de consumidores em mais de 170 países em todo o mundo”.

Com informações: CNET, Engadget.